domingo, agosto 12, 2018

Hebreus 12:1-3 – Comentário de Kistemaker

Hebreus 12:1-3 – Comentário de Kistemaker

Hebreus 12:1-3 – Comentário de Kistemaker

Usando uma série de exemplos retirados da história do povo de Deus, o autor continua a exortar seus leitores. Anteriormente ele exortou-os a perseverar em fazer a vontade de Deus (10.36); agora ele lhes diz para correr a corrida com perseverança e olhar para Jesus. Os crentes da era do Antigo Testamento tinham apenas a promessa. Nos tempos do Novo Testamento, os crentes têm o cumprimento da promessa e, portanto, veem a Jesus.

1. Portanto, uma vez que estamos cercados por uma grande nuvem de testemunhas, deixemos de lado tudo o que atrapalha e o pecado que tão facilmente se enreda, e corramos com perseverança a corrida marcada para nós.

Os contemporâneos dos primeiros leitores de Hebreus desenvolveram um interesse pelo esporte. Atletas disputaram em um estádio local, enquanto os espectadores sentaram nos assentos em camadas ao redor da arena. Embora os cristãos talvez não estivessem totalmente envolvidos (porque os jogos forneciam uma desculpa para os excessos pagãos), eles estavam totalmente familiarizados com os esportes de sua época. Do mundo dos esportes, o autor empresta a imagem de espectadores, vestimentas e condições dos competidores, e o concurso em si.

Observe estes pontos:

A. Nuvem

O autor se coloca no mesmo nível dos leitores. Ele é um deles, pois também é um concorrente. Com seus colegas competidores, ele olha para as arquibancadas e vê uma multidão de espectadores. O escritor de Hebreus os chama de “uma grande nuvem de testemunhas”. Essa pode ser uma expressão idiomática que significa o mesmo que nosso termo, uma multidão de pessoas. A palavra testemunha, no entanto, tem dois significados. Primeiro, refere-se a uma pessoa que assiste a cena diante dele; seus olhos e ouvidos lhe dizem o que está acontecendo. Em seguida, a palavra significa que uma pessoa é capaz de falar sobre o que viu e ouviu.

As testemunhas não estão em silêncio. De fato, o escritor de Hebreus diz de Abel: “E pela fé ainda fala, ainda que esteja morto” (11:4). Os heróis da fé mencionados no capítulo 11 falam, mas o fazem através das páginas da Escritura. Eles nos animam, por assim dizer, porque a corrida que corremos diz respeito à causa de Cristo. Por meio de suas vozes bíblicas, eles nos encorajam em nossa disputa de fé. As testemunhas nos cercam, pois têm interesse em nossa realização (11:40).

B. Obstáculo

“Vamos jogar fora tudo o que atrapalha”, escreve o autor. Ele olha para as roupas que vestimos e para a condição física em que estamos. Quando fazemos uma corrida, vestimos roupas esportivas adequadas, projetadas para fornecer peso mínimo e máximo conforto. E para nos qualificarmos como corredores, nos esforçamos para perder mais gordura corporal fortalecendo nossos músculos. Aquilo que é volumoso em nossos corpos deve desaparecer, pois nos atrapalha na corrida que corremos.

Quais são os impedimentos que nos atrapalham? Jesus diz: “Cuidado, ou o seu coração será sobrecarregado com dissipação, embriaguez e ansiedade da vida” (Lucas 21:34). Paulo instrui: “Mas agora você deve livrar-se de todas essas coisas como estas: raiva, maldade, maldade, calúnia e linguagem imunda de seus lábios” (Col. 3:8; veja também Tiago 1:21; I Pedro 2:1) .

C. Pecado

Um obstáculo em si não é um pecado, mas porque impede que um competidor seja um obstáculo, pode se tornar pecado. O pecado se emaranha, assim como um manto esvoaçante que desce até o chão enredaria um corredor nos tempos antigos. Coloque esse impedimento de lado, diz o autor de Hebreus. “Vamos tirar tudo o que nos atrapalha ou nos retém, e especialmente aqueles pecados que se enrolam tão fortemente em nossos pés e nos enganam.”

O escritor é bastante específico. Ele chama o pecado de pecado. O que ele quer dizer? Ele se abstém de responder a essa pergunta, mas outras passagens da Escritura sugerem que o pecado da cobiça é o principal entre as transgressões do homem. Lembre-se que Eva caiu em pecado porque desejava obter sabedoria (Gn 3:6). O último mandamento no Decálogo proíbe a cobiça (Êx 20:17; Dt 5:21). E este mandamento serve realmente como um resumo para salientar que os mandamentos precedentes são implicitamente dirigidos contra a cobiça do homem. Em sua carta aos colossenses, Paulo chama os maus desejos e a ganância da idolatria (3:5; veja também Efésios 4:22). Embora o autor de Hebreus se refira ao pecado, ele mesmo deixa o significado preciso de uma questão em aberto. A intenção de sua exortação é que devemos evitar o pecado, pois impede nosso movimento na corrida que devemos correr.

D. Corrida

Quando o escritor nos exorta a “correr com perseverança a corrida marcada para nós”, ele ecoa as palavras de Paulo: “Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé” (2 Timóteo 4:7). Paulo falou essas palavras no final de sua vida quando soube que estava se aproximando da linha de chegada e da “coroa da justiça” esperando por ele.

Nós, os competidores, devemos correr a corrida com perseverança. Nosso objetivo é chegar à linha de chegada. Mas, enquanto continuamos a executar o curso que Deus colocou diante de nós, mantemos o olho da fé fixo em Jesus. Ele nos encoraja a perseverar no curso, pois ele mesmo correu a mesma corrida. Jesus é aquele que fortalece o corredor e lhe permite suportar.

Aprofunde-se mais!

Fonte: Kistemaker, S. J., & Hendriksen, W. (1953-2001). Vol. 15: New Testament commentary:  (p. 364). Grand Rapids:Baker Book House.