domingo, agosto 12, 2018

Romanos 8:2 – Comentário Grego Gramatical

Romanos 8:2 – Comentário Grego Gramatical

Romanos 8:2 – Comentário Grego Gramatical

Se o v. 1 é a reafirmação do tema principal da composição no agora acorde familiar, maciçamente impressionante em sua solene simplicidade, v 2 é o começo de mais uma variação sobre ele, uma terceira exposição (γάρ), desta vez no chave do Espírito. As características proeminentes desta variação já foram antecipadas em 2:29; 5:5; e 7:6.

ὁ γὰρ νόμος τοῦ πνεύματος τῆς ζωῆς, “pela lei do Espírito da vida”. NEB, “a lei do Espírito que dá vida”, e NJB, “a lei do Espírito que dá vida”, afastam-se muito de o paralelismo com “a lei do pecado e dá morte”. A maioria dos comentaristas considerou quase impossível tomar essa frase como uma referência à Torá (ver, por exemplo, Dodd, “Law”, 37; Nygren; Murray; Leenhardt; Cranfield, que mudou de ideia de seu anterior “Paulo e a Lei”, 166; outros em Wilckens, n. 490; mais recentemente Deidun, Morality, 194-203; Light, Gesetz, 104; Räisänen, “Gesetz” e Lei 50 -52; Sanders, Law, 15 n.26; Zeller; Harrisville). Acima de tudo, há o contraste com 7:6, com sua antítese afiada e aparente e mutuamente exclusiva entre γράμμα e πνεῦμα; e a rejeição ainda mais impressionante de qualquer ideia de que a lei poderia dar vida em Gálatas 3:21 (ver, por exemplo, Käsemann, “a lei irreparavelmente pervertida de Moisés”). Se νόμος aqui denota a Torá, isso significaria que Paulo, que tem pisado tão pesadamente sobre as sensibilidades judaicas em 5:20; 6:14; e 7:5, voltou abruptamente para a linguagem mais tipicamente judaica; Paulo aqui de repente fala com a voz de Tiago (Tiago 1:25)!

(1) O problema é facilitado quando nos lembramos que o cap. 7 dedicou-se a explicar o papel de νόμος e, na verdade, a defender νόμος. Ali a ligação entre a lei, o Espírito e a vida foi fortemente afirmada: 7:14 — νόμος πνεματικός ἐστιν; 7:10 — ἡ τντολὴ ἡ εἰς ζωήν. Paulo já havia percorrido um longo caminho para mostrar que não estava atacando a lei e com os próprios termos que usa aqui. “A lei do Espírito da vida” é, na verdade, pouco mais que um resumo compacto desses usos anteriores. Ainda há uma tensão no pensamento, mas é a tensão do sujeito. 7. A frase aqui não acrescenta nada a ela. (2) Assim também não deve ser esquecido que a sequência imediata do pensamento iniciada no v. 2 atinge o clímax no v. 4 na afirmação de que “a exigência da lei” é cumprida naqueles “que andam κατὰ πνεῦμα”. O próprio Paulo explicitamente liga a Torá e o Espírito de uma maneira totalmente positiva na frase seguinte.

(3) Estas duas observações confirmam fortemente que Paulo é capaz de pensar a lei de duas maneiras diferentes: a lei capturada no nexo do pecado e da morte, onde é atendida apenas por σάρξ, é a lei como γράμμα, capturada no época antiga, abusada e destrutiva (ver em 2:28–29 e 7:6); mas a lei entendida corretamente, e respondida a ἐν πνεύματι οὐ γράμματι é agradável a Deus (2:29). A dupla lei de v 2, portanto, simplesmente reafirma a parcialidade da lei exposta em 7:7–25 em termos que já seriam familiares para seus leitores. (4) O fato de νόμος ser o assunto da sentença não deve receber muito peso (como Räisänen, “Gesetz” 115–16): a estruturação da sentença é provavelmente retórica - as duas leis nos lugares de ênfase (início e fim da sentença); e a ênfase está no Espírito (“a lei do Espírito da vida”), assim como em 7:7–25 o principal culpado não era a lei, mas o pecado (“a lei do pecado e da morte”). (5) Isto se correlaciona completamente com a clara suposição de que a lei não é antagônica à fé, mas é, pelo contrário, estabelecida através da fé (3:31); veja mais adiante em 3:31; 9:31-32; 10:6–8; e 13:8-10. Visto que a fé e o Espírito claramente pertencem à teologia de Paulo, mesmo que para análise, ele dificilmente os reúne em Romanos (cf. particularmente Gálatas 3:1-14), o corolário mais óbvio é que “a obediência da fé” (1:5) é outra maneira de descrever “andar segundo o Espírito” (8:4); somente através da união do poder divino e da receptividade criativa, a lei pode encontrar a resposta para a qual Deus se parece.

