quarta-feira, agosto 01, 2018

João 7 — Explicação Fácil

João 7 — Explicação Fácil

João 7 — Explicação Fácil

7:2 Festa dos tabernáculos: a visita de Jesus à festa (Festa dos Tabernáculos, aproximadamente no início de outubro) foi debatida por Seus meio-irmãos, cerca de seis meses antes da Crucificação. Durante esta festa, durante seis dias consecutivos, uma procissão de sacerdotes transportava água em vasos de ouro para a área do templo. Este vazamento de água foi pensado para ter significado físico e espiritual. No sétimo dia, o “grande dia” (v. 37), nenhuma água foi carregada. Foi então que Jesus se levantou e ensinou sobre os “rios de água viva” (v. 38), uma referência especialmente significativa ao Espírito Santo.

7:3–5 O conselho dos meio-irmãos descrentes de Jesus era ir à festa. Note que Maria teve outros filhos por José, mas eles eram ainda incrédulos (cf. Atos 1:14).

7:6–8 Meu tempo refere-se a sua morte. Este momento de Sua glorificação (cf. 17:4, 5) ainda não havia chegado (cf. 2:4; 7:30; 8:20; 17:1).

7:15 Como se sabe: Jesus provavelmente recebeu o treinamento normal de sinagoga de meninos judeus (cf. Lucas 2:47, quando Jesus tinha 12 anos de idade no templo). Mas ele não frequentou uma escola para rabinos em Jerusalém, como Paulo fez com Gamaliel. Jesus afirmou que Sua capacidade de ensinar deveria provar a origem divina de Sua mensagem.

7:17 A obediência ajudará a determinar a verdadeira doutrina. Infelizmente, a maioria das pessoas procura reverter essa ordem. Eles querem saber mais do que o necessário antes de agir.

7:21 Uma obra provavelmente se refere à cura do enfermo no capítulo 5 (cf. 7:23). Para os judeus, o conflito estava entre os mandamentos de guardar o sábado e circuncidar no oitavo dia.

7:25–52 Esta passagem enfoca a reivindicação de Jesus ao messianismo. Não há dúvida nas mentes de Seus ouvintes sobre Sua afirmação, que Ele deixou claro para eles. Mas a resposta deles é confusa e dividida (v. 43). Havia três razões muito boas para aceitar a sua reivindicação:(1) a hesitação dos governantes de pará-lo (vs. 25, 26, 30, 32, 44); (2) os milagres que Ele fez (v. 31); e (3) a excelência de seu falar (vs. 40, 46). No entanto, eles encontraram três razões para rejeitar sua afirmação:(1) Acreditava-se comumente que o Messias viria de maneira espetacular (Malaquias 3:1), mas a suposta origem de Jesus era bem conhecida (v. 27). (2) O Messias deveria sentar-se no trono de Davi e, portanto, deve ser um judeu de Belém, a cidade de Davi (Mic. 5:2), mas eles pensavam que Jesus nasceu na Galiléia (vv. 41, 42, 52 ). (3) O Messias deveria ser um defensor da lei - contudo, Jesus parecia indiferente a isso (vv. 47-49), curando-se no sábado.

A habitação do Espírito Santo

7:39 Um dos propósitos de Deus desde o começo tem sido habitar com a humanidade e desfrutar da comunhão conosco. Ele faz isso nesta dispensação através da habitação do Espírito Santo. A habitação do Espírito Santo (1) ocorre automaticamente quando uma pessoa é salva; (2) não é uma “experiência”, mas produz experiências espirituais; (3) permanece permanentemente; (4) é a base de todos os outros ministérios do Espírito Santo; e (5) é a fonte de nova vida no crente. Ilustração: Quando Paulo encontrou 12 discípulos de João que não conheciam o Espírito Santo, ele sabia que eles precisavam ser salvos. Então, ele pregou o evangelho a eles (Atos 19:1–5). Aplicação: A habitação do Espírito Santo deve motivar o crente a ser cuidadoso para não prejudicar seu corpo, nem satisfazer seu corpo em pecado (1Co 6:19, 20). (Primeira Referência, Êxodo 35:31; Referência Primária, João 7:37–39; cf. 1 Coríntios 12:13.)

7:49 Este povo: Os fariseus desprezam o povo rural que não observa rigidamente a lei.

7:50, 51 Não se sabe se Nicodemos foi salvo neste ponto. Ele provavelmente era a fonte de João para este evento.

7:52 Da Galileia não surge profeta: é claro que eles estavam errados. Jonas veio de Gate-Hefer na Galileia (2 Par. 14:25); Naum era de El Kosh, que pode ter sido Cafarnaum (lit., “Aldeia de Naum”), renomeado em honra do profeta (cf. Na 1:1). Além disso, acredita-se que Oseias tenha sido da Galileia.

7:53-8:11 Certos manuscritos antigos não contêm essa passagem, enquanto outros a publicam mais tarde no evangelho de João ou no de Lucas. Certamente a passagem registra um evento histórico na vida de Jesus, por isso não precisamos duvidar de sua autenticidade.