2009/11/27

Provas da Ressurreição de Jesus Cristo

Provas da Ressurreição de Jesus Cristo


A primeira prova é a vida de Jesus Cristo. É sempre uma decepção quando uma vida que começou bem termina mal. Nós temos esse sentimento, mesmo na ficção; o nosso instinto exige que uma história deva terminar bem. Muito mais isto é verdade de Jesus Cristo. A vida perfeita caracterizada por reivindicações divinas termina no seu auge de uma morte cruel e vergonhosa. É esse um final apropriado? Certamente, a morte não poderia terminar tudo depois de uma carreira tão nobre. Os evangelhos dão a ressurreição como a realização da imagem de Jesus Cristo. Não há dúvida de que o verdadeiro Cristo antecipou sua própria ressurreição. No início, Ele usava apenas termos vagos, tais como: “Destruí este templo e em três dias o levantarei.” Mas, mais tarde, ele falou claramente, e sempre que ele mencionava Sua morte, Ele acrescentava: “O Filho do homem... deve ser levantado no terceiro dia.” Essas referências são numerosas demais para serem ignoradas, e, apesar das dificuldades dos pormenores, que são, em qualquer tratamento adequado dos Evangelhos, parte integrante da afirmação feita por si próprio, por Jesus Cristo (Mat 12:38-40; 16:21; 17:9, 17:23; 20:19; 27:63; Mar 8:31; 9:9, 9:31; Mar 10:34; Mar 14:58; Lc 9:22; 18:33; Jo 2:19-21). Sua veracidade está em jogo se ele não se levantou dos mortos. Certamente, a palavra de tal pessoa deve ser dada o crédito devido. Somos, portanto, obrigados a enfrentar o fato de que a ressurreição de que os Evangelhos falam, não é a ressurreição de um homem comum, mas de Jesus - que é aquele cuja vida e caráter tinham sido originais, e por cuja morte vergonhosa nenhuma explicação era concebível (Denhey, Jesus e o Evangelho (Em Inglês), 122 f). É possível que, em vista de sua veracidade perfeita de palavras e ações, devesse haver tal anti-clímax quando está envolvido uma negação de Sua garantia de que Ele iria ressuscitar (CH Robinson, Estudos na Ressurreição (Em inglês), 30)? Considere, também, a morte de Cristo, à luz de Sua vida perfeita. Se a morte era o fim de uma vida tão bonita, tão notável, tão semelhante a Deus, somos confrontados com um mistério insolúvel - o triunfo permanente do errado sobre o correto, e a impossibilidade de crer na verdade ou na justiça no mundo (CH Robinson, op. cit., 36). Assim, a ressurreição não deve ser considerada como um evento isolado, um fato na história de Cristo, separado de tudo. Deve ser tomada em estreita ligação com o que precede. A verdadeira solução do problema encontra-se na estimativa de Cristo, que “a maioria inteiramente enquadra-se na totalidade dos fatos” (Orr, A Ressurreição de Jesus (Em Inglês), 14).

Fonte: International Standard Bible Encyclopedia de James Orr, M.A., D.D., Editor General

Nenhum comentário:

Postar um comentário