(6) O impulso escatológico do contexto e da frase não deve ser menosprezado. A lei do Espírito é a lei escatológica (cf. Jr 31,31-34; Ez 36,26-27); 8:1–2 fala de dentro da perspectiva da nova época introduzida por Cristo, enquanto que 7:23 fala de dentro da antiga época de Adão. É o Espírito que libera “a lei da mente” (7:23) de sua impotência. (7) Se as tensões internas dentro de Romanos são assim resolvidas, a tensão entre 8:2 e Gálatas 3:21 permanece. Isso também pode, no entanto, ser atenuado, quer postulando algum desenvolvimento no pensamento de Paulo sobre o assunto entre Gal e Rom (em Gálatas mais radical, em Romanos mais comprometedor em sua atitude para com a Torá; assim Hubner, Law), ou argumentando que o principal impulso da crítica de Paulo à lei é dirigido contra a atitude nacionalista e presunçosa de seu próprio povo com respeito à lei (ver Introdução §5.3; 2:17-29; 3:27-4:25; 9:30-10) e que esta crítica domina Gal enquanto fornece apenas parte da apresentação geral de Romanos. De fato, v 3 equivale a uma repetição de Gal 3:21.

Em suma, já que o segundo νόμος é ainda mais claramente uma referência à Torá (veja mais adiante), isso lançaria o pensamento em alguma confusão para entender o primeiro νόμος de forma diferente. O contraste não está no próprio νόμος, mas na frase completa: “lei do Espírito da vida”, “lei do pecado e da morte” (ver mais adiante). O fato de que Paulo atribui um papel ativo a νόμος aqui (como em 3:27) não é uma objeção efetiva (contra Räisänen, Law, 51-52); é a lei do Espírito da vida que tem força libertadora positiva. Nos vv 3 e 4, o νόμος é ainda mais claramente uma referência à Torá (ver no 8:3); e um papel muito positivo é atribuído a essa mesma lei nos vv. 4 e 7. Veja mais em 7:21 e 23; também Schmidt; Moule, “Justificação”; Lohse, “Rm 8:2” e “Analisar”, 137–40; Hahn, “Gesetzesverständnis”, 47–48; Osten-Sacken, 226-34; Hubner, lei, 144-49; Wilckens; Schnabel, Law, 288-89).

Podemos notar que as duas frases νόμος em v 2 não são construídas em paralelo preciso: “Espírito da vida”, “pecado e morte” (contra Michel). A razão pode ser que Paulo pudesse pensar em “pecado” e “morte” como dois poderes coordenados cuja influência efetiva poderia ser concebida separadamente (cf. 5:13-14), enquanto que “Espírito” e “vida” são mais próximos. integrados - diferentes aspectos do único derramamento dinâmico da vida do Criador para a criatura (veja também Schlier). A associação do Espírito e da vida está, é claro, profundamente enraizada no pensamento judaico da dependência do homem para a respiração / espírito da vida inteiramente no Criador (por exemplo, Gn 6:17; Sl 104:29-30; Ez 37:5; Tob 3:6; 2 Mac 7:23). A ligação é igualmente fundamental para a mais antiga teologia cristã, particularmente de Paulo e João (Rm 8:2, 6, 10, 11, 13; 1 Coríntios 15:45; 2 Coríntios 3:6; Gl 6:8; João 4:10, 14; 6:63; 7:38-39; 20:22), e traz à tona a alegação cristã básica de que Deus tem agora (escatológico agora) iniciado através do Espírito para cumprir seu propósito criativo original ao fazer o homem. Cf. também Gaugler. Para πνεῦμα veja mais em 1:4; 5:5; 8:4 e 9. O strengthωή reforça a referência de volta ao chap. 5 (vv 10, 17, 18, 21) e o paralelo entre 6:4 e 8:4.

ἐν Χριστῷ Ἰησοῦ ἠλευθέρωσέν σε, “em Cristo Jesus vos libertou”. A frase preposicional provavelmente deveria ser tomada com o verbo; tomá-lo com a frase precedente (“o Espírito da vida em Cristo Jesus”; cf. Lagrange, Schlatter, Dodd, Kuss, Schlier) teria corolários muito interessantes para a cristologia e a pneumatologia, mas a falta de qualquer paralelo real em outras partes de Paulo (embora cf. 6:23) e seu incomum ao lado de suas outras declarações sobre esses temas, contam fortemente contra tal interpretação (Cranfield); é mais provável que a frase esteja posicionada antes do verbo para dar maior ênfase a ela; isto é, a libertação foi efetuada em e através de Cristo Jesus. O verbo lembra 6:18 e 22, onde o mesmo tempo aoristo decisivo é usado (ver em 6:18). Paulo, assim, evoca mais uma vez a sensação de libertação que a revelação de Cristo Jesus trouxe a ele em sua compreensão do propósito da aliança de Deus (cf. particularmente 2 Co 3:17, e a frequência do motivo da liberdade em Gálatas - 2:4). 3:28, 4:22-23, 26, 30-31, 5:1, 13). À luz de suas exortações no cap. 6 e análise da impotência carnal do homem no cap. 7, devemos supor que Paulo viu o ato de liberação como decisivo, mas ainda qualificado ou incompleto, isto é, aguardando a liberação final de 8:21 (ἐλευθερωθήσεται). Aqui como em rachaduras de 6 e 7 o aoristo de abertura do cap. 8 não deve ser tirado do contexto ou lido isoladamente dos cuidados e advertências mais cautelosos que Paulo passa a exprimir (contraste um exagero bastante típico em Byrne, Reckoning, 149: “Estar em Cristo” significa ter sido radicalmente cortar… da velha existência dominada pelo pecado 'em Adão' (ênfase adicionada). Se estivermos corretos, a sensação de sermos prisioneiros (7:23) e de sermos libertados (8:2) são ambos parte da experiência do crente na percepção de Paulo - ainda presos como um homem de carne pelo pecado e pela morte; um e o mesmo tempo já liberados “em Cristo Jesus”. O contraste entre 7:23 e 8:2 não é a expressão mais extrema da contradição existencial da fé expressa na e pela condição de queda humana; cf. Cranfield O σέ (ver Notas) personaliza e individualiza a verdade mais geral (cf. 7:7 e seguintes; Gl 2:20).

πὸ τοῦ νόμου τῆς ἁμαρτίας καὶ τοῦ θανάτου, “da lei do pecado e da morte.” Apesar das reservas por parte de alguns comentaristas (ver acima em νόμο τοῦ πνεύματος τῆς ζωῆς, e em 7:21) é muito improvável que νόμος fosse pretendido aqui em algum sentido mais geral. Paulo já ligou a lei, isto é, a Torá, muito intimamente com o pecado e a morte para permitir prontamente qualquer outra conclusão (5:12-14, 20; 7:5, 9-11, 13, 23-24). As palavras aqui simplesmente resumem essas descrições anteriores da interação do pecado, da morte e da lei em uma única frase vigorosa.

Aprofunde-se mais!

É importante lembrar que não é a lei em si da qual Paulo fala de ser libertado; é a lei como manipulada pelo pecado e morte (especialmente 7:9-13), a lei operando dentro do contexto da era de Adão (5:20-21), a lei entendida no nível da carne e a definição externa (γράμμα) (ver em 2:28–29 e 7:6); a lei liga essa manifestação do pecado tão firmemente à morte como qualquer outra (portanto, a sequência do argumento de 1:32 até o cap. 2). Da mesma forma, não é a lei como tal que liberta, mas a lei em seu propósito dado para a vida (7:10), que só pode ser alcançado quando ela funciona verdadeiramente como um instrumento de poder divino (ao invés de pecado), entendido e respondido no nível do πνεῦμα (e não do σάρξ), o qual constitui, ele próprio, uma relativização de todas as normas externas e, portanto, uma parte crucial do processo libertador. Todos esses pontos contextuais (incluindo o “em Cristo Jesus”) precisam ser levados em conta quando comparamos a fala estóica e cínica da liberdade em relação à lei (em referência a Jones, 124-28, que cita particularmente Epicteto 4.1.158 e 4.7.17).


Fonte: Dunn, J. D. G. (2002). Vol. 38A: Word Biblical Commentary: Romans 1-8 (p. 418). Dallas:Word, Incorporated.