2009/07/14

Comentário de J.W Scott: Lucas 1:57-2:11

comentario biblico do evangelho de lucas
I. O nascimento de João (Lc 1.57-80)

As circunstâncias em torno do nascimento e nome da criança fizeram uma impressão profunda sobre as pessoas que habitavam ali por volta (57-66). O cântico de Zacarias está modelado nas profecias e está repleto da idéia da redenção. Mostra que o significado espiritual da idade messiânica e que naquele instante estava sendo introduzida, havia sido bem compreendido pelas almas devotas em Israel (67-75). Ele expressa o seu gozo na parte estabelecida a seu próprio filho com relação a esta obra e então o cântico transborda com uma ação de graças final pela salvação messiânica (76-79). A conclusão histórica da narrativa, relatando acerca do crescimento de João e a preparação para seu ministério (80), concorda com a afirmativa no vers. 66 de que a mão do Senhor estava com ele.

Guardavam-nas no coração (66); uma expressão característica de Lucas (cf. Lc 2.19,51), mostrando que ele colheu algo de suas informações junto ao povo que realmente estava inter-relacionado aos acontecimentos que ele narra. Para dar a seu povo conhecimento da salvação (77). Foi este o propósito da obra de João como o antecessor dEle. O povo tinha uma idéia falsa da salvação que o Messias traria. João deveria dar-lhes uma idéia verdadeira como consistente da libertação espiritual do domínio do pecado. O sol nascente das alturas (78); uma alusão a Ml 4.2, sendo esta uma figura bela para descrever o despontar de uma nova era.

II. O nascimento de Jesus (Lc 2.1-20)

A história tem início com uma nota histórica acerca de um decreto imperial de um recenseamento do mundo romano (1-3). Quando isso foi posto em operação na Palestina, fez com que José e Maria fossem de Nazaré para Belém a fim de serem alistados em sua própria cidade ancestral; e lá mesmo o Salvador do mundo nasceu (4-7). O interesse do céu com relação ao acontecimento foi manifesto pelas novas que um anjo levou aos pastores nos campos abertos e pelo louvor de uma hoste celestial acompanhando a mensagem (8-14). Os pastores encontraram o bebê recém-nascido através do sinal, que o anjo deu a eles, e depois disso estes espalharam por toda a parte a mensagem do anjo com respeito à criança (15-17). Lucas prossegue contando a impressão produzida entre aqueles que ouviram a história, e dá a entender que havia um contraste bem grande entre a reação momentânea e superficial de maravilha das pessoas todas e os pensamentos e sentimentos profundos de Maria (18-20).

César Augusto (1); o primeiro dos Imperadores romanos, os quais reinaram de 31 A. C, até o ano 14 A. D. Recensear-se (1); literalmente, “ser alistados”. O decreto fora feito com o propósito de ser realizado um recenseamento como a base para os impostos. Este o primeiro recenseamento (2). Este foi o primeiro alistamento feito. A primeira aplicação do decreto na Palestina estava sendo realizada quando Jesus nasceu. Lucas menciona Cirino (Quirino) como o governador da Síria naquela época porque aquela província romana exercia uma certa medida de supervisão sobre o reino de Herodes. Vide também nota em At 5.37.

A cidade de Davi (4); Belém, dez quilômetros ao sul de Jerusalém, era a terra natal de Davi e seu lar original (1Sm 17.12,58). Para todo o povo (10); apontando para os judeus como sendo os primeiros a receberem essa alegria. Cristo, o Senhor (11). Assim, o anjo mesmo declara que o bebê recém-nascido será o Messias prometido.

O cântico dos anjos está situado em duas partes simétricas e apresenta duas cenas correspondentes. Literalmente é: Glória nas alturas (céus) a Deus e sobre a terra paz entre os homens de boa vontade. A frase “homens de boa vontade”; é um hebraísmo e significa homens que são os objetos da boa vontade de Deus. O vers. 19 lança luz sobre o caráter de Maria e também indica que Lucas obteve essa informação diretamente dela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário