2009/06/25

Comentário de João 17:23

Eu neles,... Cristo está nos seus santos; não como ele está em todo o mundo,comentario biblico, evangelho de joão, novo testamento enquanto sendo o Deus onipresente; ou como ele está em todo homem, enquanto comunicando a luz de natureza como Criador; ou como ele está na natureza humana que é unida à sua pessoa divina; ou restritamente para a exclusão dele em outro lugar; porque ele está no céu, o sangue dele está dentro do véu, e a retidão dele sem nós: mas ele está neles, de uma maneira graciosa, em regeneração; quando ele é revelado a eles, formados neles, entra neles, toma posse deles, comunica a sua graça a eles, o companheirismo de concessões com ele, e mora neles; não só pelo seu Espírito e graça, mas pessoalmente, como a cabeça dos membros, como o Mestre da casa, e o Rei deles; que é um exemplo da graça condescendente, e é peculiar ao eleito de Deus: consequentemente, toda sua santidade e fertilidade; nem eles perecerão jamais; os seus corpos subirão dos mortos, e sendo reunido às almas deles, Cristo estará neles de uma maneira ainda mais gloriosa para toda a eternidade:

E tu em mim;… O Pai está em Cristo, não só pela união da natureza, nem se limita a ele, como Mediador, em uma forma de graça, mas como ele vai mostrar-se na e através dele cada vez mais para a glória, e é o que ele aqui pede em oração:

Para que possam ser feitos perfeitos em um;… Isso não diz respeito a sua justificação, o que já é perfeito, nem a sua santificação, que será, mas quer a perfeição na glória, quando serão perfeitos no conhecimento, na santidade, em paz, alegria e amor: ou melhor, a perfeição dos seus números, é o que se entende, quando toda a eleição da graça estará concluída em regeneração, santificação e glorificação:

E para que o mundo saiba que tu me enviastes: Como antes; Veja notas de Gill em João 17:21.

E que os tens amado, assim como amastes a mim. As versões Orientais, Siríaca, Árabe, Persa, e Etíope leem assim: “e eu os amei, assim como amastes a mim”; contrário a todas as cópias gregas, e outras versões que leem como fazemos nós. O Pai amou Cristo como o seu próprio Filho, e como Mediador; assim ele o amou quando ele assumiu a natureza humana, e foi obediente a sua vontade, tanto em obras e sofrimento; quando o seu Pai o deixou,
[1] e despejou a sua ira sobre ele, e quando ele colocou a sua vida pelas de suas ovelhas. Os exemplos do seu amor para com ele, como Mediador são vistas pelo fato dele colocar todas as coisas em suas mãos, lhe mostrando tudo aquilo ele faz, e não escondendo nada dele,[2] e o designando o único Salvador, o Cabeça da igreja, e Juiz do mundo.[3] A natureza deste amor é desde eternidade; é um amor de complacência e deleite; é especial e peculiar, inalterável e inseparável, e durará para sempre: agora Deus amou o seu povo,[4] como ele amou o seu Filho; ele não somente os ama como criaturas, como os descendentes de Adão, mas como em Cristo. Os exemplos do seu amor por eles são: os escolhendo em Cristo; fazendo uma convenção com eles nele; a missão dele neste mundo, para obter salvação para eles; os levantando e chamando pela sua graça; o cuidado que ele tem por prover-lhes os seus desejos, os sustentando debaixo das tentações, os livrando de aflições, e fazendo todas as coisas cooperar a favor do bem deles;[5] a tudo isso se soma as sua providências para eles, tanto agora como na eternidade. A natureza deste amor é como a que ele dedicou a Cristo; é de eternidade; um amor de deleite extremo e prazer; é especial e peculiar, inalterável, e continuará para sempre: não há razão melhor para amá-los do que como ele amou o seu Filho; e isto não deve ser pensado que denota igualdade, mas similitude e ordem.



_______________
Notas

[1] Cf. Mateus 27:46. N do T.
[2] Cf. João 5:20. N do T.
[3] Cf. Atos 17:31. N do T.
[4] Cf. João 3:16. N do T.
[5] Cf. Romanos 8:28. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário