2014/12/03

Interpretação de Apocalipse 2 e 3

Interpretação de Apocalipse 2 e 3


Interpretação de Apocalipse 2 e 3




Apocalipse 2

2:1-7. Éfeso era a maior cidade da Ásia. É a única destas sete que ocupa um lugar triplo na literatura do N.T.: recebe bastante destaque em Atos (18:18 - 19:41); a esta igreja Paulo escreveu uma de suas epístolas; e a ela o Senhor que ascendeu ao céu enviou uma carta. Depois de elogiar a igreja pelo seu trabalho, paciência e intolerância para com os pseudo-apóstolos, o Senhor refere-se a uma trágica deficiência - ela perdera o seu primeiro amor (v. 4).
G.Campbell Morgan relaciona esta passagem com as palavras de advertência de Paulo à igreja de Corinto: "Pois eu a dei por esposa a um marido, para que a pudesse apresentar como virgem pura a Cristo. Mas temo, e espero que não aconteça, que tal como a serpente envolveu Eva em sua malícia, suas mentes se corrompam afastando-se da simplicidade e pureza que há em Cristo... Os elementos do primeiro amor são, então, a simplicidade e a pureza... O amor da Igreja por Cristo está exemplificado pelo amor da esposa w marido. Qual é então o amor de Cristo pela Igreja? Amor altruísta, amor no qual não há o menor lugar para o ego. Qual é então o amor da Igreja por Cristo? A resposta do amor ao mistério do amor, a submissão do amor ao amor perfeito. Primeiro amor é o amor do casamento. Suas características são a simplicidade, pureza, amor conjugal, reação do amor ao amor, a sujeição de um grande amor ao grande amor, a submissão de um amor auto-renunciante a um amor que nega o próprio ego. O primeiro amor é o abandono de tudo por um amor que também abandonou tudo" (A First Century Message to Twentieth Century Christians, págs. 40-42).
8-11. A palavra Esmirna relaciona-se com a palavra mirra, que por sua vez é símbolo de morte. A história de Esmirna tem sido uma sucessão de saques, incêndios, destruições. Policarpo, um dos mais famosos mártires da antiguidade, foi Bispo de Esmirna. Esta cidade é a única das sete que ainda está em condições de desenvolvimento.
12-17. De Pérgamo um antigo escritor disse que "entregou-se à idolatria mais do que toda a Ásia". A elevada montanha que ficava por trás dela era adornada com numerosos templos, entre os quais se encontrava o grande templo de Zeus, que era chamado Soter Theos, o Deus Salvador. Pérgamo foi a primeira cidade na Ásia a erigir um templo em honra de Augusto. Ficou famosa por suas escolas de medicina; e Asclépio, deus da saúde, simbolizado por uma serpente, era ali adorado. Ramsay diz: "Além de todas as cidades da Ásia Menor, ela dá ao viajante a impressão de ser a sede da autoridade". Como é apropriado então que lá fosse, segundo se diz, o trono de Satanás. Muito se tem discutido sobre o que exatamente eram os nicolaítas (aqui e em 2:6). De algum modo eles encorajavam alguns na igreja a retomarem à frouxidão pagã dos costumes.
18-29. Em Tiatira, a menor destas sete cidades, a igreja permitira que uma falsa profetiza a instruísse, levando seus membros à prática da imoralidade e idolatria. Por este motivo o Cristo que se lhe dirigia está descrito como Aquele que executa juízo. Aos vencedores desta cidade Cristo promete privilégios semelhantes aos que Ele mesmo possuía (veja 12:5; 19:15; 22:16).




Apocalipse 3

3:1-6. No tempo de João, Sardes, antes capital do antigo reino de Lídia, era comparativamente insignificante. Até a igreja participava dessa humilhação – tens nome de que vives, e estás morto (v. 1).
7-13. Só a carta à igreja de Filadélfia não contém nenhuma palavra de repreensão. Até os dias de hoje esta cidade asiática tem um grupo de cristãos. Embora tão digna, esta igreja, não obstante, estava para conhecer um período de provação. Observe atenciosamente que a palavra aqui é provação não tribulação. Mas na tentação os crentes Seriam divinamente guardados (veja Jo. 17:15).
3:14-22. A última carta é à Laodiceia, que não recebe nenhum elogio. As condições desfavoráveis desta igreja eram de mornidão: os membros não eram nem frios nem quentes (v. 15). A pessoa morna não se perturba muito quando ouve ensinamentos heréticos, e não é vigorosa na defesa da verdade. Este espírito de indiferença é a coisa mais trágica que pode acontecer a urna igreja. O final desta carta é diferente da conclusão das outras seis pelo fato de fazer uma aplicação individual: se alguém ouvir a muna voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, etc. (v. 20).
Através dos séculos, os estudantes têm defendido quatro diferentes pontos de vista sobre as mais profundas implicações desta série de sete cartas. Primeiro, há a interpretação histórica – que estas igrejas existiram quando João escreveu e tinham as características aqui descritas. Segundo, há a opinião – sem dúvida correta – de que estas igrejas, além de serem históricas, são representantes dos diferentes tipos de igrejas através dos séculos. De acordo, manifestam as boas e as trágicas características nas igrejas, século após século. As advertências e as promessas, então, são para todas as épocas. Há uma terceira e um tanto fantástica opinião de que estas profecias devem ser interpretadas futuristicamente; isto é, que todas essas cidades serão restauradas no final dos tempos, e então as predições serão inteiramente cumpridas. Um quarto ponto de vista, defendido por muitos, é o de que estas sete igrejas representam sete períodos sucessivos da história da igreja, desde o primeiro século até o fim dos tempos. Eu pessoalmente não sigo esta interpretação, e o estudo das obras de seus proponentes revelam confusão sobre confusão. Virtringa, por exemplo identifica a sexta igreja com o primeiro século da Reforma, e a sétima com a igreja Reformada do seu tempo. Geralmente, os escritores que aceitam este ponto de vista proclamam que estão no período de Laodiceia. Parece que a mornidão e a indiferença marcará a igreja do final dos tempos, particularmente a indiferença quanto às grandes doutrinas da fé e a falta de vontade de defendê-las.

II. O Livro dos Sete Selos e os Acontecimentos Terrestres que Anuncia. 4:1 - 6:17.

Embora hajam alguns elementos escatológicos no retrato de Cristo no primeiro capítulo, e alguns elementos preditivos nas cartas às sete igrejas, mas não se estendendo ao fim dos tempos, a porção verdadeiramente profética do Apocalipse começa com a seção que vamos agora examinar. Conforme observamos na Introdução, a pane maior desta seção é de natureza introdutória, pois a cena registrada nos capítulos 4 e 5 é celeste. Na verdade, predições sobre acontecimentos futuros distantes não começam até o capítulo 6. João vê agora uma porta abrindo-se no céu, e ouve uma voz dizendo: "Sobe aqui, e mostrar-te-ei as coisas que depois destas devem acontecer". (Para outras ocasiões em que o céu se abriu, veja Ez. 1:1; Mc. 1:10; Jo. 1:51). Muitos comentadores colocam o "arrebatamento" da Igreja entre os capítulos 3 e 4 deste livro, mas visto que o texto propriamente dito silencia sobre o assunto, pergunta-se se seria sábio discutir o assunto a esta altura.


Índice: Apocalipse 1 Apocalipse 2 e 3 Apocalipse 4 e 5 Apocalipse 6 Apocalipse 7-8 Apocalipse 9, 10 e 11 Apocalipse 12 e 13 Apocalipse 14, 15 e 16 Apocalipse 17, 18 e 19 Apocalipse 20 e 21 Apocalipse 22

Nenhum comentário:

Postar um comentário