2010/08/24

Livro de Isaías — Unidade do Livro

ESTUDO BIBLICOS, TEOLOGICOS, LIVRO DE ISAÍAS
Dentro do âmbito deste trabalho, que não é de natureza especificamente crítica, não há possibilidade de proceder ao estudo pormenorizado deste problema. Todavia, talvez seja proveitoso resumir os aspectos principais de ambos os lados da questão.

A favor da unidade de Isaías é unânime toda a evidência invocável de fontes externas. A evidência externa é toda a favor da unidade do livro; só nos últimos cem anos é que o problema surgiu. Até então, a comunidade judaica e a Igreja Cristã consideravam, sem hesitar, todo o livro como procedente da pena de Isaías, filho de Amós. A Septuaginta não contém a menor referência a uma autoria dupla. Essa antiga convicção foi expressa de forma incomparável pelo filho de Siraque, que, referindo-se à história dos dias de Ezequias, diz que Isaías, o profeta, “viu por um espírito excelente o que se passaria no final; e confortou aqueles que choravam em Sião. Mostrou as coisas que aconteceriam até ao fim dos tempos, e as coisas escondidas antes de surgirem” (Eclesiástico 48.24-25).

A par disto há que mencionar os muitos trechos do Novo Testamento onde se faz referência a Isaías e se citam as suas palavras. “Isaías o profeta”, eis como se lhe chama independentemente da parte do livro citada. Quanto às referências, distribuem-se de forma quase igual entre as duas partes do livro, sendo as da parte final ligeiramente mais numerosas. Isto, em si, confirma a evidência externa e a tradição dos Pais da Igreja.

É sempre difícil avaliar a argumentação de base lingüística, e muito se tem discutido várias considerações suscitadas por palavras e frases comuns a ambas as partes do livro, bem como as que são peculiares a uma ou a outra dessas partes. É impossível analisarmos aqui este aspecto do problema, embora cumpra fazer alguns breves comentários sobre o significado da alusão a Jeová como “o Santo de Israel”. Esta expressão ocorre em ambas as partes de Isaías mas é difícil encontrá-la alhures no cânon bíblico. Trata-se de uma das designações mais notáveis de Deus comuns a ambas as seções, e de um assunto de importância primacial.

Não se deve confiar demasiado na evidência baseada em sutis e complexas distinções estilísticas e lingüísticas entre as duas partes. Dizer, por exemplo, que a palavra equivalente a “justiça” ocorre cerca de dezessete vezes na segunda parte e apenas quatro ou cinco na primeira; que as palavras correspondentes a “trabalho” ou “recompensa” se encontram cinco vezes na segunda parte e não ocorrem na primeira; que a palavra que significa “também”, ou algo de semelhante, aparece repetida nada menos de vinte e duas vezes na primeira e não ocorre na segunda; dizer tudo isso e muito mais pouco prova, visto ser fácil compilar um catálogo de palavras e expressões características de cada uma das partes do livro. A própria distinção entre essas duas partes no tocante ao respectivo tipo de mensagem dá origem a distinções de ordem lingüística. Enquanto que a primeira parte se caracteriza por tremenda energia e vigor, os capítulos 40 a 66 estão impregnados de emoção e de solene beleza, desdobrando-se nas asas de uma harmonia profunda e eterna. Como em toda a grande poesia, há trechos em que se nos deparam repetições e duplicações de frases; mas, para o estudioso objetivo, a própria grandeza da mensagem da redenção e da esperança messiânica, distinta da história direta ou de um rol de castigos que se avizinhavam para as nações circunjacentes, parecerá ser suficiente para explicar as diferenças de estilo e linguagem. Pelo que respeita ao estilo literário, até o Dr. Driver, que escolhe dezoito palavras ou frases nos capítulos 40 a 66, tem de largar mão de doze delas por haver trechos paralelos na primeira parte. Na realidade, a crítica sóbria tem afirmado que se exagerou imenso esta questão da diversidade de estilo. Verifica-se haver mais de trezentas palavras e expressões comuns às partes supostamente “anterior” e “posterior” de “Isaías” e que não têm qualquer lugar nas profecias mais recentes de Daniel, Ageu, Zacarias e Malaquias.

