2009/08/10

Comentário de John Gill: João 2:21-23

comentário do evangelho de joão 2:21 - Mas ele falava do templo de seu corpo. Que era antitípico do templo material; e podia ser bem chamado assim, visto que o corpo dos santos também são chamados de templos, 1 Cor. 3:16; 2 Cor. 6:16; e a natureza humana de Cristo é chamado tabernáculo, Heb. 8:2; e ele mesmo, em profecia, é dito ser למקדש, “por um santuário”, ou templo, Isaías 8:14, e que por causa da plenitude da divindade que habitava nele em seu corpo, as perfeições divinas que enchiam o templo de sua natureza humana, Col. 2:9. E porque aqui, como no templo, Deus concede sua presença, e sua comunhão com seus santos, aceitando suas orações e louvores, e todos os sacrifícios espirituais através dele; e que é um oráculo, o verdadeiro “Urim” e “Tumim”, por quem ele entrega sua inteira mente e vontade ao povo.

2:22 - Quando ele, portanto, levantou dos mortos,... Que foi três anos depois disso:

Seus discípulos lembraram de que ele tinha dito isso a eles;... Ou aos Judeus, ou a eles os discípulos; embora as frases “a eles”, não esteja na Vulgata Latina, nem em qualquer outra versão Oriental. Os discípulos, eles mesmos eram ignorantes da compreensão da doutrina sobre a ressurreição de Cristo; e também eles continuavam, apesar dele ter dado outras referências a ele, até que ele foi plenamente levantado; e então, eles se lembraram das palavras que usou.

E eles acreditaram a Escritura;... Aquela que fala de sua ressurreição, Salmos 16:10, e no terceiro dia, Oséias 6:2

E a palavra que Jesus tinha dito;... Concernente a ele se levantar no terceiro dia, e outras, como em Mateus 16:21; e eles acreditaram nessa palavra igualmente como as Escrituras, concordando com ele, e sendo firmados nela.

2:23 - Agora, quando ele estava em Jerusalém, na páscoa,... Quer ele tenha ido para observá-la, sendo próximo; veja João 2:13;

No dia da festividade;... Ou no dia em que o Chagigah era comido, que era às vezes enfaticamente chamado “a festividade”, como em Números 28:16, “e no quarto dia do primeiro mês, é a páscoa do Senhor; e no décimo quinto dia do mês, [é] a festividade”; o cordeiro da páscoa era comido no décimo quarto dia do mês de “Nisã”, e o “Chagigah” era no décimo quinto; no primeiro apenas o cordeiro era comido, no outro, o gado; portanto a menção é feita dos rebanhos, para guardar a páscoa, Deut. 16:2. O comentário de Jarchi sobre esse lugar é que o rebanho era para o Chagigah, com o que Talmude[1] concorda; e Jonathan ben Uzziel parafraseia com as palavras,

“E nós mataremos a páscoa diante do Senhor teu Deus, entre as noites, e a ovelha e o gado na manhã, em cada dia, pela alegria da festividade;”

Porque isto foi observado com grande alegria e regozijo: E antes, isto é significado aqui, visto que o “Chagigah” não só é chamada “a festividade”, mas aqui é distinta da páscoa, como está na passagem acima citada Num. 28:16. Porque a páscoa aqui parece ser o nome geral durante os sete dias inteiros do festival; e a festividade ser o banquete particular do primeiro dia da festa que era o décimo quinto dia; para qual pode ser acrescentado, que neste dia todos os machos faziam o aparecimento deles no tribunal;[2] e assim era muito próprio o tempo por Cristo operar os seus milagres, quando havia tantos espectadores: embora possa projetar o tempo inteiro da festividade, todos os sete dias de pão sem fermento; tempo este que Cristo estava em Jerusalém, e operou milagres que tiveram o efeito seguinte:

Muitos acreditaram em seu nome;... De que ele era algum grande profeta, ou o profeta, ou o Messias; eles fizeram uma afirmação histórica a ele como tal, pelo menos por esse momento:

Quando eles viram;... Porque como milagres, de acordo com as profecias do Antigo Testamento, que seria executado pelo Messias, como dar visão aos cegos, fazendo o surdo ouvir, o mudo falar, e o manco caminhar, Isa 35:5; assim eram esperados pelos Judeus antigos, que estes seriam operados por ele, quando ele viesse; portanto, estes Judeus vendo tais coisas maravilhosas operadas por Jesus, concluíram que ele devia ser o Messias: embora alguns para eliminar as evidências de que Jesus era o Messias, pelos seus milagres, neguem que os milagres sejam a característica do Messias, ou que fossem executados por ele; pelo menos, não há nenhuma necessidade deles para lhes provar ser ele tal pessoa. Que milagres estes eram, que foram agora operados por Cristo, não é registrado por ele, ou por qualquer outro evangelista; veja João 20:30. Porém, estando surpreso com as coisas maravilhosas que ele fez, e na evidência destas obras extraordinárias, havia muitos que concluíam que ele devia ser vindo de Deus; entre estes parece ser Nicodemos; veja João 3:2; grande parte destes, pelo menos, alguns deles, sendo apenas crentes nominais e temporários que não seriam confiados junto com os verdadeiros discípulos e seguidores amáveis de Cristo; e que não continuaram com a mesma mentalidade e fé nele, como aparece pelo que segue.


______________
Notas

[1] Pesachim, fol. 70. 2.
[2] Maimon. Hilch. Chagigah, c. 1. seç. 1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário