2009/12/11

Comentário de João Calvino: 1 João 3:9

Ele diz que aqueles que são nascidos de Deus não pecam. Agora, temos de considerar, se Deus nos regenerou totalmente de uma só vez, ou se os vestígios do velho homem continuam em nós até a morte. Se a regeneração não é ainda plena e completa, não nos exime da escravidão do pecado, exceto na proporção de sua própria medida. Portanto, parece que os filhos de Deus não estão livres de pecados, e que pecam diariamente, ou seja, na medida em que tenham ainda alguns resquícios de sua velha natureza. No entanto, o que o apóstolo afirma permanece inalterável, que o projeto de regeneração é destruir o pecado, e que todos os que nascem de Deus levam uma vida justa e santa, porque o Espírito de Deus restringe o pecado da luxúria.

O Apóstolo quer dizer a mesma coisa com a semente de Deus; pois o Espírito de Deus forma os corações dos piedosos para afeições santas, para que a carne e seus desejos não prevaleçam, mas sejam subjugados e colocados, por assim dizer, debaixo de um jugo, eles são verificados e contidos. Em suma, o Apóstolo atribui ao Espírito a soberania no eleito, que por Seu poder reprime o pecado e não o permite governar e reinar.

E ele não pode pecar. Aqui o Apóstolo ascende mais alto, pois ele claramente declara que os corações dos piedosos são assim tão eficazmente governados pelo Espírito de Deus, que através de uma disposição inflexível, seguem a Sua orientação. Isso está, certamente, muito longe da doutrina dos papistas. Os Sorbons, é verdade, confessam que a vontade do homem, a não ser que seja assistida pelo Espírito de Deus, não pode desejar o que é certo, mas eles imaginam tal moção do Espírito, deixando-nos a livre escolha do bem e do mal. Daí eles atraem méritos, porque podemos de bom grado obedecer a influência do Espírito, o que está em nosso poder também resistir. Em suma, eles desejam a graça do Espírito como sendo só isso, que estamos assim habilitados para escolhermos se vamos. João fala aqui de outra forma; pois ele não só mostra que esse não pode pecar, mas também que o poder do Espírito é tão eficaz, que necessariamente mantém-nos na contínua obediência para com a justiça. E isso não é a única passagem da Escritura que nos ensina que a vontade é assim formada, que não pode ser diferente do que o que é correto. Porque Deus dá testemunho de que Ele dá um coração novo para Seus filhos, e promete fazer isso, para que eles possam andar nos Seus mandamentos. Além disso, João mostra eficazmente como Deus trabalha de vez no homem, mas claramente declara que o Espírito continua a Sua graça em nós até a última hora, para que a perseverança inflexível seja adicionada à novidade de vida.

Não vamos, então, imaginar como os sofistas que é algum movimento neutro, o que deixa aos homens a livre escolha, quer para seguir ou rejeitar, mas deixe-nos saber que os nossos próprios corações são, assim, governados pelo Espírito de Deus, que só assim constantemente se apegará a justiça. Além disso, o que os sofistas absurdamente objetam, pode ser facilmente refutado: dizem que, assim, a vontade é tirada do homem, mas o que eles dizem, o fazem falsamente: a vontade é um poder natural, mas, como a natureza está corrompida, só tem inclinações depravadas. É, portanto, necessário que o Espírito de Deus renove-o, a fim de que ele possa começar a ser bom. E, então, assim como os homens cairiam imediatamente do que é bom, é necessário que o mesmo Espírito continue o que começou, até o fim.

Quanto aos méritos, a resposta é óbvia, pois não pode ser considerado estranho que não há méritos nos homens, e ainda assim, o fluxo da graça do Espírito não deixará de ser assim considerado, porque é voluntário. Eles também têm uma recompensa, pois esta é atribuída pela graça aos homens como se fossem seus próprios.

Mas aqui surge uma pergunta: o temor e o amor de Deus podem ser extintos em qualquer um que tenha sido regenerado pelo Espírito de Deus? Que isso não pode ser, parece ser a importância das palavras do Apóstolo. Aqueles que pensam o contrário referem-se ao exemplo de Davi, que durante algum tempo trabalhou sob tal estupor bestial, que nem uma centelha de graça aparecia nele. Além disso, em Sal 51:10-12, ele ora pela regeneração do Espírito. E, portanto, se entende que ele foi privado dEle. No entanto, eu não duvido, que a semente, comunicada quando Deus regenera Seus eleitos, como é incorruptível, mantenha a sua força perpetuamente. Eu, na verdade, admito que, por vezes, pode ser sufocada, como no caso de Davi, mas ainda assim, quando toda a religião parecia ser extinta por ele, uma brasa viva surgiu sob as cinzas. Satanás, de fato, trabalha para erradicar o que é de Deus nos eleitos, mas ao máximo que é permitido a ele, sempre permanece uma raiz escondida, que depois surge novamente. Mas João não fala de um ato, como eles dizem, mas de um modo de vida.

Alguns fanáticos sonham de algo que eu não sei o quê, isto é, de uma semente eterna dos eleitos, que sempre trazem desde o ventre de sua mãe; mas para esse propósito eles muito escandalosamente pervertem as palavras de João; porque ele não fala de eleição eterna, mas começa com a regeneração. Existem também aqueles que são duplamente frenéticos, que presumem, sob este pretexto, que tudo é lícito aos fiéis, isto é, porque João diz que eles não podem pecar. Em seguida, defendem que podemos seguir ao que nossas inclinações indiscriminadamente podem levar-nos. Assim, eles têm a liberdade para cometer adultério, roubar e matar, porque não pode haver pecado onde reina o Espírito de Deus. Mas, longe disso é o significado do Apóstolo, pois ele nega que os fiéis pequem por esta razão: porque Deus tem Sua lei gravada em seus corações, de acordo com o que diz o Profeta (Jer 31:33.)


Fonte: John Calvin's Bible Commentary, da The Calvin Translation Society (1509-1564)

Nenhum comentário:

Postar um comentário