Outro elemento a ter presente neste estado e que parece favorecer a unidade do livro é que a cor local da segunda seção, como na primeira, é principal e notavelmente a da Judéia. A este respeito, vale a pena reproduzir a seguinte citação do Bible Handbook (página 502) de Angus e Greene (tradução portuguesa: “História, Doutrina e Interpretação da Bíblia”).

“Na paisagística do profeta entram rochedos, montanhas e florestas; os seus horizontes estendem-se até às ilhas do mar; os rebanhos são os de Quedar; os carneiros são os de Nebaiote; as árvores são cedros e acácias, pinheiros e buxos, os carvalhos de Basã e as alturas arborizadas do Carmelo. Sobretudo o terrível trecho que descreve a prolongada idolatria de Judá (Is 56.9-57.21) enquadra essa cena “nos vales das torrentes, sob as fendas dos rochedos, entre os calhaus do ribeiro”. “Como no solo plano, aluvial, da Babilônia não há torrentes mas apenas canais”, escreve o Deão Payne Smith, “também ali não há leitos de torrentes; no entanto, estes constituem um traço comum na paisagem da Palestina e de todos os países montanhosos”.

Não podemos passar levianamente por cima de evidência como esta, e a opinião do autor destas linhas é que a cor local presente é tão notavelmente palestiniana que pesa mais na balança do que quaisquer alusões aparentes a fatos e incidentes típicos da vida babilônica nos últimos capítulos.

Além disso, diga-se o que se disser acerca do resto dos últimos capítulos, os que contêm essa seção medonha em que se descreve a idolatria carnal de Israel afastam-se de forma tão completa de tudo o que sabemos acerca da Babilônia e do exílio judaico ali que devem ser identificados com outro local e época. É inegável que existiam muitos elementos na história pretérita de Israel e suas relações com as nações limítrofes que poderiam ser utilizados na elaboração destes trechos terríveis.

Há também que enfrentar este outro problema: como foi que um profeta tão distinto como o escritor de Isaías 40 a 66 desapareceu por completo no ouvido? Os cuidadosos registos da Igreja Hebraica nada dizem acerca de o livro de Isaías ter ainda outro autor. Em várias coletâneas, conforme se salientou, Esdras e Neemias figuravam juntos, mas os judeus jamais os confundiam, mantendo a sua identidade separada. Sem dúvida que seria um dos fenômenos literários mais espantosos de todos os tempos se o autor de um livro tão majestoso e tão sublime ficasse por nomear, e se a raça em cuja língua escreveu e cujos escribas eram tão exatos na sua compilação de registos o identificassem impensadamente com um dos seus maiores profetas.

Recentemente, os argumentos a favor da unidade do livro foram reforçados pela descoberta dos manuscritos do Mar Morto, nos quais não há qualquer solução de continuidade no manuscrito de Isaías entre o final do capítulo 39 e o princípio do capítulo 40, começando, até, o capítulo 40 na última linha da página. É claro que não se podem extrair daqui quaisquer conclusões definitivas, mas trata-se de um fato que deve ser considerado importante como elemento de uma argumentação cumulativa.

Para terminar, não sabemos ao certo em que circunstâncias decorreram os últimos dias da vida de Isaías. Ameaçado de morte às mãos do ímpio Manassés (2Rs 21.16), é muito possível que se visse forçado a retirar-se da cena pública para o abrigo de qualquer refúgio obscuro-uma situação algo semelhante àquela em que João escreveu o livro do Apocalipse na ilha de Patmos. Também João mergulhava o olhar no futuro e registava o que via. Por que não poderia o profeta Isaías, filho de Amós, frente ao declínio da religião autêntica na sua própria cidade de Jerusalém, “o lar dos eleitos de Deus”, ser levado pelo Espírito do Senhor a ver e afirmar a esperança imperecível dos verdadeiros filhos de Sião e a proclamar às gerações vindouras a salvação incomparável oferecida pelo seu Deus?

Nenhum comentário:

Postar um comentário