2011/03/20

Evangelho de João — Integralidade Textual

Evangelho de João — Integralidade Textual

Integridade Textual do Evangelho de João

Que se pode afirmar sobre a integralidade desse evangelho? Será que pode ser seriamente questionada? Não é justamente o evangelho de João coeso e integral em seu estilo inconfundível, em sua estrutura clara? No entanto, desde sempre chamou atenção que o cap. 6 de repente mostra Jesus na Galiléia, sem que tenha sido dito algo como em Jo 4.1-3 a respeito do fato e das razões de mais um retorno para a Galiléia. Não seria bem mais fácil que o cap. 6 viesse após o cap. 4? E, se o cap. 5 fosse subseqüente apenas ao cap. 6, não seria muito mais compreensível a palavra de Jesus em João 7.21, com sua referência ao milagre narrado no cap. 5?

Será possível que aconteceu uma inversão posterior, equivocada, dos capítulos? Uma vez que todos os manuscritos sem exceção trazem o texto assim como o possuímos hoje, a troca dos capítulos deveria ter acontecido já na primeira edição do livro. Para tornar isso mais compreensível, imaginou-se uma troca de páginas. Nesse caso o evangelho de João não teria sido publicado como rolo, mas como um códice, escrito sobre folhas. Por ém, trocar as folhas por engano somente teria sido possível se tanto o cap. 5 quanto o cap. 6 preenchessem exatamente uma página, sem que restassem linhas para uma nova página.

H. Strathmann (NTD, vol. IV/1955) sugere uma solução para essa questão, que ao mesmo tempo poderia tornar compreensíveis diversas outras irregularidades nesse evangelho. Se João empreendeu a redação de seu livro somente em idade avançada, talvez ele não conseguiu mais terminar pessoalmente a última formatação. Justamente por isso um grupo de discípulos e amigos teve de acrescentar o cap. 21 e assumir a responsabilidade pela publicação da obra. Nesse processo certamente poderia ter acontecido que a ordem correta dos cap. 5 e 6 não fosse notada e, por isso, já no manuscrito original o texto fosse escrito da maneira como o encontramos em todos os manuscritos. Essa solução, porém, não é mais do que uma hipótese digna de consideração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário