terça-feira, agosto 07, 2018

Mateus 7:1-12 — Comentário Católico

Mateus 7:1-12 — Comentário Católico

Não Julgar, Pedir e Buscar (7,1-12)

Mateus abrevia e transforma a parataxe semítica original “não julgueis e...” na lógica grega mais clara e melhor de “não julgueis para não serdes julgados”. Este versículo nos livra da necessidade de ser a consciência ou o censor do outro, mas não nos livra de toda e qualquer necessidade do juízo. Inclusive uma proposição simples como “Esta vaca é marrom” é um juízo, e na vida adulta não podemos escapar da obrigação de formar alguns juízos mesmo sobre o caráter moral de outras pessoas. Pais, noivos, empregadores, juízes civis, administradores da igreja, etc. têm todos esse dever. O ensinamento de Jesus adverte contra a usurpação do julgamento definitivo de Deus, que é o único que vê o coração. Em contraposição ao seu, nosso julgar precisa ser sempre aproximativo, parcial e inadequado (veja ISm 16,7; Jr 17,10). Mas sempre que possível, deveríamos tentar cuidar de nossos próprios interesses e não nos intrometer na vida alheia. 2. sereis julgados... sereis medidos: As formas verbais são passivas teológicas: Deus é o agente (veja ZBG § 236). Cf. rn. Sota 1,7-9. A fórmula da medida pode remontar a papiros comerciais escritos em egípcio demótico e a textos gregos do primeiro milênio a.C. (B. Couroyer, RB 77 [1970] 366-70). 3-5. Estes versículos contêm uma advertência contra os juízes hipócritas, que, contudo, pressupõe o julgamento de outras pessoas como necessário. Cf. Jo 8,1-11. 6. O sentido deste versículo é incerto, sagrado: No AT, este termo refere-se à carne sacrificial (Ex 29,33); aqui significa a mensagem do reino de Deus; posteriormente será aplicado à eucaristia (Did 9,5; 10,6). pérolas: Neste contexto, as pérolas poderiam significar a mensagem do reino ou o próprio sermão, jogar pérolas: O termo hebraico para “jogar”, “atirar” é yãrâ. De um homônimo (yãrâ III) se deriva o termo tôrâ, “instrução” (possivelmente, a partir do pastor que joga uma pedra para indicar a direção a um viajante); assim, um jogo de palavras com os ensinamentos da Torá pode estar implicado. cães... porcos: Animais impuros no AT; figuras de homens sem instrução na literatura rabínica (cf. SI 22,17.21); também se aplica aos gentios (‘Abot R. Nat. 34,2; Mt 15,26) e heréticos (2Pd 2,20-22). Aqui talvez simbolize os ouvintes que não reagem positivamente.

Comentário: Mateus 1 Mateus 2 Mateus 3 Mateus 4 Mateus 5 Mateus 6 Mateus 7 Mateus 8 Mateus 9 Mateus 10 Mateus 11 Mateus 12 Mateus 13 Mateus 14 Mateus 15 Mateus 16 Mateus 17 Mateus 18 Mateus 19 Mateus 20 Mateus 21 Mateus 22 Mateus 23 Mateus 24 Mateus 25 Mateus 26 Mateus 27 Mateus 28

7. Buscai: neste contexto, todos os verbos se referem à oração; como em 6,33, deve-se sobretudo buscar o Reino de Deus e a justiça também na oração. Em hebraico, “buscar” seria dãras; daí o termo do midrásh, “estudo” ou investigação das Escrituras. Talvez cientes deste uso mais intelectual, os protocristãos gnósticos tiraram esta expressão, “buscai e achareis”, de seu contexto e usaram-na para justificar suas especulações teológicas. No princípio, os Padres da Igreja resistiram a esta aplicação do texto, mas na época de Agostinho foi usada também pelos ortodoxos para fundamentar sua reflexão teológica. Questionar é a piedade do pensamento. 7-11. A resposta de Deus à oração. 11. vós que sois maus: Esta expressão sugere uma adoção não reflexiva da doutrina, do pecado original ou da pecaminosidade dos adultos, boas dádivas: Lucas apresenta, em vez disso, “o Espírito Santo”, que poderia ser uma espiritualização de uma expectativa material original. 12. A regra de ouro (36 acima). Do ponto de vista literário, este é o fim do sermão, um resumo de seu conteúdo, antes da conclusão com as maldições e bênçãos da aliança. Está relacionado com outros versículos estruturantes, 5,17.20; 6,1.33, mas também com 22,34-40, onde retorna a fórmula “esta é a lei e os profetas”. A regra tem uma longa pré-história. Algo parecido é sugerido em Dt 15,13; Tb 4,15; Ep. Arist. 207; Eclo 31,15; Ob 15. Mais tarde em b. Sabb. 31a Hillel dá ao prosélito inquiridor a regra na forma negativa de “prata” e diz então: “O restante é comentário, agora vá e estude”. A regra tem também uma pré-história helenística, surgindo na ética popular do séc. V a.C. promovida pelos sofistas (veja Aristóteles, Ret. 2.6.19 [1384b]). Esta ética se baseia na retribuição e na moral como um equilíbrio das obrigações. Ela precisa ser controlada por uma noção do bem. Um masoquista desvirtuaria esta regra (veja IDBSup 369-70).