2009/06/26

Comentário de João 20:20

20:20 - E quando ele tinha dito isso,… A saudação citada acima, de maneira bcomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentoranda, terna, e afetuosa: e para esclarecer todas as coisas para eles, para que pudessem saber certamente quem ele era.

Ele mostrou-lhes suas mãos e seu lado;… Suas mãos, que haviam sido perfuradas com pregos, as marcas das quais deviam ser vistas; e que todos sabiam que devia ser ele, visto que ele foi crucificado, e seu lado, que foi perfurado com uma lança, e que deixou uma grande ferida aberta, e que João, que estava entre eles, foi uma testemunha ocular. Estas foram mostradas, em parte, para convencê-los de que ele não era um espírito, ou uma aparição, o que à primeira vista ele foi considerado, a partir do seu aparecimento súbito entre eles, apesar das portas fechadas estarem trancadas, e em parte para assegurar-lhes da veracidade de sua ressurreição, no mesmo corpo, bem como para levá-los a uma vista de seu grande amor, e o seu sofrimento pela morte na cruz por eles e também para observar a eles a paz e a felicidade que ele havia acabado de saudá-los. Não é preciso questionar se essas marcas em suas mãos, pés e lado, ainda continuam; ele foi levantado com elas, para que ele pudesse mostrar-lhes, pelas razões dadas acima, e que deve ser pensado que elas iriam continuar até que todos os efeitos de sua morte fossem realizados, uma vez que ele aparece no meio do trono e dos anciãos, como um cordeiro, como tendo sido morto,
[1] e na sua segunda vinda, quando os que o traspassaram as mãos e pés, irão olhar e lamentar,[2] o que não é muito improvável:

Em seguida, os discípulos estavam contentes quando viram o Senhor;... Por meio destas marcas em suas mãos e pés, e lado, foram totalmente convencidos, e inteiramente satisfeitos de que era ele, e que ele foi ressuscitado dentre os mortos, e que agora apareceu-lhes; não poderia haver uma vista mais maravilhosa do que esta de ver o Senhor, que foi cumprido, o que ele havia predito e prometido, João 16:22. Portanto, uma visão espiritual de Cristo é sempre uma alegria para um discípulo seu, isto é, alguém que tenha aprendido de Cristo, e aprendeu Cristo, que acreditou nele, e está habilitado para negar o pecado, a própria justiça, desejos mundanos, e naturais, pela causa de Cristo, e é feito disposto a assumir a cruz, e a levá-la, e segui-lo: uma visão de Cristo como Deus e homem, de sua pessoa, beleza e excelências, de sua plenitude como Salvador e Redentor, de modo a ter comunhão com ele, é um prazer superior, especialmente quando em um sentido de pecado, quando acusados ou tentados por Satanás, ou quando Cristo se fez ausente, ou quando em aflição, e sobre o leito de morte; pois ele é Senhor de todos os crentes, ele está em todas as relações com eles, e essa alma nunca se desvia de Cristo, mas tendo uma relação íntima com Cristo, ele se inclina em seu seio, e que sendo tão próximo de sua pessoa, a ele se permite uma liberdade com ele, e não há necessidade de, assim como Pedro perguntou na Ceia, quem era o discípulos que o iria trair; tudo isto é dito como descritiva do discípulo aqui mencionado, o que nos deixa sem qualquer dúvida, de que foi o apóstolo João, e que, a partir de João 21:2 parece ser um dos seus companheiros, e que é confirmado ainda por João 21:24.

____________
Notas

[1] Cf. Apocalipse 5:6. N do T.
[2] Cf. Apocalipse 1:7. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário