2009/06/24

Comentário de João 16:11

16:11 - Do julgamento, porque o príncipe deste mundo foi julgado. Isto comentario biblico, evangelho de joão, novo testamentoserá entendido do poder judiciário e autoridade de Cristo, que tem "todo o julgamento" cometido a ele pelo Pai, como Mediador; tem todo o poder no céu e na terra; e como é designado a ele, assim ele é em muito a pessoa mais apropriada para julgar o mundo no último dia.[1] Agora isto que é disputado e desacreditado pelos judeus, o Espírito Santo, no ministério de Pedro, manifestou claramente à convicção plena deles, que ele foi levantado dentre os mortos, fixado no seu trono, e foi feito, ou declarou, Senhor e Cristo, Atos 2:24; de qual o verter do Espírito Santo sobre seus seguidores era uma evidência plena; e o exemplo no texto que prova isto, que é algo muito considerável, que é o julgamento, ou condenação e destruição de Satanás, o príncipe do mundo; pois Cristo, pela sua morte, destruiu desfez as suas obras;[2] eliminando os seus principados e poderes; e pela sua ressurreição dentre os mortos, e sua ascensão para o céu, e os levando cativos,[3] enquanto triunfando em cima de seus inimigos; e, pela efusão do Espírito Santo nos seus apóstolos, e o poder dele que assiste ao ministério deles, Satanás que foi julgado, condenado, e expulso do mundo Pagão, dos seus templos, e das almas dos homens; a presa foi tomada do homem poderoso:[4] mas como isto pode se referir ao trabalho comum do Espírito em convicção e conversão, pode ser aplicado diferentemente; porque ele convence de várias coisas que vêm debaixo deste nome: ele convence os homens do julgamento errado que eles têm formado de Deus, a quem eles tomam como sendo um como eles mesmos; de um Cristo crucificado, a quem eles estimam como tolice; das doutrinas de Cristo, que eles julgam ser absurdo e irracional; das pessoas de Cristo quem eles consideram a sujeira do mundo, e a escória de todas as coisas;[5] dos modos e ordenações de Cristo, que é pensado como sendo doloroso, desagradável, e improdutivo; e deles mesmos, e o próprio estado deles e condição, em que eles se imaginam sendo bons, e que eles de um modo justo irão para o céu: ele também os convence da excelência, verdade, poder, e utilidade do Evangelho, que é chamado "julgamento", Isa. 42:1, para entenderem isto verdadeiramente, acreditando cordialmente, recebendo isso no seu amor: ele os convence de um julgamento futuro; da realidade e certeza disto; que será universal, alcançando a todas as pessoas e coisas;[6] que será continuado da maneira mais íntegra, e não haverá nenhuma escapatória dele, do qual o julgamento e condenação de Satanás são uma prova clara: e ele convence, além disso, do julgamento ou condenação; que os homens, por natureza, estão debaixo de uma sentença de condenação em Adão; que eles são responsáveis para uma condenação eterna neles; que, a menos que eles acreditem em Cristo, eles serão condenados, tão seguro quanto o príncipe deste mundo foi.

16:12 - Eu tenho, ainda, muitas coisas para vos dizer,… Não com respeito as principais doutrinas do Evangelho, pois tudo dessa natureza ele já havia falado e feito manifesto a eles, João 15:15; mas o que dizia respeito a rejeição dos Judeus, e a chamada dos Gentios, o fim da economia Judaica, e o estabelecimento do estado da Igreja Evangélica, que viria acontecer depois de sua morte e ressurreição, e o enviou do Espírito Santo:

Mas não podeis suportar agora;… Devido a seus preconceitos em favor da sua própria nação, a lei de Moisés, e as cerimônias da mesma, e à criação de um reino temporal.


____________
Notas

[1] Cf. Atos 17:31. N do T.
[2] Cf. 1 João 3:8. N do T.
[3] Cf. Efésios 4:8. N do T.
[4] Cf. Lucas 11:21-22. N do T.
[5] Cf. 1 Coríntios 4:13. N do T.
[6] Cf. Lucas 21:35. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário