2015/07/18

Estudo sobre Mateus 19:1-30

Estudo sobre Mateus 19
O CASAMENTO E O DIVÓRCIO JUDAICOS

Estudo sobre Mateus 19:1-9

Aqui Jesus trata um assunto que em sua época, assim como na nossa, era uma questão candente e polêmica. O divórcio era algo a respeito do qual os judeus não tinham chegado a uma opinião unânime. E o único objetivo da pergunta dos fariseus era comprometer a Jesus em uma discussão. Nenhuma nação jamais teve um sentido mais elevado sobre o casamento que os judeus. O casamento era um dever sagrado. Permanecer solteiro depois dos vinte. anos, a menos que fosse com o propósito de concentrar-se no estudo da Lei, significava desobedecer um mandamento, o de "frutificar e multiplicar-se". Quem não tinha filhos, "destroçava sua própria posteridade" e "diminuía a imagem de Deus sobre a Terra." "Quando marido e mulher são dignos, a glória de Deus está com eles."

Não era preciso contrair casamento em forma ligeira e frívola. Josefo esboça o enfoque dos judeus para com o casamento, apoiando-se no ensino mosaico (Antiguidades dos judeus 4.8.23). O homem devia casar-se com uma virgem de boa família. Nunca devia corromper a mulher de outro, e não devia casar-se com uma mulher que fosse escrava ou prostituta. Se algum homem acusava a sua mulher de não ser virgem quando se casou com ele, devia apresentar provas que fundamentassem sua acusação. O pai ou o irmão da mulher deviam defendê-la. Se a mulher era considerada inocente, devia casar-se com ela e jamais podia voltar a abandoná-la exceto pelo pecado mais flagrante. Se fosse comprovado que a acusação tinha sido maliciosa, infundada e falsa era preciso castigar o homem com quarenta açoites menos um e devia pagar cinqüenta siclos ao pai da mulher. Mas se fosse demonstrado que a acusação era verdadeira e que a mulher era culpada, se era uma pessoa comum, teria que matá-la a pedradas; se era filha de um sacerdote, teria que queimá-la viva.

Se um homem seduzia uma mulher que estava comprometida para casar-se, se a sedução contava com o consentimento de ambos, tanto a mulher como o homem eram condenados à morte. Se em um lugar solitário, ou onde não havia auxílio, o homem forçava a mulher a pecar, só morria o homem. Se um homem seduzia a uma mulher que não estava comprometida devia casar-se com ela ou, se o pai da mulher não desejava que se casasse com ele, devia lhe pagar cinquenta siclos.

As leis de casamento e de pureza apontavam muito alto. De um ponto de vista ideal, odiava-se o divórcio. Deus havia dito: “Eu odeio o divórcio” (Malaquias 2:16, NVI). Dizia-se que até o altar derramava lágrimas no dia que um homem se divorciava da mulher de sua juventude. Mas o ideal e a realidade não andavam de mãos dadas. Na situação havia dois elementos perigosos e negativos.

Em primeiro lugar, para a lei judaica a mulher era uma coisa. Pertencia a seu pai ou a seu marido, segundo o caso. Portanto, do ponto de vista técnico, carecia de todo direito legal. A maioria dos casamentos judeus eram arranjados pelos pais ou casamenteiros profissionais. Uma menina podia estar comprometida a casar-se desde a infância e em geral estava comprometida com um homem a quem jamais tinha visto. Tinha uma oportunidade: quando chegava aos doze anos podia repudiar o marido escolhido por seu pai. Mas quando se tratava de divórcios, toda a iniciativa devia ficar em mãos do marido. A lei estabelecia: "O homem pode divorciar-se de sua mulher com ou sem seu consentimento, mas a mulher só pode divorciar-se de seu marido com o consentimento dele." A mulher nunca podia iniciar o processo de divórcio, não podia divorciar-se, tinha que seu marido divorciar-se dela. Havia algumas novidades. Se um homem se divorciava de sua mulher com qualquer pretexto, exceto o de imoralidade flagrante, devia lhe devolver o dote, e isto deve ter sido uma barreira para o divórcio irresponsável. O tribunal podia pressionar um homem para que se divorciasse de sua mulher em caso de ele não querer consumar o casamento, por exemplo, ou de impotência ou de incapacidade comprovada para mantê-la em forma adequada. A mulher podia obrigar a seu marido a divorciar-se dela se este adquiria uma enfermidade detestável, como a lepra, ou se era curtidor, o que implicava recolher esterco de cão, ou se ele planejava obrigá-la a abandonar a Terra Santa. Mas, na maioria dos casos, a lei estabelecia que a mulher não tinha nenhum direito legal e que o direito ao divórcio cabia totalmente a seu marido.

Em segundo lugar, a facilidade do processo do divórcio era fatal. Tal processo se apoiava na passagem da lei mosaica que citaram ao expor a pergunta a Jesus: “Se um homem tomar uma mulher e se casar com ela, e se ela não for agradável aos seus olhos, por ter ele achado coisa indecente nela, e se ele lhe lavrar um termo de divórcio, e lho der na mão, e a despedir de casa” (Deuteronômio 24:1). A sanção de divórcio era uma simples afirmação, composta de uma só cláusula na qual o marido expressava que expulsava a sua mulher. Josefo escreve: "Aquele que quiser divorciar-se de sua mulher por qualquer motivo (e há muitas dessas causas entre os homens), que manifeste por escrito que não tornará a usá-la como esposa, porque assim ela é livre para casar-se com outro homem." A facilidade do processo de divórcio era fatal. Como já dissemos, o único atenuante era que, a menos que a mulher fosse uma pecadora notória, o dote deveria ser-lhe devolvido.

RAZÕES DOS JUDEUS PARA O DIVÓRCIO
Estudo sobre Mateus 19:1-9 (continuação)

Evidentemente um dos grandes problemas do divórcio judeu reside na sanção mosaica. Tal sanção estabelece que um homem pode despedir sua mulher “se ela não for agradável aos seus olhos, por ter ele achado coisa indecente nela” A pergunta, sem dúvida alguma, é como se deve interpretar a frase coisa indecente? Sobre este assunto os rabinos judeus estavam violentamente divididos, e os que interrogavam a Jesus queriam envolvê-lo neste problema. A escola do Shammai estabelecia com toda clareza que coisa indecente significava fornicação e nada mais, e que não se podia repudiar uma mulher por nenhuma outra razão. Se uma mulher era má como Jezabel, enquanto não cometesse adultério, não se podia repudiá-la. Por outro lado, a escola de Hillel interpretava essa coisa indecente de forma mais ampla possível. Segundo ele queria dizer que o homem podia repudiar a sua mulher se lhe arruinava a comida, se não recolhia o cabelo, se falava com os homens na rua, se falava em forma desrespeitosa a respeito de seus sogros em presença de seu marido, se era uma mulher escandalosa cuja voz se podia ouvir da casa vizinha. O rabino Akiba ia mais longe e afirmava que a frase se ela não for agradável aos seus olhos significava que um homem podia repudiar a sua mulher se encontrava outra de quem gostava mais e a considerava mais bonita.

A tragédia era que o resultado foi o mais óbvio: prevaleciam os ensinos da escola de Hillel. O vínculo matrimonial era considerado com leviandade, e o divórcio pelas razões mais fúteis era moeda corrente.

É necessário acrescentar mais alguns dados para completar esta imagem. É importante assinalar que segundo a lei rabínica o divórcio era obrigatório por duas razões. Era obrigatório em caso de adultério. "Uma mulher que cometeu adultério deve ser repudiada." Aqui não havia opção, o divórcio era inevitável. Em segundo lugar, o divórcio era obrigatório em caso de esterilidade. O objetivo do casamento era a procriação; se depois de dez anos um casal ainda não tinha filhos, devia divorciar-se. Neste caso a mulher podia voltar a casar-se, mas a mesma obrigação corria para o segundo casamento.

Devemos acrescentar duas normas judaicas sobre o divórcio. Em primeiro lugar, a deserção nunca era causa de divórcio. Se havia deserção, era preciso comprovar a morte. O único atenuante era que, enquanto em todos outros casos se necessitava a corroboração de duas testemunhas, a lei judia só exigia uma testemunha para demonstrar a morte de um cônjuge que tinha desaparecido e não tinha retornado.

Em segundo lugar, e isto é estranho, a loucura não era causa de divórcio. Se uma mulher se tornava louca, o marido não podia repudiá-la porque se o fizesse a mulher não teria ninguém que a protegesse. Há um elemento de misericórdia nesta norma. Se o marido ficasse louco o divórcio era impossível, porque nesse caso não podia escrever a carta de divórcio e sem tal carta, iniciada por ele, não podia haver divórcio.

Quando formularam esta pergunta a Jesus, no fundo havia uma controvérsia, e por trás dela uma situação problemática e acidentada. Sua resposta caiu como uma surpresa esmagadora para ambos os lados, que sugeria uma mudança radical na situação imperante.

A RESPOSTA DE JESUS
Estudo sobre Mateus 19:1-9 (continuação)

Esta foi a situação que a Jesus enfrentou quando lhe perguntaram sua opinião sobre o divórcio. De fato, os fariseus lhe estavam perguntando se estava a favor da posição estrita de Shammai ou da mais liberal de Hillel, e desse modo procuravam implicá-lo em uma disputa.

A resposta de Jesus consistiu em remontar as coisas a seu princípio. Voltou ao ideal da criação. No princípio – disse – Deus criou Adão e Eva, homem e mulher. Agora nas circunstâncias da criação, Adão e Eva foram criados para o outro e para ninguém mais. Sua união era, necessariamente, completa e inseparável. Jesus diz que estes dois são o modelo e o símbolo dos que viriam depois. Como diz A. H. M'Neile: "Cada casal é uma cópia de Adão e Eva, e portanto, sua união não é menos indissolúvel." O argumento está bem claro. No caso de Adão e Eva o divórcio não era só pouco recomendável, não só era mau, era completamente impossível, pela simples razão de que não havia ninguém mais com quem qualquer dos dois pudesse casar. Assim, pois, Jesus estabelece o princípio de que todo divórcio é mau. Portanto, devemos destacar desde o começo que não é uma lei: é um princípio, o que é algo muito diferente.

Aqui os fariseus viram imediatamente um lugar por onde atacar. Moisés (Deuteronômio 24:1) disse que se um homem queria repudiar a sua mulher porque não era agradável aos seus olhos e por alguma coisa indecente que achou nela, podia dar-lhe carta de divórcio, e o casamento ficava dissolvido. Era a oportunidade que os fariseus procuravam. Agora podem dizer a Jesus: "Dizes que Moisés estava errado?" Tentas anular a lei divina que Moisés recebeu? Te colocas como legislador acima de Moisés?" A resposta de Jesus é que o que disse Moisés não era de fato uma lei, não era mais que uma concessão. Moisés não ordenou o divórcio, no melhor dos casos só o permitiu para regulamentar uma situação que do contrário se converteu em algo caoticamente promíscuo.

A regulamentação mosaica não é mais que uma concessão à natureza humana caída. Em Gênesis 2:23-24 temos o ideal que Deus planejou, o ideal de que duas pessoas casadas deveriam tornar-se numa só tão indissoluvelmente que sejam uma só carne. A resposta de Jesus é: "Está certo, Moisés permitiu o divórcio, mas isso não foi mais que uma concessão diante de um ideal perdido. O ideal do casamento deve ser buscado na união inseparável e perfeita de Adão e Eva. Este é o propósito de Deus para o casamento."

E agora nos encontramos com uma das dificuldades mais reais e agudas do Novo Testamento. O que Jesus quis dizer? Há uma pergunta que é anterior a esta: O que disse Jesus? A dificuldade, e não há como evitá-la, estriba em que Mateus e Marcos dão distintas versões das palavras de Jesus.

Mateus diz: “Eu, porém, vos digo: quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra comete adultério e o que casar com a repudiada comete adultério” (Mat. 19:9). Marcos diz: “E ele lhes disse: Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério contra aquela. E, se ela repudiar seu marido e casar com outro, comete adultério.” (Marcos 10:11-12). Lucas tem uma versão diferente: “Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério; e aquele que casa com a mulher repudiada pelo marido também comete adultério” (Lucas 16:18). Há uma dificuldade relativamente menor em que segundo Marcos a mulher pode divorciar-se de seu marido coisa que, como vimos, era impossível segundo a lei judia. Mas a explicação desta dificuldade é que Jesus deve ter sabido muito bem que segundo a lei dos gentios a mulher podia divorciar-se de seu marido e que ao pronunciar esta frase seu objetivo estava mais à frente do mundo judeu. A grande dificuldade é que tanto Marcos como Lucas estabelecem a proibição do divórcio como algo absoluto. Não há exceções possíveis. Mas Mateus tem uma frase que serve de exceção: permite-se o divórcio em caso de adultério. Neste caso não se pode evitar uma decisão. A única escapatória consistiria em afirmar que de fato, segundo a lei judia, como já vimos, o divórcio por adultério era obrigatório em todos os casos, e que por isso Marcos e Lucas não creram necessário mencioná-lo; mas também era obrigatório, como assinalamos, o divórcio por esterilidade.

Em última instância devemos escolher a versão de Mateus ou a de Marcos e Lucas. Cremos que não há dúvida alguma de que a versão do Marcos e Lucas é correta. Apoiamo-nos em duas coisas. Só a proibição absoluta de separação cumprirá o ideal da união simbólica total entre Adão e Eva. E as palavras de surpresa dos discípulos implicam esta proibição total porque de fato dizem (versículo 10) que se o casamento os ata nessa forma, é melhor não casar-se. Não há dúvida de que nesta oportunidade Jesus estabelece o princípio – repitamos que não se trata de uma lei – segundo o qual o ideal do casamento é uma união que não pode quebrar-se. Há muito mais para dizer sobre o tema, mas aqui se estabelece o ideal, tal como Deus planejou, e a frase atenuante de Mateus é uma interpretação posterior que se incluiu à luz da realidade da igreja na época em que escreveu seu evangelho.

O IDEAL SUPREMO
Estudo sobre Mateus 19:1-9 (continuação)

Passamos agora a ver o alto ideal do estado matrimonial que Jesus propõe àqueles que estão dispostos a aceitar os seus mandamentos. Aqui veremos que o ideal judeu nos dá a base do ideal cristão. A palavra com que os judeus designavam o casamento era Kiddushin. Kiddushin significa santificação ou consagração. É usada para descrever algo que se dedica a Deus como sua posse exclusiva e particular. Algo que se entrega em forma total e completa a Deus é Kiddushin. Isto significa que no casamento o marido se consagra e se entrega à mulher, e esta ao marido. Um se converte em posse exclusiva do outro, tal como uma oferenda ou um sacrifício se convertem em propriedade exclusiva de Deus. Isso é o que Jesus quis dizer quando afirmou que pelo casamento o homem abandonaria a seu pai e a sua mãe e se entregaria a sua mulher; e isso foi o que quis dizer ao afirmar que homem e mulher se convertem em um tão plenamente que são uma só carne. Esse era o ideal do casamento que Deus sustentava, segundo o antigo relato do Gênesis (Gênesis 2:24), e esse é o ideal que Jesus restabelece. Não há dúvida de que essa idéia tem algumas conseqüências.

(1) Esta unidade total significa que o casamento não ocorre para um ato da vida, por mais importante que seja, e sim para todas as ações da vida. Significa que embora a vida sexual tem uma importância suprema dentro do casamento, não constitui o princípio e o fim dele. Qualquer casamento que se constitui só porque não se pode satisfazer um imperioso desejo físico em nenhuma outra forma, está condenado ao fracasso. O casamento não se dá para que duas pessoas façam uma coisa juntos, mas sim para que façam todas as coisas juntos.

(2) Outra maneira de expressar isto é: O casamento é a união total de duas personalidades. Duas pessoas podem existir juntas em infinidade de formas. A pessoa pode ser o companheiro dominante até o ponto em que a única coisa que importa são seus desejos, sua conveniência e seus objetivos vitais, enquanto que o outro só existe para satisfazer os desejos e necessidades do primeiro. Duas pessoas podem existir em uma espécie de neutralidade armada; estão em tensão permanente, em oposição contínua e seus desejos e necessidades se chocam todo o tempo. A vida pode ser uma discussão contínua e, no melhor dos casos, a convivência se apóia sobre um acordo. Por outro lado, duas pessoas podem fundar sua relação em uma aceitação mútua, mais ou menos resignada. Em todas as coisas da vida, cada um segue seu caminho e vive sua vida a seu modo, embora vivam juntas. Compartilham a mesma casa mas seria exagerado afirmar que compartilham o mesmo lar. Não há dúvida de que nenhuma destas relações é a relação ideal. O ideal é que no estado matrimonial duas pessoas encontrem a realização de suas personalidades.

Platão sustentava uma idéia estranha. Relata uma espécie de lenda segundo a qual em suas origens os seres humanos eram o dobro do que são agora. Como seu tamanho e sua força os fez arrogantes, os deuses os cortaram pela metade. A verdadeira felicidade surge quando duas metades se voltam a encontrar, casam-se e nessa forma se completam. O casamento não deveria restringir a vida, deveria completá-la. Deve dar a ambos os cônjuges uma nova plenitude, uma nova satisfação, uma nova alegria de viver. É a união de duas personalidades na qual ambas se completam uma à outra. Isto não quer dizer que não se devem fazer ajustes e inclusive sacrifícios, antes quer dizer que a relação que surge é mais completa, mais plena, mais alegre, mais satisfatória do que poderia ser qualquer das duas vidas na solidão e no isolamento.

(3) Podemos expressá-lo de maneira mais prática – o casamento deve ser um compartilhar de todas as circunstâncias da vida. Há certo perigo na época do deleite do noivado. Nesses momentos é natural que cada um veja o outro em seu melhor aspecto. Esta é a época do que se denomina aparência. Vêem-se em suas melhores roupas, em geral se dedicam a desfrutar de algum prazer juntos, com freqüência o dinheiro não se converteu ainda em um problema. Mas no casamento duas pessoas devem ver-se quando não estão em seus melhores momentos, quando estão cansados, quando os filhos trazem os problemas que sempre levam ao lar, quando o dinheiro é escasso, e a comida, a roupa, as contas, convertem-se em um problema; quando a luz da Lua e as rosas se convertem na pia da cozinha e em mimar a um menino que chora durante a noite. A menos que duas pessoas estejam dispostas a aceitar tanto a rotina da vida em comum como seus prazeres, seu casamento está condenado ao fracasso.

(4) Disso se deduz uma coisa que não se dá em todos os casos, mas que é mais que provável. O casamento tem mais possibilidades de ter êxito depois de um longo período de conhecimento mútuo e quando as duas pessoas conhecem muito bem o ambiente do qual procede seu companheiro. Quanto melhor o casal se conheça, e quanto maior seja o número de circunstâncias que compartilharam, mais possibilidades tem o casamento de lançar resultados positivos. O casamento significa viver juntos em forma constante. É perfeitamente possível que haja choques entre hábitos arraigados, educação, manias inconscientes. Quanto maior for o conhecimento mútuo entre duas pessoas antes de tomar a decisão de unir suas vidas para sempre, melhor. Isto não significa negar que pode dar-se algo assim como o amor à primeira vista, e que o amor pode superar todas as coisas, mas significa que quanto maior for o conhecimento entre duas pessoas, mais possibilidades têm de converter seu casamento em algo próximo ao ideal.

(5) Tudo isto conduz a uma última conclusão prática: a base de todo casamento é a união, e a base da união não é outra senão a consideração. Para o casamento ter êxito, cada um de seus membros deve pensar mais no outro que em si mesmo. O egoísmo destroça qualquer relação pessoal com outros. E isto é mais válido ainda quando duas pessoas estão tão unidas entre si que não podem separar-se, estão atados um ao outro.

Somerset Maugham relata a história de sua própria mãe. Era bonita e agradável e todos a apreciavam. Seu pai não era bem apessoado de nenhum ponto de vista, e tinha poucas qualidades sociais e dotes superficiais. Alguém disse em uma ocasião a sua mãe: "Se todos estão apaixonados por você, e se você pode escolher a quem quiser, como você pode permanecer fiel a esse horrível homenzinho com quem você se casou?" Ela respondeu com simplicidade: "Ele jamais fere meus sentimentos." Não poderia ter-lhe prestado melhor tributo.

O verdadeiro fundamento do casamento não é complicado, sofisticado, nem recôndito, não é mais que o amor que pensa mais na felicidade de outros que na própria, o amor que se sente orgulhoso de poder servir, que é capaz de compreender e portanto sempre pode perdoar. Quer dizer, é o amor semelhante ao de Cristo, que sabe que esquecendo-se a si mesmo, se encontrará e que, perdendo-se, se completará.

A REALIZAÇÃO DO IDEAL
Estudo sobre Mateus 19:10-12

Aqui chegamos à ampliação necessária do que se disse antes. Quando os discípulos ouviram o ideal de casamento cristão que Jesus lhes apresentava se sentiram atemorizados. Terão lembrado muitas frases rabínicas. Os rabinos tinham muitas frases sobre os casamentos infelizes. "Entre aqueles que jamais verão o rosto do Ge-hinnom está o que teve uma má esposa." Um homem assim se salva do inferno porque expiou seus pecados em vida! "Entre aqueles cuja vida não é vida está o homem que é dominado por sua mulher." Uma má esposa é como a lepra para o marido. Qual é o remédio? Que se divorcie dela e se cure da lepra." Inclusive se estabelecia: "Se um homem tiver uma má esposa é um dever religioso divorciar-se dela." Para homens que se criaram ouvindo frases como estas, a exigência incondicional de Jesus era algo quase aterrador. A reação dos discípulos foi que se o casamento for uma relação tão definitiva e exigente, e se o divórcio está proibido, é melhor não casar-se porque não há escapatória – tal como eles a entendiam – de uma situação má. Jesus dá duas respostas.

(1) Diz com toda clareza que, de fato, nem todos podem aceitar esta situação, que só aqueles a quem foi dado aceitá-la podem fazê-lo. O que Jesus diz, em realidade, é o seguinte: Só o cristão pode aceitar a ética cristã. Só o homem que conta com a ajuda contínua de Jesus Cristo e a guia permanente do Espírito Santo pode construir a relação pessoal que o ideal do casamento exige. Só por meio da ajuda de Jesus Cristo o homem pode desenvolver a simpatia, a compreensão, o espírito de perdão, o amor considerado que o casamento autêntico exige. Sem a ajuda de Jesus Cristo tudo isto é evidentemente impossível. O ideal cristão do casamento implica no requisito de que os membros do casal sejam cristãos. É esta uma verdade que vai muito além desta aplicação particular.

Com freqüência ouvimos as pessoas dizerem: "Aceitamos a ética do Sermão da Montanha; mas por que nos preocupar com a idéia da divindade de Jesus, de sua ressurreição, de sua presença ressuscitada, de seu Espírito Santo, e de todo esse tipo de coisas? Aceitamos o fato de que foi um homem bom, e seu ensino é o mais elevado que jamais se repartiu. Por que não se deixam as coisas assim e nos dedicamos a viver segundo esse ensino sem nos preocupar com a teologia?"

A resposta é muito simples. Ninguém pode viver o ensino de Jesus Cristo sem Jesus Cristo. É impossível. E se Jesus não foi mais que um grande e bom homem, mesmo que tenha sido o homem maior e melhor que existiu, então, no melhor dos casos, não é mais que um grande exemplo, não é uma grande potência. Se se estabelecer que Jesus viveu e morreu, seu ensino é impossível. Seu ensino só se converte em algo possível se se tiver a convicção que não está morto, mas que está presente aqui para nos ajudar a levar a cabo seu ensino. O ensino de Cristo exige a presença de Cristo, do contrário não é mais que um ideal impossível, e torturante. Temos que aceitar, pois, a realidade de que o matrimônio cristão só é possível entre cristãos.

(2) A passagem termina com um versículo muito intrigante sobre os eunucos. É muito provável que Jesus tenha dito isto em alguma outra ocasião e que Mateus o coloca aqui porque está reunindo os ensinos de Jesus sobre o casamento, porque era seu costume reunir todos os ensinos de Jesus sobre um mesmo tema.

Um eunuco é homem sem órgãos sexuais. Jesus distingue três tipos de pessoas. Há aqueles que, por alguma deformação ou impossibilidade física, não podem manter relações sexuais. Há os que foram feitos eunucos pelos homens. Esta frase alude a costumes que são estranhas à civilização ocidental. Com freqüência se castrava intencionalmente os servos dos palácios reais, em especial aos que tinham alguma vinculação com o harém real. E também se castrava freqüentemente os sacerdotes que serviam nos templos. Isto era o que acontecia, por exemplo, com os sacerdotes do templo de Diana em Éfeso.

Logo Jesus faz referência àqueles que se fizeram eunucos por causa do reino de Deus. Devemos deixar bem sentado que não deve tomar-se esta frase em um sentido literal. Uma das tragédias da Igreja primitiva foi o caso de Orígenes. Quando era jovem tomou esta passagem em seu sentido literal e se castrou, embora depois chegou a compreender que estava errado. Clemente de Alexandria se aproxima mais, dizendo: "O verdadeiro eunuco não é aquele que não pode, e sim o que rechaça os prazeres carnais." Com esta frase Jesus se referia àqueles que abandonavam a possibilidade de casar-se, de ser pais e de desfrutar do amor físico humano por causa do Reino.

Como pode ser isto? Pode acontecer que um homem tenha que optar entre algum chamado que o desafia e o amor humano. Tem-se dito: "Viaja mais longe quem viaja sozinho." Um homem pode sentir que só pode fazer o trabalho de uma paróquia que está em um bairro miserável vivendo em circunstâncias em que o casamento e o lar são impossíveis. Pode sentir que deve aceitar algum chamado missionário a um lugar onde não pode levar, em consciência, a sua mulher e ter filhos. Também pode descobrir que está apaixonado e que lhe é feito um chamado iniludível que a pessoa que ama não quer compartilhar. Nesse caso deve escolher entre o amor humano e a tarefa para a qual Cristo o chama.

Graças a Deus, essas opções não se nos apresentam com freqüência. Mas existem pessoas que assumiram os votos voluntários de castidade, celibato, pureza, pobreza, abstinência, continência. Esse não será o caminho para o homem comum, mas o mundo teria perdido muito se não tivessem existido pessoas que tivessem aceito o desafio de viajar sozinhos por causa da obra do Reino de Deus.

CASAMENTO E DIVÓRCIO
Estudo sobre Mateus 19:10-12 (continuação)

Seria incorreto deixar este tema sem tratar de ver qual o significado com relação ao tema do divórcio no momento atual.

Podemos assinalar uma coisa de início. O que Jesus estabeleceu foi um princípio e não uma lei. Não lembrar deste elemento e converter esta frase de Jesus em uma lei, significa não compreender o seu significado. A Bíblia não nos dá leis, dá-nos princípios que devemos adaptar a uma situação determinada com a ajuda da oração e da inteligência. A Bíblia diz com respeito ao sábado: “Não farás nenhum trabalho” (Êxo. 20:10). Sabemos muito bem que em nenhuma civilização foi possível parar o trabalho completamente. Em uma civilização agrícola era preciso cuidar o gado e era necessário ordenhar as vacas todos os dias da semana. Em uma civilização desenvolvida há certos serviços públicos que devem seguir funcionando para evitar que parem os meios de transporte e que não se possa dispor de água, luz e calefação. Em qualquer lar, em especial naqueles onde há meninos, sempre há algum trabalho a fazer. Nunca se deve tomar um princípio como se fosse uma lei definitiva. Sempre é preciso aplicar o princípio a uma situação particular, tal como Deus quer. Por conseguinte, não se pode resolver o problema do divórcio, limitando-se a citar as palavras de Jesus. Isso significaria agir como legalistas; tomaremos as palavras de Jesus como um princípio que aplicaremos aos casos particulares à medida que estes se apresentem. Se cumprirmos isto, surgem certas conseqüências.

(1) Não há a menor dúvida de que o ideal é que o casamento seja uma união indissolúvel entre duas pessoas e que se estabeleça sobre a base de uma união total de duas personalidades, não com o objetivo de possibilitar uma ação, e sim para tornar a vida em um companheirismo satisfatório e no qual ambos os companheiros encontrem sua realização. Não se pode negar que essa é a base fundamental sobre a qual devemos elaborar nossa interpretação.

(2) Mas a vida não é, e não pode ser, um assunto completamente organizado e minucioso. Sempre entra na vida o elemento imprevisível e inesperado. Suponhamos, então, que duas pessoas estabelecem uma relação matrimonial. Suponhamos que o fazem com a maior das esperanças e os ideais mais elevados; e suponhamos que algo imprevisível começa a andar mal, e que essa relação que deveria ser a maior alegria da vida se converte em um inferno sobre a Terra. Ninguém sabe que vai acontecer isso até duas pessoas embarcarem na experiência de compartilhar suas vidas. Suponhamos que recorrem a todos os meios possíveis para tentar solucionar essa situação desastrosa. Suponhamos que se chama o médico para tratar as questões físicas, ao psiquiatra para solucionar os problemas psicológicos, ao sacerdote ou ministro para ocupar-se do espiritual. Suponhamos que o problema subsiste; suponhamos que um dos membros do casal tem uma constituição física, mental ou espiritual que o converte em uma dessas estranhas pessoas para quem o casamento é uma impossibilidade, e suponhamos que não se podia descobrir essa realidade até que não se fizesse a experiência. Nesse caso, deve-se dizer a essas duas pessoas que elas estão ligadas para sempre em uma situação que não pode lhes proporcionar mais que uma vida miserável a ambas? É muito difícil ver o elemento cristão nesse raciocínio. É muito duro imaginar a Cristo condenando em forma legalista a duas pessoas a uma situação semelhante. Tudo isto não significa que se deva facilitar o divórcio, mas sim uma vez que se empregaram todos os recursos físicos, mentais e espirituais para solucionar a situação, e esta segue sem solução e inclusive se converte em algo perigoso, é preciso que se ponha um fim. E a Igreja, longe de considerar as pessoas que passaram por um caso como esse como gente indigna, deve fazer todo o possível por ajudá-las, fortalecendo-as e brindando-lhes carinho. Não parece haver outra forma pela qual se ponha em ação o verdadeiro espírito de Cristo.

(3) Mas neste assunto enfrentamos uma situação muito trágica. Com freqüência acontece que as causas que fazem fracassar num casamento são coisas nas quais a lei não pode intervir. Em um momento de paixão e falta de controle, um homem comete adultério e logo passa o resto de sua vida com um sentimento de vergonha e dor pelo que fez. O menos provável é que alguma vez volte a repetir seu pecado. Por outro lado, um homem pode ser um modelo de retidão em público, e possivelmente a última coisa que pensaria fazer seria cometer adultério, e entretanto pode submeter quem vive com ele em um inferno cotidiano por meio de uma sádica crueldade que repete dia após dia, por seu egoísmo, sua crítica, seu sarcasmo, sua crueldade mental, e o pode fazer com toda premeditação. Seria bom lembrarmos que os pecados que aparecem nos jornais e aqueles cujas conseqüências são mais evidentes, podem não ser os piores pecados aos olhos de Deus. Muitos homens e muitas mulheres fazem naufragar a relação matrimonial e entretanto, diante do mundo, apresentam uma imagem de impecável retidão.

Tudo isto é algo que devemos abordar com mais simpatia e menos condenação. Entre todas as coisas que podem acontecer a uma pessoa, o fracasso no amor deve ser aquele para o qual se deve aplicar uma menor medida de legalismo e uma maior medida de amor. Nesse caso, o que é preciso conservar não é uma assim chamada lei, e sim um coração e uma alma humanas. O que se requer é que os casais se aproximem do casamento em atitude de precaução apoiada na oração; que se o casamento está a ponto de fracassar, trate-se de salvá-lo por todos os meios médicos, psicológicos e espirituais de que se disponha; mas se se trata de algo que está além de toda solução, deve-se encarar a situação com um amor pormenorizado e não com um legalismo rígido.

JESUS ACOLHE OS MENINOS
Estudo sobre Mateus 19: 13-15

Bem se pode dizer que temos aqui a situação mais bela de todo o relato evangélico. Os personagens aparecem com clareza e sem rodeios, embora o relato só ocupa dois versículos.

(1) Ali estão os que levaram os meninos. Sem dúvida se devia tratar das mães das criaturas. Não deve nos surpreender, então, que desejassem que Jesus colocasse as suas mãos sobre eles. Tinham visto o que essas mãos podiam fazer, tinham visto desaparecer a dor e a enfermidade ao seu contato. Tinham visto que devolviam a vista aos cegos, e a paz à mente atormentada; e queriam que mãos como essas tocassem a seus filhos. Há poucos relatos que mostrem tão claramente o amor que irradiava a vida de Jesus. Os que levavam os meninos não deviam saber quem era Jesus. Sem dúvida compreenderiam que Jesus não era por certo um personagem popular entre os escribas, os fariseus, os sacerdotes, os saduceus e os líderes da religião ortodoxa; mas viam nEle amor.

Premanand, o hindu de elevada casta, conta em sua autobiografia algo que sua mãe lhe disse em uma oportunidade. Quando Premanand se converteu ao cristianismo sua família o expulsou e lhe fechou as portas, mas costumava entrar na casa para visitar sua mãe. Ela tinha o coração destroçado porque seu filho era cristão mas não cessou de amá-lo. Contou-lhe que quando o levava em seu ventre costumava vir um missionário que conversava com ela. O missionário lhe deu uma cópia de um dos evangelhos. Leu-o e o seguia conservando. Disse a seu filho que ela não sentia desejo de converter-se ao cristianismo, mas que às vezes, quando ainda ele não tinha nascido, costumava pensar que se agradaria de que seu filho chegasse a ser um homem semelhante a Jesus.

Há em Jesus Cristo um amor que qualquer um pode perceber. É fácil supor que aquelas mães da Palestina poderiam considerar que a mão de um homem como Aquele sobre as cabeças de seus meninos poderia trazer uma bênção embora não soubessem muito bem por quê.

(2) Ali estão os discípulos. Os discípulos pareceriam ser rudes e inflexíveis; mas se o eram, estavam impulsionados pelo amor. Seu único desejo era proteger a Jesus. Viam que estava muito cansado, viam quanto lhe custava curar, porque cada vez que curava se desprendia dEle uma medida de virtude. Falava-lhes tão freqüentemente sobre uma cruz, e devem ter visto em seu olhar a tensão de seu coração e de seu espírito. Tudo o que queriam era assegurar-se de que ninguém incomodasse a Jesus. Só podiam pensar que n um momento como esse os meninos eram um estorvo para o Mestre. Não devemos pensar nos discípulos como homens sérios, duros e ásperos, não devemos condená-los; só queriam evitar a Jesus outra dessas insistentes demandas que sempre estavam expondo imperiosas exigências a seu poder.

(3) Ali está o próprio Jesus. Este relato nos diz muito sobre Ele. Era o tipo de pessoa a quem os meninos apreciam. George Macdonald costumava dizer que nenhum homem podia ser um discípulo de Jesus se os meninos sentiam temor de jogar em sua porta. Evidentemente, se os meninos gostavam dEle, Jesus não era um asceta carrancudo. Além disso, para Jesus ninguém carecia de importância. Alguém poderia dizer: "Não passa de um menino, não deixes que te incomode." Mas Jesus jamais teria dito algo assim. Ninguém foi jamais um incômodo para Jesus. Nunca estava muito cansado nem ocupado para entregar-se de cheio a quem dEle necessitasse.

Há uma estranha diferença entre Jesus e muitos pregadores ou evangelizadores famosos. Com muita freqüência é quase impossível aproximar-se de uma destas celebridades. Têm uma espécie de séquito e escolta que mantêm o público à distância para que o personagem não se fatigue ou se sinta alterado. Jesus era justamente o contrário. O caminho à presença de Jesus está aberto à pessoa mais humilde e ao menor dos meninos.

