2009/07/01

Introdução Bíblica: Livro de Lucas

Introdução Bíblica: Livro de Lucas


Escritor: Lucas
Lugar da Escrita: Cesareia
Escrita Completada: c. 56-58 EC
Tempo Abrangido: 3 AEC-33 EC

O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS apresenta uma narrativa dramática do nascimento, palavras e atos, morte e ressurreição de Jesus. Seu autor, identificado pela tradição como Lucas, oferece um “relato ordenado” para assegurar aos leitores “a verdade” de sua instrução cristã (1:3–4). Uma sequência, os Atos dos Apóstolos, começa em Jerusalém, onde o Evangelho termina e retrata a difusão do cristianismo primitivo até Roma. A maneira como Lucas revisa e incorpora fontes cristãs preexistentes (por exemplo, Marcos e a “fonte de ditos” Q) em uma narrativa longa e contínua exibe considerável talento literário. O arranjo do enredo e a atenção a vários detalhes sugerem que, além de contar a história de Jesus, o Evangelho de Lucas também está fundamentalmente preocupado em abordar questões sociais e teológicas de importância crucial para a igreja da própria época do autor. A principal delas é a relação das comunidades cristãs com o legado salvífico de Israel, por um lado, e com o meio político, religioso e social do mundo dominado pelos romanos, por outro. Às vezes, portanto, as decisões narrativas de Lucas podem ser baseadas mais na situação da comunidade cristã no final do primeiro século do que em uma apresentação de eventos históricos durante o tempo de Jesus. Os leitores modernos fariam bem em manter esses dois níveis em mente ao ler o Evangelho.
 

Autor

EM NENHUMA PARTE O AUTOR revela sua identidade. O prólogo do Evangelho (1:1-4) deixa claro que o autor depende de outros e não é uma testemunha ocular. O título “Evangelho segundo Lucas” é encontrado no final do manuscrito mais antigo do Evangelho (P75, cerca de 175–225 EC). A atribuição a Lucas pode ter sido sugerida pela presença do nome de Lucas na Carta de Paulo a Filemom (v. 24) e em algumas Cartas atribuídas a Paulo (Colossenses 4.14; 2 Timóteo 4.11) à luz das chamadas passagens de “nós” em Atos (16:10–17; 20:5–15; 21:8–18; 27:1–28,16), que dão a impressão de que o autor de Atos às vezes viajava com Paulo. Essas referências de primeira pessoa do plural podem, no entanto, ter sido inseridas para efeito literário e, portanto, não sinalizar qualquer conhecimento de primeira mão de Paulo por parte do autor. Esta avaliação é confirmada pelo retrato geral de Paulo em Atos, que entra em conflito em vários pontos com o auto-testemunho dos próprios escritos de Paulo. O tom e a perspectiva dos dois volumes de Lucas se encaixam em uma época distante de Paulo e de suas preocupações. A identificação tradicional de Lucas como o autor de Lucas-Atos parece ter surgido durante uma época (a última metade do segundo século) quando parecia importante rastrear os escritos oficiais da igreja primitiva diretamente aos apóstolos ou seus associados.
 

Data e local de composição

A MAIORIA DOS ESCOLARES DATAM O EVANGELHO algum tempo depois da destruição de Jerusalém pelos romanos em 70 EC (19:41–44; 21:20–24) e antes do final do primeiro século; entre 85 e 95 é uma boa estimativa. Alguns sugerem que a data deve ser adiada para o início do segundo século. A localização geográfica de Lucas é desconhecida e os estudiosos sugeriram vários locais possíveis que abrangem o antigo mundo mediterrâneo. A tradição antiga o colocou em Antioquia. O apego óbvio de Lucas a Paulo e à tradição paulina em Atos pode indicar sua conexão com uma das cidades da missão paulina ao redor do Egeu.
 

Estilo e gênero

LUCAS É COM frequência IDENTIFICADO como o primeiro historiador cristão, e há verdade nessa afirmação, desde que se reconheça que as distinções cruciais separam os métodos e objetivos da historiografia antiga daqueles de sua contraparte moderna. Os interesses históricos de Lucas estão claramente subordinados à sua visão teológica e agenda pastoral. Por exemplo, uma diferença estrutural especialmente notável em comparação com Marcos e Mateus é encontrada na extensa seção 9:51-19:27 de Lucas, que retrata Jesus fazendo seu caminho para Jerusalém. Esta “narrativa de viagem” é uma criação de Lucas, que selecionou materiais de várias origens e os organizou no quadro de uma viagem. Entre outros propósitos, destaca a importância de Jerusalém na história da salvação como o lugar onde o destino de Jesus será realizado (9:30,51; 13:33), e desenvolve o perfil do discipulado, com particular atenção ao uso adequado dos bens, aquele deve exibir se alguém deseja segui-lo “no caminho”.
 
O Evangelho reflete a ampla leitura de Lucas da Septuaginta, o AT grego. Ele é capaz de imitar seu estilo quando apropriado (por exemplo, caps. 1-2), emprega uma ampla gama de alusões a ele e até mesmo usa protótipos bíblicos (por exemplo, o ciclo Elias-Eliseu) para construir cenas inteiras com relação a ambos os detalhes da linguagem e dos elementos estruturais. Em outro lugar, a habilidade estilística de Lucas trai as marcas de uma educação helenística em seu emprego de convenções retóricas, habilidade de contar histórias (por exemplo, 24:13-35) e a execução de uma imaginação narrativa sintética.
 

Propósito

A EVIDÊNCIA INTERNA DO EVANGELHO E DOS ATOS sugere que Lucas pode ter sido um “temente a Deus” (simpatizante do judaísmo) antes de se tornar cristão. O convertido gentio ideal de Lucas é aquele que continua a praticar a piedade judaica (Atos 10:2; ver também Lc 7:1-10), e os cristãos gentios são instados a aderir a um comportamento que permitiria associação com os judeus (Atos 15:20). O público de Lucas é obviamente de língua grega, familiarizado com as escrituras (ou seja, o AT grego), já cristão e, em grande parte, gentio. Uma das principais preocupações de Lucas é demonstrar como o cumprimento fiel de Deus das promessas escriturísticas a Israel dá à luz uma igreja que inclui judeus e gentios. A narrativa do Evangelho e sua sequência em Atos são projetadas para mostrar como a igreja permanece em continuidade com o antigo povo de Deus, mas também representa um novo desenvolvimento que cumpre o propósito de Deus de universalizar a salvação (2:29-32). Outro objetivo importante é abordar a relação do cristianismo com seu ambiente social. Lucas retrata o cristianismo como um movimento esclarecido que é politicamente inofensivo para a ordem romana - pode-se ser romano e cristão. Assim, a igreja surge como uma comunidade pluralista de judeus e gentios, romanos e não romanos no povo comum de Deus.
 
Escrito por DAVID L. TIEDE, revisado por CHRISTOPHER R. MATTHEWS.


Fonte: The HarperCollins Study Bible. Ed. geral: Harold W. Attridge. Ed. Orig.: Wayne A. Meeks. Digital Edition May 2017, ISBN: 978-0-06-257004-8.

Nenhum comentário:

Postar um comentário