2009/12/23

Lei do Cristo — Significado no Novo Testamento


Lei do Cristo — Significado no Novo Testamento

LEI DE CRISTO


A frase “a lei de Cristo” só aparece em Gálatas 6:2, embora esteja implícita no texto de 1 Coríntios 9:21 também. Em ambos os lugares, o seu significado preciso é difícil de se estabelecer. Em Gálatas, Paulo argumenta vigorosamente que a lei dada no Sinai não faz nenhuma afirmação sobre aqueles que creem em Cristo, seja gentio ou judeu (2:15-21, 3:10-14, 23-26; 4:4-5; 4 :21-5, 6). Ele então apela aos Gálatas para um comportamento ético por andar no Espírito (5:16), sendo conduzido pelo Espírito (5:18), e cumprindo a “lei de Cristo” (Gr.: ho nomos tou Christou) por levar a carga um dos outros (6:2). Em 1 Coríntios 9 Paulo demonstra como os cristãos devem, por amor pelos mais fracos irmãos ou irmãs, se abster de exigir os seus direitos. A título de exemplo, Paulo diz nos versículos 19-23 que ele adota alguns costumes judaicos, quando entre os judeus, embora ele não esteja sob a lei judaica, e que ele adota alguns costumes pagãos, quando entre os gentios, embora ele não esteja isento da lei de Deus mas sim “na lei de Cristo” (Gr.: ennomos Christou).

Parece bastante claro a partir destes dois textos que Paulo usa a expressão para significar algo diferente do que a lei dada a Israel no Sinai e considerado pela maioria dos judeus a sua posse especial.

Ajuda é encontrada nos profetas. Em Isaías 42:1-4, lemos que o servo escolhido de Deus, um dia, estabeleceria a justiça em toda a terra e que “as ilhas aguardariam ansiosamente por Sua lei”. Se tomarmos essa passagem para se referir ao Messias, então poderíamos parafrasear dizendo que o Cristo, quando Ele vier, vai ensinar a lei de Deus para os gentios (“as ilhas”). Jeremias 31:31-34 similarmente prevê a vinda de um tempo em que o Israel desobediente receberá uma nova aliança, que consiste de uma lei escrita no coração e, portanto, obedeceu (cf. Ez 36:26-27).

O ensinamento de Jesus, embora estando em continuidade com a lei dada no Sinai, no entanto, soberanamente molda uma nova lei. Em alguns casos, Jesus ressalta os mandamentos (Mt 5:17-48) e, em outros o considera obsoleto (Marcos 7:17-19). Em uma ocasião, ele foi solicitado a identificar o maior mandamento, Jesus concorda com a sabedoria judaica do seu tempo (Marcos 12:32-33) em que os maiores mandamentos são os de amar a Deus supremamente e o amor ao próximo como a si mesmo (Marcos 12: 28-31). Ele rompe com a tradição, no entanto, por definir o termo “próximo” para significar até mesmo os desprezados samaritanos (Lucas 10:29-37).

Paulo acreditava que a vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo marcaram o ponto de início da nova aliança de Deus (2 Coríntios 3:1-18; Gl 4:21-31; cf. Rom 8:2). Como Isaías, Ele acreditava que essa aliança incluia os gentios (Gl 3:7-20), como Jeremias, Ele acreditava que ela ofereceu a Israel uma solução para a maldição que a velha aliança do Sinai pronunciava sobre a desobediência de Israel (Gl 3:10-13). À luz disto, Paulo pode ter entendido o ensinamento de Cristo como uma nova lei. Se assim for, então a correspondência entre o ensino ético de Jesus e Paulo em muitos pontos (por exemplo, 1 Coríntios 7:10-11/Marcos 10:2-9; 1 Coríntios 9:14/Lucas 10:7, Rm 14:1-23/Marcos 7:18-19) é uma questão de intenção de Paulo ao invés de acidente feliz. Admoestação de Paulo para cumprir a lei de Cristo, suportando os fardos uns dos outros, oferece tanto uma reafirmação vigorosa do ensino de Jesus sobre a lei e uma indicação de que o ensinamento de Jesus cumpre as expectativas proféticas.

Frank Thielman

Bibliografia. 

C. H. Dodd, More New Testament Studies; R. N. Longenecker, Paul, Apostle of Liberty; W. D. Davies, Paul and Rabbinic Judaism; S. Westerholm, Israel's Law and the Church's Faith.


Fonte: Baker's Evangelical Dictionary of Biblical Theology. Editado por Walter A. Elwell.

Um comentário:

  1. Parabéns pelo belo blog. Um excelente trabalho. Deus continue te abençoando. quando possivel visite meu blog www.pastorcicero.blogspot.com

    ResponderExcluir