domingo, 15 de novembro de 2009

Palavras no Original para “Pecado”
Erros, Transgressões, Falhas. As Escrituras freqüentemente vinculam “erro” (hebr.: ‛awón), “transgressão” (hebr.: pésha‛; gr.: parábasis), “falha” (gr.: paráptoma), e outros termos assim, com “pecado” (hebr.: hhattá’th; gr.: hamartía). Todos esses termos relacionados apresentam aspectos específicos do pecado, as formas que ele assume.

Erros, enganos e tolices: Assim, ‛awón se relaciona basicamente ao erro, a agir de modo fraudulento ou errado. O termo hebraico se refere a um erro ou uma falha moral, uma distorção do que é correto. (Jo 10:6, 14, 15) Aqueles que não se submetem à vontade de Deus obviamente não são guiados pela perfeita sabedoria e justiça dele, e, assim, fatalmente erram. (Veja Is 59:1-3; Je 14:10; Fil 2:15.) Sem dúvida, visto que o pecado desequilibra o homem, distorcendo o que é reto (Jó 33:27; Hab 1:4), ‛awón é o termo hebraico mais freqüentemente vinculado com hhattá’th, (pecado, errar o alvo) ou usado em paralelo com este termo. (Êx 34:9; De 19:15; Ne 4:5; Sal 32:5; 85:2; Is 27:9) Este desequilíbrio produz confusão e desarmonia no íntimo do homem, e dificuldades em seus modos de lidar com Deus e com o restante da criação de Deus.

O “erro” (‛awón) pode ser intencional ou desintencional, quer um desvio consciente do que é correto, quer um ato desapercebido, um “engano” (sheghagháh), o qual, não obstante, move a pessoa a errar e a ter culpa perante Deus. (Le 4:13-35; 5:1-6, 14-19; Núm 15:22-29; Sal 19:12, 13) Naturalmente, caso seja intencional, então o erro é de conseqüências muito mais graves do que se cometido por engano. (Núm 15:30, 31; compare isso com La 4:6, 13, 22.) O erro é contrário à verdade, e aqueles que pecam deliberadamente pervertem a verdade, proceder que só pode resultar em pecado ainda mais crasso. (Veja Is 5:18-23.) O apóstolo Paulo fala do “poder enganoso do pecado”, que possui um efeito endurecedor sobre o coração humano. (He 3:13-15; compare isso com Êx 9:27, 34, 35.) O mesmo escritor, ao citar Jeremias 31:34, onde o original hebraico fala do “erro” e do “pecado” de Israel, escreveu hamartía (pecado) e adikía (injustiça) em Hebreus 8:12, e hamartía e anomía (o que é contra a lei), em Hebreus 10:17.

Provérbios 24:9 declara que “a conduta desenfreada da tolice é pecado”, e os termos hebraicos que transmitem a idéia de tolice freqüentemente são empregados em relação com o pecar, reconhecendo o pecador, às vezes, de forma penitente: “Agi nesciamente.” (1Sa 26:21; 2Sa 24:10, 17) Quando não é disciplinado por Deus, o pecador fica enredado em seus erros e tolamente se perde. — Pr 5:22, 23; compare isso com 19:3.

A transgressão é ‘infração’. O pecado pode assumir a forma duma “transgressão”. A palavra grega parábasis (transgressão) refere-se basicamente a uma “infração”, isto é, a ir além de certos limites ou fronteiras, especialmente na violação duma lei. Mateus emprega a forma verbal (parabaíno) ao narrar a pergunta dos fariseus e dos escribas sobre por que os discípulos de Jesus ‘infringiam a tradição dos homens dos tempos anteriores’, e a pergunta de Jesus, em resposta, de por que esses opositores ‘infringiam o mandamento de Deus por causa de sua tradição’, invalidando assim a palavra de Deus. (Mt 15:1-6) Pode também significar um ‘desvio’, como no caso de Judas ‘desviar-se’ de seu ministério e apostolado. (At 1:25) Em alguns textos gregos emprega-se este mesmo verbo ao se referir àquele que “vai além, e não se atém à doutrina do Ungido”. — 2Jo 9, ED.

Nas Escrituras Hebraicas há referências similares ao pecado de pessoas que ‘infringiram’, ‘transgrediram’ ou ‘deixaram de lado’ (hebr.: ‛avár) o pacto de Deus ou Suas ordens específicas. — Núm 14:41; De 17:2, 3; Jos 7:11, 15; 1Sa 15:24; Is 24:5; Je 34:18.

O apóstolo Paulo mostra a relação especial de parábasis com a violação de uma lei estabelecida, ao dizer que, “onde não há lei, tampouco há transgressão”. (Ro 4:15) Portanto, na ausência de lei, o pecador não poderia ser chamado de “transgressor”. De modo coerente, Paulo e os demais escritores cristãos empregam parábasis (e parabátes, “transgressor”) no contexto da lei. (Veja Ro 2:23-27; Gál 2:16, 18; 3:19; Tg 2:9, 11.) Adão, tendo recebido ordem direta de Deus, era portanto culpado de “transgressão” de uma lei declarada. A esposa dele, embora enganada, também era culpada de ter transgredido aquela lei. (1Ti 2:14) O pacto da Lei, transmitido a Moisés por anjos, foi acrescentado ao pacto abraâmico “para tornar manifestas as transgressões”, a fim de que ‘todas as coisas fossem entregues juntas à detenção pelo pecado’, declarando legalmente culpados de pecado todos os descendentes de Adão, inclusive Israel, e demonstrando que todos evidentemente precisavam de perdão e de salvação por meio da fé em Cristo Jesus. (Gál 3:19-22) Assim, se Paulo se tivesse submetido de novo à Lei mosaica, teria feito outra vez de si mesmo um “transgressor” daquela Lei, sujeito à condenação dela, e assim teria repelido a benignidade imerecida de Deus que fornecia o livramento daquela condenação. — Gál 2:18-21; compare isso com 3:1-4, 10.

O hebraico pésha‛ transmite a idéia de transgressão (Sal 51:3; Is 43:25-27; Je 33:8), bem como a de “revolta”, que é um desvio ou uma rejeição da lei ou da autoridade de outrem. (1Sa 24:11; Jó 13:23, 24; 34:37; Is 59:12, 13) A transgressão deliberada, então, equivale à rebelião contra o governo e a autoridade paternais de Deus. Opõe a vontade da criatura à do Criador, e, assim, ela se empenha em revolta contra a soberania de Deus, Seu governo supremo

Falha. A palavra grega paráptoma significa literalmente “queda para o lado”, portanto, um passo em falso (Ro 11:11, 12), ou erro crasso, uma ‘falha’. (Ef 1:7; Col 2:13) O pecado de Adão, ao comer do fruto proibido, foi uma “transgressão” no sentido de que infringiu a lei de Deus; foi uma “falha” no sentido de que ele caiu, ou deu um passo em falso, em vez de manter-se de pé ou de andar em retidão, em harmonia com os requisitos justos de Deus, e em apoio da autoridade dele. Os muitos estatutos e requisitos do pacto da Lei realmente abriam o caminho para muitas de tais falhas devido à imperfeição dos sujeitos a ele (Ro 5:20); a nação de Israel, como um todo, errou crassamente com respeito a guardar aquele pacto. (Ro 11:11, 12) Visto que todos os diversos estatutos daquela Lei eram parte de um só pacto, quem dava um “passo em falso” em um ponto tornava-se com isso violador e “transgressor” do pacto inteiro, e, assim, de todos os seus estatutos. — Tg 2:10, 11.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos