2009/06/24

Comentário de João 17:5

Comentário de João 17:5Comentário de João 17:5

E agora, ó Pai, glorifica-me junto de ti,… Não com as suas perfeições, essas qu

e ele tinha, que habitavam no seu corpo, ou com a sua natureza, em que ele era um com ele, mas como Mediador, com a sua gloriosa presença no céu, fixando-o em sua mão direita e, coroando-lhe com a glória e honra. Os judeus têm uma noção de que Deus dará ao Rei Messias, מן הכבוד של מעלה, “da suprema glória” (g): a glória que Cristo menciona em oração é, como ele diz...

A glória que eu tive junto de ti, antes de haver mundo;... A mesma frase que לעולם, ou קודם העולם, usada pelos Judeus (h). Isto não será entendido da glória da natureza humana de Cristo, abstratamente considerada; pois isso não é nenhuma pessoa em si mesmo, mas o que é levado em união pessoal com o Filho de Deus; e então não pode ser pretendido por este caráter pessoal do seu EU; que nem existiu de eternidade; realmente foi escrito no livro de predestinação Deus, até mesmo todos seus associados, quando como ainda não havia nenhum em existência; estas coisas foram estabelecidas nos pensamentos de Deus e aconselha,
[1] como o padrão e exemplo de natureza humana; tinha uma união federal com o Filho de Deus, ou uma subsistência de convenção com ele; e no Antigo Testamento Cristo foi mencionado frequentemente como homem, por causa dos seus aparecimentos freqüentes em uma forma humana, e por causa da certeza da sua encarnação; mas ele, realmente, e, de fato, não exista como homem, até que ele tomou a carne da virgem; pois Cristo, como homem, é a semente da mulher,[2] o filho de Davi, Abraão, e Adão; ele é chamado o último e segundo Adão,[3] e não era como homem antes do primeiro: o Antigo Testamento fala da encarnação dele como futura, nem é isto possível que uma criatura pudesse existir antes do tempo; pois assim que uma criatura passa existir, o tempo começa, que é nada mais que a medida da duração de uma criatura; nem era a natureza humana de Cristo com o Pai desde eternidade; nem teve esta uma glória antes que mundo começou, nem em todo, nem em parte: nem é abstratamente a glória da natureza divina, considerada aqui, o significado; esta glória realmente Cristo tinha desde eternidade; ele a tinha junto com o seu Pai, em comum com ele, estando em união com ele; e é verdade que estava em alguma medida ocultada e coberta no seu estado de humilhação; pois houve alguns rompimentos naquele estado,[4] estes foram vistos, mas apenas por alguns; portanto, ele é pensado por alguns, estar orando para a manifestação desta glória; mas esta glória era essencial a ele, era o direito natural dele, e não algo a ser pedido em oração, e o qual ele tinha e sempre teve, e de qual não poderia haver nenhuma assunção: mas isto projeta a glória dele como Deus-Homem, e Mediador; ele não foi apenas predestinado para ser um Mediador, mas era realmente fixo como tal desde eternidade, e tinha uma plenitude mediatorial da graça posto nas suas mãos, e tinha a honra e a glória daquele ofício dado a ele pelas outras duas pessoas; e agora que ele poderia aparecer ser o que ele era, sendo feito, que é, manifesto feito, que ele era Senhor e Cristo, como ele aqui ora; que seria feito, na ascensão dele para céu, e sentando à mão direita de Deus, o vertendo do alto o Espírito santo.


____________
Notas
(g) Midrash Tillim em Psal. 20 apud Galatin. de Arcan. Cathol. Ver. l. 3. c. 9.
(h) Gloss em T. Bab Pesachim, fol. 54. 1.
[1] Cf. Efésios 3:9. N do T.
[2] Cf. Gênesis 3:15. N do T.
[3] Cf. 1 Coríntios 15:45. N do T.
[4] Cf. Filipenses 2:7. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário