2009/07/04

Atos dos Apóstolos

Atos dos Apóstolos é o livro em que é continuada a história de Jesus (1.8), narrada no Evangelho de Lucas. Em Atos destacam-se duas pessoas: Pedro e Paulo. Mas o papel principal é do Espírito Santo, pois é ele quem guia e fortalece os seguidores de Cristo (1.8; 2.1-39; 11.12; 13.2,4; 15.28; 16.6).

Significado

Visto que o livro de Atos abrange muitos assuntos sobre o formalização do Cristianismo, além das inúmeras missões evangelísticas dos apóstolos, o significado do livro é algo de extrema abrangência, abordando desde questões teológicas, soteriológicas e cristológicas, até assuntos mais triviais. Confira o significado de cada um dos capítulos abaixo e amplie seu estudo do livro de Atos.

Autoria

Atos é a segunda parte do documento de Lucas, com o Evangelho de João que separa os dois no cânon. De acordo com a antiga tradição cristã, o autor é o médico Lucas, um colega de trabalho de Paulo (Colossenses 4:14). O interesse do autor centra-se em Paulo, sua missão, e seu destino (Atos 9; 11; 13-28). Os argumentos contra a autoria por um colega de trabalho são os defeitos biográficos e a falta de características específicas de teologia paulina. No entanto, o autor mostra um bom conhecimento da não polêmico, “católico” Paulo quem se sabe a partir de observações marginais no Epístolas. Por isso, ele poderia muito bem ter vindo do círculo paulino.

Estrutura

A estrutura segue o tema geográfica de 1:8. A primeira parte do livro (1:1-8:4) trata da primitiva comunidade cristã em Jerusalém. A segunda parte (8:5-15:35) trata a missão de Samaria, os primórdios da missão gentílica, a primeira obra de Paulo, e do conselho apostólico. A terceira parte (15:36-19:20), abrange a missão de Paulo para a Ásia Menor e Europa. A parte final (19:21-28:31) lida com o julgamento de Paulo em Jerusalém e Roma.

Fontes

O autor teve fontes extensas mas díspares à sua disposição. Primeiro, ele tinha informações orais, relatórios e tradições. Estes explicam o fato de que ele inclui histórias da recepção da mensagem, bem como a sua proclamação. Então, ele teve alguns materiais escritos (esp. nas primeiras partes) que já não podemos reconstruir, porque eles eram trabalhados tanto linguisticamente e teologicamente motivados. Finalmente, ele teve a “fonte nós”, que na parte posterior descreve as rotas e locais de alguns dos trabalho missionário de Paulo.

Texto

Temos duas versões muito divergentes do texto, o egípcio (Alexandrino) e o ocidental. Esta última, representada especialmente pelo Codex Bezae Cantabrigiensis (cf. Manuscritos Bíblicos), é uma edição deliberada do original, que data do século II. Uma característica distintiva é a sua tentativa de amenizar o caráter judaico-cristão e de tornar o trabalho mais cristão e gentílico, salientando a culpa judaica. Especialmente importante é a reformulação ética do decreto cultual do conselho apostólico (15:20, 29; 21:25).

Estilo

O estilo dá provas de grande habilidade linguística e narrativa. Usando variedade e vivacidade, o autor conta sua história em incidentes e detalhes vívidos, em vez de se contentar com meros relatórios e exposições teológicas abstratas (Atos 2:10-11; 17; 20). Ele usa o grego da LXX, bem como o koiné, ou discurso comum, de seu dia (cf. Grego Bíblico).

Historicidade

Com relação à exatidão histórica do livro de Atos, a erudição moderna parece estar em um impasse. Perguntas foram levantadas durante anos sobre o relato de eventos de Lucas. Muitas das perguntas foram dirigidas ao retrato de Paulo, que é apresentado em Atos. Desde os dias da F.C. Baur e a escola de Tübingen, a questão de como Paulo é apresentado em Atos em comparação com as cartas paulinas tem sido proeminente entre os estudiosos que estudam Atos. O resultado foi uma série de estudiosos que lançam dúvidas sobre a precisão histórica de Atos.

A maior parte dessa atenção tem sido a relação entre Atos e Gálatas. Especialmente importante para os estudiosos são tópicos como o número de visitas que Paulo fez a Jerusalém, a descrição do debate sobre a circuncisão, a questão do relacionamento de Paulo com os outros apóstolos, a posição de Paulo em relação aos “decretos apostólicos” (ver 15:19–20), e outros assuntos relativos à associação de Paulo com os líderes de Jerusalém. Além disso, foram levantadas questões sobre o retrato de Paulo em Atos como um apóstolo que levaria os decretos de igreja a igreja quando ele não diz nada deles em suas cartas para algumas das mesmas igrejas. Também um problema é o fato de que Atos é omisso em relação a qualquer uma dessas cartas que Paulo estava dirigindo às igrejas, mesmo que ele tenha escrito durante o tempo coberto em Atos. Além desse estranho silêncio está o outro importante evento no ministério de Paulo sobre o qual Atos é tão quieto - a coleta para os crentes na Judeia (ver 1 Coríntios 16:1–4; Rm 15:23–33).

Essas diferenças fizeram com que alguns eruditos falassem do “Paulo lucano” em contraste com o “Paulo das epístolas”. Outro erudito explica a diferença (na tradição de Baur) referindo-se ao “Paulinismo de Atos”. Lucas é visto não como um historiador registrando eventos no ministério de Paulo, mas como um teólogo que cuidadosamente constrói uma explicação histórica de Paulo, mesmo que esteja em desacordo com a realidade histórica. Os discursos paulinos de Atos, em particular, são vistos como invenções do gênio teológico de Lucas, motivados pela necessidade de apresentar Paulo em termos que concordem com sua própria perspectiva teológica.

Para muitos estudiosos, então, Atos é considerado tão preocupado com questões teológicas que o torna suspeito como um relato histórico de eventos na vida da igreja do primeiro século. No final do século XIX e início do século XX, esse ceticismo encontrou uma onda de estudiosos que resistiram a uma avaliação pessimista da historicidade de Atos. Estudiosos como James Smith, Henry Alford, J. B. Lightfoot, F.W. Farrar, R. B. Rackham, William Ramsay, Theodor Zahn, Adolf Harnack, Arthur McGiffert, C.C. Torrey e H.J. Cadbury encontraram mais razões para confiar no valor histórico de Atos. O impacto de Martin Dibelius, no entanto, foi decisivo. Seus estudos críticos de Atos produziram uma tendência significativa em direção à conclusão de que Atos deveria ser entendido em termos de teologia descritiva e não de história. Hans Conzelmann e Ernst Haenchen foram instrumentais em aplicar sistematicamente a abordagem de Dibelius ao texto de Atos. Assim, uma poderosa corrente de pensamento continua a influenciar os estudiosos que estudam Atos com o propósito de esclarecer as tendências teológicas do ensino da igreja primitiva, enquanto rejeitam a contribuição histórica do trabalho.

Essas tendências foram questionadas nos últimos anos por estudiosos como F.F. Bruce, I.H. Marshall, Martin Hengel e C.J. Hemer. Mas nenhum consenso entre os estudiosos foi alcançado. Até certo ponto, então, o estudo de Atos avança em duas faixas completamente diferentes (se não sempre relacionadas). O trabalho continua no esforço de entender as tendências teológicas que moldam a produção de Lucas do Livro de Atos. Ao mesmo tempo, outros estudiosos consideram os estudos históricos e arqueológicos como fontes potenciais de ajuda adicional para compreender a contribuição dos Atos ao quadro histórico da igreja emergente do primeiro século.

Sempre que estudiosos do Movimento de Restauração se engajaram em grandes estudos de Atos, a questão da historicidade do Livro tem sido dominante. The Acts of Apostles de Alexander Campbell são basicamente uma análise gramatical do texto de Atos, mas a historicidade do trabalho de Lucas é assumida em todo o texto. J.W. The New Commentary on the Acts of Apostles, de McGarvey, não se baseia apenas no pressuposto de que Atos pode ser confiável como uma representação histórica dos eventos que registra, mas argumenta a questão contra estudiosos “infiéis” como Baur e Zeller. Outro comentário foi produzido em 1896, desta vez por David Lipscomb. Seu trabalho faz da teologia o foco principal, mas mais uma vez a questão da credibilidade histórica de Atos é central.

Volumes mais recentes apareceram e oferecem o mesmo equilíbrio. H. Leo Boles produziu seu comentário em 1941, um estudo que segue a mesma tradição. O comentário de Don DeWelt apareceu em 1958, e é marcado com uma qualidade devocional e didática que torna a mensagem de Atos prática para o crente, mas nunca compromete a suposição de que Atos é confiável como um relato histórico. Finalmente, o trabalho de Gareth Reese foi fundamental. New Testament History: A Critical and Exegetical Commentary on the Book of Acts é, desde o início, um trabalho que defende a historicidade de Atos. Com plena consciência dos desafios dos críticos da Bíblia, Reese constrói seu caso para a credibilidade do relato de Lucas sobre esses eventos.

Neste comentário, nossa abordagem é apreciar as motivações teológicas do trabalho de Lucas, sem rejeitar esse registro como a fonte mais valiosa que temos em relação à igreja em desenvolvimento. Nossa confiança não depende inteiramente do fato de que as habilidades de Lucas como historiador provaram ser convincentes. Nós também acreditamos na promessa do Senhor de direcionar seu servo para toda a verdade

Significado histórico

Atos é uma fonte única de informação sobre os primórdios do cristianismo. Embora fragmentário, dá-nos informações sobre a comunidade primitiva, a primeira missão fora de Jerusalém em várias partes do mundo, a obra de Paulo, e a situação da igreja no dia do autor. O autor está bem informado sobre as condições políticas, religiosas e sociais na Palestina e está familiarizado com procedimento legal, por exemplo, no processo movido contra Paulo (caps 21-28.). Como historiador, ele trabalha teologicamente e vê eventos em termos de direção da história de Deus. Ele trabalha através de suas tradições conservadora, especialmente os “liberais” que envolvem a crítica da lei, o templo, e Israel. Ele foi injustificadamente desacreditado, especialmente em sua descrição de Paulo, que, em muitos recursos está correto, se seletivo.

Interpretação

As interpretações de Atos, como de qualquer outro livro da Bíblia são diversas e variadas. Como mencionamos na seção sobre o significado do livro, Atos dos Apóstolos comporta muitos assuntos doutrinários, especialmente sobre a guarda da lei mosaica. Oferecemos a seguir duas fontes interpretativas do livro de Atos dos Apóstolos.

Teologia

A teologia do autor é expressa na forma de interpretações carismático-proféticas da Escritura (2:16-21, 25-36, 3:13-16, 22-26; 4:25-28; 5:30-31; 7; 13:17-22; 15:15-18). Se trata de expressão na pregação dos apóstolos, especialmente Pedro e Paulo. Manifestações do Espírito, como milagres ao confirmar essa pregação (2:43; 3:1-8; 5:12; 6:8; 9:32-42; 13:4-12; 15:12; 16:16- 26; 19:11-12; 20:7-12; 28:9). O tema principal é a restauração do povo de Deus pelo Messias Jesus (2: 22-24, 27-33, 38-39, 3:13-21; 15:15-17). As promessas vêm para cumprimento acima de tudo na igreja como a verdadeira e penitente Israel.

A igreja como o povo do Espírito consiste principalmente de judeus convertidos, que aceitam o Messias de Israel (ver novamente 2:22-24, 27-33, 38-39, 3:13-21; 15:15-17). A ascensão do verdadeiro Israel escatológico é descrito em termos de conversões em massa dos judeus (2:41; 4:4; 5:14; 6:1, 7; 9:42; 12:24; 13:43; 14:1; etc). Para este Israel do Espírito (2:17-21) os gentios são adicionados, o que os autor considera um cumprimento das promessas divinas (Lucas 24: 44-47; Atos 1: 6, 8; 2:39; 3 : 25; 10-11; 13: 42-48; 15: 7-8, 14-17). Como cumprimento das Escrituras, a missão gentílica podem ser vistos como trabalho e iniciativa (10-11; 15:7-8) de Deus. Impenitente Israel é cortado do povo de Deus porque rejeita o Messias Jesus (13:46).

A igreja é a continuação direta da história do povo de Deus que começa com Abraão (Lucas 1: 67-75; Atos 7). O salvação prometida vem através da obra do Deus dos patriarcas (3:13-15; 5:30; 7:32, 46; 13:17) e através do Messias Jesus. A morte de Jesus por si só não tem significado expiatório. Reconciliação significa que Deus se transforma em amor ao seu povo e restaura-los em graça. A salvação vem somente através da graça de Deus, com o perdão de pecados através da ressurreição de Cristo (2:38; 3:19-26; 4:12; 13:39; 15:11).

Porque a lei é uma marca do povo de Deus, a igreja vê a sua observância. A comunidade primitiva é fiel à lei (6:11, 13-14; 10:14, 28; 11: 3, 8; 21:21). Assim também é Paulo (18:18; 21:24; 22: 3; 23: 5; 24: 14-16; 25: 8; 28:17). Tradições cultuais fixas são adotadas, mas a lei é exposta em termos de o primeiro mandamento, ou seja, obediência ao único Deus de Israel (7: 38-43). Os cristãos judeus guardam toda a lei, mas apenas partes da lei são vinculativas para os cristãos gentios (15:20, 29; 21:25). Os ditos criticando o templo, Israel e a lei, que o autor sabe da tradição, ele repudia como falsas acusações (6:11-14; 21:21, 28; 22: 3).

Uma teoria comum é que Lucas poderia ter escrito Atos para resolver o problema do atraso na parusia, com a ajuda da ideia de épocas na história da salvação. A história de Jesus é o meio do tempo, e virá o fim em um futuro que não pode ser calculado. O autor está ciente do atraso, mas não é de fato teologicamente decisivo para ele. Os acontecimentos da ressurreição e ascensão de Jesus o Messias, juntamente com a efusão do Espírito, quer dizer que os últimos dias têm chegado (2:17; 17:31). Os eventos do fim dos tempos envolvem um processo histórico em que as promessas virão à sucessiva realização, terminando com o retorno do Messias Jesus. Já as promessas foram cumpridas em parte (2:17, 33; 13: 32-33; 15:16-18). Em um futuro que está provavelmente perto, eles virão para completar cumprimento com a apocatastasis (1:11; 3:19-21; 17:30-31; 23: 6; 24:15, 21; 26:6-8 ; 28:20). O autor refere história como um longo período de tempo em que se pode olhar para trás (15: 7, 9, 14, 19; 3:21; cf. cap 7 e 13:16-23.). Em contraste, agora que o tempo do fim começou, o cristão não deve esperar qualquer esperança muito prolongada (2: 17-21).

Devocional

Atos é um livro emocionante. Marca o nascimento da igreja cristã, pois os crentes continuam o trabalho que Jesus começou. Enquanto lê livros da Bíblia, é ótimo ter em mente as três perguntas a seguir: (1) o que ele me diz sobre Deus? (2) como posso aplicar em minha vida? (3) o que ele fala sobre as pessoas? O livro de Atos deixa claro que qualquer um pode ser usado por Deus apesar de seu passado e não importa quão grande seja seu pecado. Saul era um assassino, em grande parte responsável pela perseguição de muitos cristãos, mas assim que ele teve um encontro com Deus, ele mudou. Ele se entregou a Deus e dedicou sua vida a compartilhar as boas novas! Deus não vê as pessoas do jeito que as vemos com nossos olhos humanos. Ninguém está muito longe dele para que suas vidas não possam ser revertidas. Saulo era uma das pessoas menos propensas a se tornar um apóstolo, mas foi exatamente isso que aconteceu e ele se tornou um grande evangelista. Oferecemos a seguir um comentário devocional de cada um dos capítulos de Atos.

Conteúdo

O Evangelho de Lucas começou com um prólogo dirigido a Teófilo; Atos da mesma forma abre com um endereço para Teófilo e refere-se ao “meu livro anterior”, quase certamente o evangelho. Os apóstolos e outros seguidores de Jesus encontram e elegem Matias para substituir Judas como membro dos Doze. No Pentecostes, o Espírito Santo desce e confere o poder de Deus sobre eles, e Pedro, junto com João, prega a muitos em Jerusalém, e realiza curas semelhantes a Cristo, expulsando os maus espíritos e ressuscitando os mortos. Os primeiros crentes compartilham todas as propriedades em comum, se alimentam nas casas uns dos outros e adoram juntos. A princípio, muitos judeus seguem a Cristo e são batizados, mas os cristãos começam a ser cada vez mais perseguidos pelos judeus. Stephen é preso por blasfêmia e, depois de um julgamento, é considerado culpado e apedrejado pelos judeus. A morte de Estêvão marca um grande ponto de virada: os judeus rejeitaram a mensagem, e daí em diante ela será levada aos gentios.

A mensagem é levada aos samaritanos, um povo rejeitado pelos judeus e aos gentios. Saulo de Tarso, um dos judeus que perseguiram os cristãos, é convertido por uma visão para se tornar um seguidor de Cristo (um evento que Lucas considera tão importante que ele o relaciona três vezes). Pedro, dirigido por uma série de visões, prega a Cornélio, o centurião, um deus gentio temeroso, que se torna um seguidor de Cristo. O Espírito Santo desce sobre Pedro e Cornélio, confirmando assim que a mensagem da vida eterna em Cristo é para toda a humanidade. A igreja gentia é estabelecida em Antioquia (noroeste da Síria, a terceira maior cidade do império), e aqui os seguidores de Cristo são primeiramente chamados cristãos.

A missão aos gentios é promovida de Antioquia e confirmada na reunião em Jerusalém entre Paulo e a liderança da igreja de Jerusalém. Paulo passa os próximos anos viajando pelo oeste da Ásia Menor e pelo Egeu, pregando, convertendo gentios e fundando novas igrejas. Em uma visita a Jerusalém, ele é atacado por uma turba judaica. Salvo pelo comandante romano, ele é acusado pelos judeus de ser um revolucionário, o “líder da seita dos nazarenos”, e aprisionado. Paulo afirma seu direito como cidadão romano, para ser julgado em Roma e enviado por via marítima para Roma, onde passa dois anos sob prisão domiciliar, proclamando o Reino de Deus e ensinando o “Senhor Jesus Cristo”. Os atos terminam abruptamente sem registrar o resultado dos problemas legais de Paulo.

Oferecemos um resumo do conteúdo completo do livro de Atos dos Apóstolo como uma introdução para um estudo mais aprofundado posteriormente.

Conselho Apostólico

No coração de Atos está o concílio apostólico de 15:1-29. Tendo aceitado por algum tempo uma missão gentílica que não estava sob a lei (10: 34-35; 11:1-18; 13-14; Gálatas 1-2), a Igreja enfrentou demandas de que os cristãos gentios deveriam receber circuncisão e observar a lei (15:1, 5). A questão é que isso dá lugar a lei na igreja, que foi resolvida com o decreto apostólico (15:1, 29; 21:25). Uma parte fundamental da lei é colocada sobre os gentios, mas eles são livres quanto ao resto. Paulo mantém (Gálatas 2) que o Conselho reconheceu que a missão gentílica não estava sob a lei e que não há obrigações postas em cima dos gentios. Ele não menciona o decreto. É, sem dúvida histórico, mas talvez pertença a alguma outra ocasião que a de Atos 15 e Gálatas 2. Para Lucas, o conselho e o decreto suportam a ideia de que a igreja é o fim dos tempos Israel. O que influencia Paulo, no entanto, é a batalha para o seu apostolado independente.

Estudo

O livro de Atos é o primeiro volume da história da igreja. Ele registra a história da igreja desde seu começo explosivo no dia de Pentecostes até a prisão em Roma de seu maior missionário. Durante essas três décadas, a igreja se expandiu de um pequeno grupo de crentes judeus reunidos em Jerusalém para abraçar milhares em dezenas de congregações em todo o mundo romano. Atos descreve como o Espírito de Deus supervisionou, controlou e fortaleceu a expansão da igreja. De fato, o livro poderia ser chamado de “Os Atos do Espírito Santo através dos Apóstolos”.

Atos é um livro significativo por várias razões. Com as epístolas, mas sem Atos, teríamos muita dificuldade em entender o fluxo da história primitiva da igreja. Com isso, temos uma história central em torno da qual reunir os dados nas epístolas, enriquecendo nossa compreensão deles. O livro segue primeiro o ministério de Pedro, depois de Paulo. Deles aprendemos princípios para discipular os crentes, edificar a igreja e evangelizar o mundo.

Embora seja uma obra de história, não de teologia, Atos, no entanto, enfatiza as verdades doutrinárias relativas à salvação. Jesus de Nazaré é corajosamente proclamado como o longamente aguardado Messias de Israel, e essa verdade é habilmente defendida do Antigo Testamento (2: 22ss; 3: 12ss; 4: 10ss; 7:1ss; 8:26ss; 13:14ss; cf. 9:22; 18:5, 24–28; 28:23).

O livro de Atos também ensina muito sobre o Espírito Santo, mencionado mais de cinquenta vezes. Ele regenera, batiza, preenche e santifica os crentes. O Espírito Santo é visto escolhendo os missionários (13: 2) e dirigindo suas operações (8:29). Ele presidiu o primeiro conselho da igreja (15:28) e, em suma, dirigiu e controlou todas as operações da igreja.

A importância doutrinal de Atos não se limita, no entanto, ao seu ensino sobre Jesus Cristo e o Espírito Santo. Embora não flua em torno de questões doutrinárias, mas eventos históricos, ela toca muitas verdades teológicas. Donald Guthrie sintetiza adequadamente o significado teológico de Atos: “A importância do livro de Atos está na preservação dos principais temas doutrinários apresentados na pregação apostólica, mesmo que não haja evidência de uma tentativa de desenvolver uma teologia sistematizada” (New Testament Introduction [Downers Grove, Ill.: InterVarsity, 1978], 338). Abaixo, oferecemos um estudo específico de cada um dos vinte e oito capítulos do livro.

Propósito

Por anos, os estudiosos têm intrigado por que Lucas produziu Atos.25 Comparar a abertura de Atos com a do Evangelho de Lucas mostra que um discípulo em particular, chamado Teófilo, era fundamental para os motivos de Lucas. Ele era um novo convertido? Ele era um rico patrono? Ele era um cristão influente? Essas perguntas não têm uma resposta óbvia.

Lucas indica na abertura do evangelho que ele pesquisou cuidadosamente seu material (ver Lucas 1: 1–4). Ele estava preocupado em fornecer uma sequência adequada de eventos. Ele mostra a consciência de outros relatos que foram escritos a respeito de Jesus.

Um propósito freqüentemente observado é histórico. Lucas queria fornecer um registro histórico dos eventos da vida de Jesus e do progresso da igreja do primeiro século. Embora alguns estudiosos argumentem que suas razões tinham a ver com suas preocupações sobre o retorno de Cristo, é possível que ele tenha visto o fim da era dos apóstolos chegando. Talvez Lucas quisesse um registro escrito do trabalho dos apóstolos em continuar o ministério de Jesus.

O propósito imediato de Lucas pode ser indicado em suas palavras na abertura do evangelho. Ele diz a Teófilo que ele escreve para que este crente “conheça a certeza das coisas” que ele aprendeu (1:4). Este comentário pode indicar que o trabalho de dois volumes foi destinado à instrução cristã.

O valor apologético de Atos tem sido freqüentemente observado. Alguns se perguntaram se o trabalho de Lucas deveria servir como um resumo de defesa para o apóstolo Paulo quando ele estava diante de César. O problema com esta sugestão é que Lucas inclui tanto material que nada tem a ver com a defesa de Paulo. Por que ele incluiria o nascimento, ministério, morte e ressurreição do Senhor? Por que ele se concentraria no apóstolo Pedro nos primeiros capítulos de Atos? Atos seriam muito tediosos se o propósito principal fosse uma defesa de Paulo.

Não obstante, é verdade que muitos dos Atos enfatizam que os crentes não representavam ameaça ao império romano. Quando os apóstolos são convocados perante as autoridades de Jerusalém, seu único crime é curar o coxo (ver 3:1 e ss). Quando Estêvão é martirizado, sua única falha é o zelo pela fé (ver 6:8ss). A prisão de Pedro nas mãos de Herodes Agripa I não é culpa do apóstolo (ver 12:1 e seguintes). A audiência de Paulo antes de Gálio é uma questão de questões sobre a lei judaica (ver 18: 12-16). A série de provações experimentadas por Paulo enfatiza repetidamente sua inocência (ver 21:29; 23:29; 24:27; 25:19; 26:31). O efeito cumulativo dessas declarações estabelece que a igreja nunca foi uma ameaça real a César.

Além desses propósitos, Atos tem um propósito teológico. Lucas pretende mostrar como os apóstolos começaram a obra que Jesus iniciou na Terra. Atos 1:1 descreve o Evangelho de Lucas como um relato de “tudo o que Jesus começou a fazer e a ensinar”. Atos pretende descrever como os apóstolos continuaram essa obra de Jesus. O Evangelho começa em Jerusalém e se espalha por todo o mundo romano até a Cidade Imperial.28 A salvação do Senhor é, na linguagem de Paulo, “primeiro para os judeus, depois para os gentios” (Rom. 1:16). Atos registra como Deus usou os meios humanos para enviar a mensagem divina da salvação em Cristo.

Esboço

I. O Espírito Fortalece a Igreja para a Testemunha (1:1–2:47)
1. Prólogo Literário (1:1–2)
2. Instruções Preparatórias para Pentecostes (1:3–5)
3. O legado de Cristo:o chamado para o testemunho (1:6–8)
4. A Ascensão de Cristo (1:9-11)
5. Preparação no Cenáculo (1:12–14)
6. Restauração do Círculo Apostólico (1:15–26)
(1) A Deserção de Judas (1:15-20a)
(2) Instalação de Matthias (1:20b-26)
7. O Milagre no Pentecostes (2:1–13)
(1) O Dom do Espírito (2:1–4)
O cenário (2:1)
O evento (2:2–4)
(2) O Testemunho do Espírito (2:5–13)
O ajuntamento da multidão (2:5-8)
A composição da multidão (2:9-11a)
A resposta da multidão (2:11b-13)
8. O Sermão de Pedro no Pentecostes (2:14-41)
(1) Provas Bíblicas Relativas à Experiência de Pentecostes (2:14–21)
(2) Provas bíblicas relativas ao messiado de Cristo (2:22-36)
(3) Convite e Resposta (2:37–41)
9. A vida comum da comunidade (2:42-47)
II. Os Apóstolos Testemunham aos Judeus em Jerusalém (3:1–5:42)
1. Peter está curando um mendigo manco (3:1-11)
2. O Sermão de Pedro da Colunata de Salomão (3:12-26)
3. Pedro e João antes do Sinédrio (4:1–22)
(1) Presos e interrogados (4:1-12)
A prisão (4:1–4)
O Inquérito do Conselho (4:5–7)
Resposta de Pedro (4:8-12)
(2) Avisado e liberado (4:13–22)
A Deliberação do Conselho (4:13–18)
Resposta de Pedro e João (4:19-20)
A liberação dos apóstolos (4:21-22)
4. A Oração da Comunidade (4:23-31)
5. A vida comum da comunidade (4:32-37)
6. Ameaça séria à vida comum (5:1-11)
7. Os Milagres Trabalhados pelos Apóstolos (5:12–16)
8. Todos os Apóstolos antes do Concílio (5:17–42)
(1) Prisão e Fuga (5:17-26)
(2) Aparição perante o Sinédrio (5:27-40)
(3) Liberação e Testemunho (5:41–42)
III Os helenistas abrem caminho para uma testemunha mais ampla (6:1-8:40)
1. Introdução dos Sete (6:1-7)
(1) O Problema (6:1–2)
(2) A Solução (6:3–4)
(3) Seleção e Instalação (6:5–6)
(4) Resumo e Transição (6:7)
2. Prisão e Julgamento de Estêvão (6:8–7:1)
(1) Debate de Estevão com a sinagoga helenista (6:8-10)
(2) O enquadramento (6:11-12)
(3) O Julgamento (6:13–7:1)
3. Discurso de Estêvão diante do Sinédrio (7:2–53)
(1) As Promessas a Abraão (7:2–8)
(2) O livramento por meio de José (7:9-16)
(3) O livramento por meio de Moisés (7:17–34)
(4) A Apostasia de Israel (7:35-50)
(5) A rejeição do Messias (7:51-53)
4. O martírio de Estêvão (7:54–8:1a)
5. Perseguição e Dispersão dos Helenistas (8:1b-3)
6. O Testemunho de Filipe (8:4-40)
(1) A missão em Samaria (8:4–25)
Testemunho de Filipe aos Samaritanos (8:4-8)
Filipe e Simão (8:9-13)
Pedro e João e os samaritanos (8:14-17)
Pedro e Simão (8:18-24)
Conclusão (8:25)
(2) O testemunho do tesoureiro etíope (8:26-40)
A Preparação (8:26-29)
A testemunha (8:30-35)
O Compromisso (8:36-40)
IV. Pedro se junta à testemunha mais ampla (9:1-12:25)
1. O novo Testemunho de Paulo para Cristo (9:1-31)
(1) Paulo, o convertido (9:1–22)
Aparição de Cristo a Paulo (9:1–9)
O Chamado a Ser Perseguido (9:10-19a)
O testemunho do ex-perseguidor a Cristo (9:19b-22)
(2) Paulo, o perseguido (9:23-31)
Perseguido em Damasco (9:23-25)
Perseguido em Jerusalém (9:26-31)
2. Testemunha de Pedro nas cidades costeiras (9:32-43)
(1) A cura de Eneias (9:32-35)
(2) A ressurreição de Dorcas (9:36-43)
3. O testemunho de Pedro a um gentio que teme a Deus (10:1-11:18)
(1) A visão de Cornélio (10:1-8)
(2) A visão de Pedro (10:9-16)
(3) Visita de Pedro a Cornélio (10:17–23)
(4) Visões Compartilhadas (10:24–33)
(5) Testemunha de Pedro (10:34–43)
(6) A imparcialidade do espírito (10:44–48)
(7) Endosso do Testemunho aos Gentios (11:1-18)
4. O testemunho de Antioquia aos gentios (11:19-30)
(1) Estabelecendo uma igreja em Antioquia (11:19-26)
Os helenistas em Antioquia (11:19-21)
Barnabé enviado por Jerusalém (11:22-24)
Paulo e Barnabé em Antioquia (11:25-26)
(2) Enviando o alívio da fome a Jerusalém (11:27-30)
5. Perseguição Novamente em Jerusalém (12:1-25)
(1) Perseguição dos Apóstolos por Herodes Agripa (12:1–5)
(2) A Milagrosa Libertação de Pedro da Prisão (12:6-19a)
(3) Arrogância autodestrutiva de Herodes (12:19b-23)
(4) Paz para a Igreja (12:24-25)
V. Paulo se volta para os gentios (13:1-15:35)
1. Paulo e Barnabé comissionados (13.1-3)
2. Sergius Paulus Convertido em Chipre (13:4–12)
3. O discurso de Paulo à sinagoga na Antioquia da Pisídia (13:13–52)
(1) O Cenário (13:13-16a)
(2) O Sermão (13:16b-41)
A promessa a Israel (13.16b-25)
A promessa cumprida em Cristo (13:26-37)
Apelo para aceitar a promessa (13:38-41)
(3) O resultado do sermão (13:42–52)
Paulo está se voltando para os gentios (13:42–47)
A resposta mista (13:48–52)
4. Aceitação e Rejeição em Icônio (14:1-7)
5. Pregar aos pagãos em Listra (14:8-21a)
(1) Um homem coxo é curado (14:8-10)
(2) Paulo e Barnabé Pagaram Homenagem (14:11-13)
(3) Paulo e Barnabé consternados (14:14-18)
(4) Paulo e Barnabé Rejeitados (14:19-20a)
(5) O ministério em Derbe (14:20b-21a)
6. Os missionários retornam a Antioquia (14.2b-28)
7. Debate em Jerusalém sobre a aceitação dos gentios (15:1-35)
(1) A Crítica do Partido da Circuncisão (15:1-5)
(2) O debate em Jerusalém (15.6-21)
Testemunha de Pedro (15:6–11)
Testemunho de James (15:12-21)
(3) A decisão em Jerusalém (15:22-29)
(4) A Decisão Relatada a Antioquia (15:30-35)
VI. Paulo Testemunhas do Mundo Grego (15:36-18:22)
1. Partindo Companhia com Barnabé (15:36-41)
2. Revisitando Derbe, Listra e Icônio (16:1-5)
3. Chamado à Macedônia (16:6–10)
4. Testemunhando em Filipos (16:11-40)
(1) Fundando uma Igreja com Lídia (16:11-15)
(2) Cura uma criada serva possuída (16:16–24)
(3) Convertendo a Casa do Carcereiro (16:25-34)
(4) Humilhando os magistrados da cidade (16:35-40)
5. Estabelecendo Igrejas em Tessalônica e Beréia (17:1-15)
(1) Aceitação e rejeição em Tessalônica (17:1-9)
(2) Testemunha em Beréia (17:10-15)
6. Testemunhando para os intelectuais atenienses (17:16-34)
(1) Curiosidade dos atenienses (17:16-21)
(2) Testemunho de Paulo antes do Areópago (17:22-31)
O Deus "desconhecido" (17:22-23)
O Deus Criador (17:24-25)
O Deus Providencial (17:26-27)
O culto de Deus (17:28-29)
O Julgamento de Deus (17:30-31)
(3) A Resposta Mista (17:32-34)
7. Estabelecendo uma igreja em Corinto (18:1-17)
(1) A missão em Corinto (18:1–11)
A chegada de Paulo em Corinto (18:1–4)
O testemunho na cidade (18:5-8)
A visão asseguradora de Jesus (18:9-11)
(2) A acusação antes de Gálio (18:12-17)
8. Voltando a Antioquia (18:18-22)
VII. Paulo Encontra a Oposição de Gentios e Judeus (18:23-21:16)
1. Apolo em Éfeso (18:23-28)
2. O testemunho de Paulo aos discípulos de João (19:1–7)
3. A pregação de Paulo em Éfeso (19:8-12)
4. O Encontro de Paulo com a Religião Falsa em Éfeso (19:13-20)
(1) Exorcistas judeus (19:13-16)
(2) Superando a Magia (19:17-20)
5. Determinação de Paulo para ir a Jerusalém (19:21-22)
6. Oposição a Paulo pelos artesãos de Éfeso (19:23-41)
(1) Instigação de um motim por Demétrio (19:23-27)
(2) tumulto no teatro (19:28-34)
(3) Pacificação pelo secretário municipal (19:35-41)
7. A Viagem de Paulo a Jerusalém (20:1-21:16)
(1) Ministério final na Macedônia e na Acaia (20:1-6)
(2) Restauração de Êutico (20.7-12)
(3) Viagem a Mileto (20:13-16)
(4) Discurso de despedida aos élderes efésios (20:17-35)
Exemplo do passado de Paulo (20:18–21)
As perspectivas futuras de Paulo (20:22-27)
Aviso de Paulo sobre heresias futuras (20:28–31)
Bênção de Paulo e Admoestação Final (20:32-35)
(5) Demissão Final (20:36-38)
(6) Viagem a Jerusalém (21:1-16)
Aviso em Tiro (21:1–6)
Aviso de Ágabo (21:7–14)
Chegada a Jerusalém (21:15-16)
VIII. Paulo Testemunhas perante os gentios, reis e o povo de Israel (21:17-26:32)
1. Testemunha diante dos judeus (21:17–23:35)
(1) A preocupação dos anciãos de Jerusalém (21:17-26)
(2) O motim na área do templo (21:27-36)
(3) Solicitação de Paulo para se dirigir à multidão (21:37-40)
(4) O discurso de Paulo antes da multidão do templo (22:1-21)
Seu antigo zelo (22:1-5)
O Encontro na Estrada de Damasco (22:6–11)
O Papel de Ananias (22:12-16)
A Comissão no Templo (22:17–21)
(5) A tentativa de exame pelo tribuno (22:22-29)
(6) Paulo diante do Sinédrio (22:30–23:11)
(7) O lote para emboscar Paulo (23:12-22)
(8) Paulo enviado para Cesaréia (23:23-35)
2. Testemunha diante dos gentios e do rei judeu (24:1-26:32)
(1) O Julgamento em Cesaréia (24:1-23)
A acusação de Tertullus (24:1-9)
Defesa de Paulo (24:10–21)
Indecisão de Felix (24:22-23)
(2) Paulo e Felix em privado (24:24-27)
(3) Festus Pressionado pelos Judeus (25:1-5)
(4) Apelo de Paulo a César (25:6-12)
(5) Conversa de Festus com Agripa (25:13-22)
(6) O discurso de Paulo antes de Agripa:o cenário (25:23–27)
(7) O discurso de Paulo antes de Agripa:o discurso (26:1–23)
Introdução (26:1–3)
A fidelidade de Paulo à esperança judaica (26:4–8)
Perseguição de Paulo a Cristo (26:9-11)
A comissão de Paulo de Cristo (26:12-18)
Testemunho de Paulo para Cristo (26:19-23)
(8) Apelo de Paulo a Agripa (26:24-29)
(9) Inocência de Paulo Declarada pelo Governador e Rei (26:30-32)
IX. Paulo testemunha a judeus e gentios sem entraves (27:1-28:31)
1. A Viagem de Paulo a Roma (27:1-28:16)
(1) A jornada para o Paraíso (27:1-8)
(2) A decisão de navegar (27:9-12)
(3) O Nordeste (27:13-20)
(4) Palavra de segurança de Paulo (27:21-26)
(5) A perspectiva do desembarque (27:27-32)
(6) Encorajamento Adicional de Paulo (27:33–38)
(7) A libertação de todos (27:39-44)
(8) Libertação de Paulo de Mordida de Cobra (28:1–6)
(9) A hospitalidade de Publius (28:7-10)
(10) A jornada final para Roma (28:11-16)
2. O testemunho de Paulo em Roma (28:17-31)
(1) Primeiro encontro com os judeus (28:17–22)
(2) Separação dos judeus (28:23-28)
(3) Testemunha corajosa para todos (28:30-31)




Bibliografia. F. Bovon, Luke the Theologian (Allison Park, Pa., 1987) ∙ C. Burchard, Der dreizehnte Zeuge (Göttingen, 1970) ∙ H. Conzelmann, The Theology of St. Luke (New York, 1960) M. Dibelius, Studies in the Acts of the Apostles (London, 1956) E. J. Epp, The Theological Tendency of Codex Bezae Cantabrigiensis in Acts (Cambridge, 1966) E. Haenchen, The Acts of the Apostles (Philadelphia, 1971) M. Hengel, Acts and the History of Earliest Christianity (Philadelphia, 1979) J. Jervell, Luke and the People of God (Minneapolis, 1972) G. Lohfink, Die Sammlung Israels. Eine Untersuchung zur Lukanischen Ekklesiologie (Munich, 1975) R. Maddox, The Purpose of Luke-Acts (Göttingen, 1982) E. Plümacher, Lukas als hellenistischer Schriftsteller (Göttingen, 1972) ∙ P. Vielhauer, “On the ‘Pauloinism’ of Acts,” Studies in Luke-Acts (ed. L. E. Keck and J. L. Martyn; Nashville, 1966) 33–50 ∙ U. Wilckens, Die Missionsreden der Apostelgeschichte (Neukirchen, 1961; 3d ed., 1974).

    2 comentários:

    Anônimo disse...

    mt booom , goosteeey :) Deus Abençõe ♥

    Anônimo disse...

    introduçao boa

    Postar um comentário