2014/12/03

Interpretação de Apocalipse 1

Interpretação de Apocalipse 1

Interpretação de Apocalipse 1 




Apocalipse 1

I. As Cartas às Sete Igrejas. 1:1- 3:22.
Apocalipse 1
1:1-8. Embora a idéia exata de cartas às sete igrejas não se encontre realmente no capítulo 1, no versículo 4 temos a frase, João, às sete igrejas que se encontram na Ásia, e mais adiante (v. 11) João recebe a ordem de escrever o que ele vê e enviá-lo às sete igrejas. A localização das sete igrejas é examinada no comentário do capítulo 2.
O capítulo 1 contém uma revelação rica, quase ofuscante do próprio Jesus Cristo. Os versículos 4-8 apresentam três descrições básicas de Cristo. Parece que João descreve o Cristo que ele conhece, pois não há nenhuma indicação de que ele recebesse aqui alguma revelação especial. Este é o Cristo do passado, do presente e do futuro, conforme apresentado na frase, daquele que é, que era, e que há de vir (v. 4). No passado, Cristo foi a fiel testemunha e o primogênito dos mortos; no presente, Ele é àquele que nos ama e nos libertou dos nossos pecados (v. 5); no futuro, vem com as nuvens e todo olho o verá ... e todas as tubos da terra se lamentarão sobre ele (v. 7). A declaração de que Cristo nos constituiu reino, sacerdotes para o seu Deus (v. 6) é a declaração básica de Êx. 19:6, séculos mais tarde citada por Pedro (I Pe. 2:5, 9). A passagem referindo-se ao futuro tem dupla referência no V.T.: em Dn. 7:13 o Filho do homem é descrito vindo com as nuvens, e o fato de que todos o verão está em Zc. 12:10, 12. A palavra aqui traduzida para traspassaram aparece em outra passagem do N.T. apenas em Jo. 19:37 (cons. Zc. 12:10).
Sempre achei que a frase, o soberano dos reis da terra (1:5), é o título-chave para Cristo no livro do Apocalipse. Muitos outros reis são mencionados neste livro: reis de nações que saíram para lutar contra o Cordeiro, o rei do abismo, etc. Não há nenhuma indicação até o final do livro de que os reis da terra reconheçam Cristo como o Rei dos reis. Na verdade, o livro do Apocalipse é quase um registro do cumprimento deste título de Cristo com a final preeminência para a qual o título aponta.
9-11. Temos aqui as palavras que Cristo falou ao apóstolo, uma breve ordem a que registrasse o que veria, e instruções a que enviasse a transcrição quando terminada. Não há nenhuma dúvida de que o dia do Senhor aqui (v. 10) refere-se ao dia que conhecemos por domingo.
12-19. Nesta descrição do Senhor que ascendeu ao céu, o Cristo que João viu estava andando no meio dos sete candeeiros de ouro, os quais representam simbolicamente as sete igrejas (veja v. 20). Aqui como em Dn. 7:13, nosso Senhor é chamado de filho de homem (Ap. 1:13), um título que só se encontra em mais uma passagem deste livro (14:14). As diversas frases usadas na descrição do Cristo são extraídas principalmente de Dn. 7:9, 13; 10:5, 6; Ez. 1:24. Toda a descrição nos dá em primeiro lugar uma esmagadora impressão de onipotência, e então certos símbolos nos levam a pensar no juízo, como a chama de fogo, o latão reluzente e a espada de dois fios.
Cristo identifica-se com o título o primeiro e o último (Ap. 1:17), um título usado com referência ao próprio Deus em Is. 44:6; 48:12. Observe que Cristo apresenta as razões por que aqueles que são seus não devem temer: 1) Ele é o Primeiro e o Último, e aquele que vive; 2) Ele estava morto, mas viveu novamente; e 3) Ele tem as chaves da morte e do Hades (vs. 17, 18). Se Ele é o Primeiro e o Último, então Ele é o Cristo da criação no passado, e Aquele que vai levar todas as coisas à divinamente ordenada consumação no fim. Ele permanecerá quando todos os Seus inimigos já tiverem sido derrotados, e Satanás e toda a sua corte estiver derrotada para sempre. O fato de ter estado mono,identifica Cristo com a mais trágica de todas as experiências humanas. Nenhum simples ser humano pode vencer a morte – mas Cristo pôde. Assim como Ele esteve morto mas agora vive, nós, que somos Seus, embora morramos, estaremos para sempre vivos com Ele. O fato dEle ter as chaves da morte e do inferno certamente implica em que o destino das almas humanas está sob a jurisdição de Jesus Cristo.
O versículo 19 foi interpretado por muitos como indicando uma divisão tripla, do livro do Apocalipse, na qual as coisas que viste referem-se ao capítulo 1, e as que são, às sete igrejas nos capítulos 2 e 3 e as que hão de acontecer depois destas, ao restante do livro. Na verdade, esta classificação não ajuda muito na interpretação. Deve-se lembrar, entretanto, que as palavras aqui traduzidas para depois destas, meta tauta, aparecem nove vezes no livro do Apocalipse (4:1; 7:1; 7:9; 9:12; 15:5; 18:1; 19:1; 20:3).
20. Não estamos absolutamente seguros do que João quis dizer com a declaração as sete estrelas são os anjos das sete igrejas. Esta palavra traduzida para anjo aparece setenta e seis vezes no Apocalipse. Fundamentalmente, a palavra significa mensageiro. Alguns crêem que simplesmente se refere a alguma,pessoa de liderança em cada igreja; outros dizem que implica em que cada igreja tem o seu anjo representante no céu. Estes "anjos" são pelo menos aqueles através dos quais estas mensagens deveriam ser enviadas às sete igrejas.
O termo Ásia, E.R.C. (v. 11) tem tido diversos significados através dos séculos. No N.T., Ásia, E.R.C., era o nome da província romana localizada no extremo oriente do que hoje se chama de Ásia Menor. Era a maior e a mais importante de todas as províncias romanas desta área, abrangendo os distritos da Cária, Lídia e Mísia. As sete igrejas mencionadas nas cartas estavam todas localizadas no centro-oeste desta província. Começando por Éfeso no sudoeste e dirigindo-se para o noroeste, chegamos a Esmirna e Pérgamo; voltando-se para o leste e sul, chegamos a Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia. Um círculo ao redor dessas cidades não teria um raio superior a sessenta milhas. Que essas canas do Senhor ressuscitado deveriam se dirigir às igrejas na Ásia não é difícil de entender, uma vez que foi lá que João morou durante muitos anos, e sem dúvida era bem conhecido pelas igrejas desta área. Por que estas igrejas em particular foram escolhidas, não temos certeza. Paulo passou um longo período em Éfeso na sua terceira viagem missionária (Atos 19; 20:16, 17); Lídia era de Tiatira (Atos 16:14); e Epafras trabalhava em Laodiceia (Cl. 2:1; 4:12-16). Contudo, nada sabemos do trabalho de Paulo em seis dessas sete cidades, e quatro delas não aparecem em nenhuma outra passagem do N.T. Mais ainda, sabemos que existiam igrejas, no fim do primeiro século, em algumas cidades da Ásia que nunca foram mencionadas no N.T. Antes que Paulo completasse sua terceira viagem missionária, "todos os que habitavam na Ásia ouviram a palavra do Senhor Jesus, assim judeus como gregos" (Atos 19:10, 26).
Todas estas cartas seguem a mesma seqüência. Cada uma começa com uma frase descritiva do Cristo exaltado, que se dirige às igrejas; e cada frase descritiva se encontra no capítulo precedente na narrativa que João faz de sua visão do Cristo ressuscitado. Em cada carta, com exceção das que se dirigem a Laodiceia e Sardes, as primeiras palavras de Cristo são de recomendação. Esta recomendação sempre se segue de alguns detalhes relacionados com a condição da igreja, resultando em alguma reprimenda ou advertência – com exceção de Filadélfia e Esmirna, que não recebem reprimendas. Cada carta conclui com uma promessa àqueles crentes que vencem.
Observe as muitas referências às coisas de Satanás: duas vezes lemos "a sinagoga de Satanás" (2:9; 3:9); em Pérgamo estava "o trono de Satanás" (2:13); na carta a Tiatira menciona-se "as profundezas de Satanás" (2:24); em relação a Esmirna, adverte-se que o diabo lançaria alguns deles na prisão. Além disso, encontramos referências à maldição dos nicolaítas, a presença dos perniciosos ensinamentos de Balaão (2:14), e a repreensão feita a Tiatira por suportar a presença de alguém chamada Jezabel (2:20).
Por três motivos abstenho-me, neste rápido exame do Apocalipse, de um estudo detalhado de cada uma dessas cartas: Em primeiro lugar, estes dois capítulos não apresentam maiores problemas escatológicos, enquanto que o significado exato de algumas das promessas que aqui se encontram, se fossem examinadas, exigiram comentários extensos. Em segundo lugar, estas cartas são muito mais usadas em mensagens expositórias do que qualquer outra parte deste livro, e são mais ou menos conhecidas da maioria dos estudantes da Bíblia. Em terceiro lugar, para discutir os elementos históricos relevantes de cada uma destas cidades, eu me obrigaria a abreviar a exposição posterior dos problemas básicos da interpretação profética.


Índice: Apocalipse 1 Apocalipse 2 e 3 Apocalipse 4 e 5 Apocalipse 6 Apocalipse 7-8 Apocalipse 9, 10 e 11 Apocalipse 12 e 13 Apocalipse 14, 15 e 16 Apocalipse 17, 18 e 19 Apocalipse 20 e 21 Apocalipse 22


2 comentários:

  1. com relação afirmação do dia do senhor ser o domingo, em nenhuma parte da bíblia tem apoio para tal.Marcos 2:28 diz que "Jesus é Senhor do Sábado", logo, sábado é um "dia" e Jesus é "Senhor", portanto, Dia do Senhor na bíblia é claramente o sábado. O sábado era recebido pelos judeus com soar de trombetas, por isso João relata em Apoc. 1:10 grande voz, como de trombetas, esse ritual só acontecia para receber o sábado, como ele era judeu isso lhe era familiar, o que comprova que era o sábado e não outro dia. A observância do domingo veio através de tradições humanas, o símbolo da ressurreição é o batismo, conforme Romanos 6:4-6 e não a observância do domingo. Após Jesus subir ao Céu, o maior teólogo, Paulo, continuou a observar o sábado, não encontrarás respaldo bíblico para essa mudança, leia Apoc. 22:18 e 19, e Mateus 5:17 a 20. Obedecemos a Deus não pra ser salvos, mas porque já fomos salvos, e a obediência é uma das características dos salvos, que Deus nos dê discernimento ao estudarmos Sua palavra.

    ResponderExcluir