(4) Ali estão os meninos e ao referir-se a eles, Jesus disse que estavam mais perto de Deus que qualquer outro. A simplicidade do menino está mais perto de Deus que qualquer outra coisa. A tragédia da vida é que à medida que crescemos com muita freqüência nos afastamos de Deus em vez de nos aproximar dEle.

A GRANDE REJEIÇÃO
Estudo sobre Mateus 19:16-22

Aqui deparamos com um dos relatos mais conhecidos e apreciados de todo o evangelho. Uma das coisas mais interessantes a respeito desta história é a forma em que a maioria de nós reúne, de maneira inconsciente, distintos detalhes sobre este relato que extraímos dos diferentes evangelhos para obter uma imagem mais completa. Em geral costumamos denominá-la a história do jovem rico. Todos os evangelhos nos dizem que era rico porque este é o motivo central do relato. Mas Mateus é o único que diz que era jovem (Mateus 19:20), e Lucas é o único que diz que era homem de posição (Lucas 18:18). É interessante observar como, inconscientemente elaboramos uma imagem composta por elementos extraídos dos três evangelhos (Mateus 19:16-22; Marcos 10:17-22; Lucas 18:18-23).

Há outro elemento interessante a respeito deste relato. Mateus muda a pergunta que o homem faz a Jesus. Tanto Marcos como Lucas dizem que a pergunta foi a seguinte: "Por que me chamas bom? Nenhum há bom, senão só Deus" (Marcos 10:18; Lucas 18:19). Mateus diz que a pergunta foi assim: "Por que me perguntas sobre o que é bom? O Bom é um só." (Mateus 19:17, Bíblia de Jerusalém). Tal é a versão mais correta que aparece em qualquer tradução moderna. O evangelho de Mateus é o último da série de três evangelhos e seu respeito para com Jesus o impede de mostrar Jesus formulando a pergunta: "Por que me chamas bom?" Para ele semelhantes palavras pareceriam indicar um rechaço por parte de Jesus a que o chamem bom, de maneira que muda as palavras e escreve: "Por que me perguntas sobre o que é bom?" a fim de evitar o que considera uma irreverência.
Nesta história temos um dos ensinos mais profundos do evangelho. Contém todo o fundamento da diferença entre a idéia correta e a incorreta a respeito da religião.

O homem que se aproximou de Jesus procurava o que ele denominava a vida eterna. Procurava felicidade, satisfação, paz com Deus. Mas a forma em que expõe a pergunta o trai. Pergunta "Que bem farei?" Pensa em termos de ações. Ele se parece com os fariseus, pensa em termos de obedecer regras, leis e normas. Pensa em acumular um crédito com Deus mediante a observância das obras da lei. É evidente que não sabe nada a respeito da religião da graça; pensa em termos de uma religião da lei e em obter a aprovação de Deus. De maneira que Jesus trata de conduzi-lo para um ponto de vista correto.

Jesus lhe responde em seus próprios termos. Diz-lhe que guarde os mandamentos. O jovem pergunta a que tipo de mandamentos se refere. Então Jesus cita cinco dos dez mandamentos. Agora, há duas coisas importantes a respeito dos mandamentos que Jesus escolhe. Em primeiro lugar, trata-se de mandamentos que se ocupam da obrigação do homem para com o homem. Todos pertencem à segunda parte do decálogo, a parte que não se ocupa de nossa obrigação para com Deus, mas sim de nossa obrigação para com os homens. São os mandamentos que regem nossas relações pessoais e nossa atitude para com nosso próximo. Em segundo lugar Jesus cita um mandamento que está fora de lugar, por assim dizer. Cita em último lugar o mandamento sobre a obrigação de honrar ao pai e à mãe quando em realidade deveria ocupar o primeiro lugar. Por que? É evidente que Jesus quer sublinhar esse mandamento em forma especial. Por que? Não será acaso porque este jovem se tornou rico e poderoso em sua carreira e tinha esquecido de seus pais que possivelmente eram pobres? É provável que tivesse escalado posições no mundo e se sentisse envergonhado de seus pais e de seu lar. E é provável que tivesse encontrado uma excelente justificação legal na lei do Corbã que Jesus tinha condenado sem receio (Mateus 15:1-6; Marcos 7:9-13). Estas passagens demonstram que pôde tê-lo feito e entretanto tinha direito de sustentar que tinha obedecido os mandamentos. Nos mandamentos que Jesus cita, ele está sendo perguntado qual era sua atitude para com seus pais e para com seu próximo, como eram suas relações pessoais.

A resposta que o jovem dá a Jesus é que tinha obedecido os mandamentos e que, entretanto, havia algo que sabia que devia ter e não tinha. De maneira que Jesus lhe deu outro mandamento: que vendesse tudo o que tinha, o desse aos pobres e seguisse a Jesus. Agora, acontece que contamos com outra versão de todo este incidente no Evangelho Segundo os Hebreus. Trata-se de um dos primeiros evangelhos que não foi incluído no Novo Testamento. Seu relato nos proporciona alguma informação acessória muito valiosa.

“O segundo dos jovens disse a Jesus: ‘Mestre, que coisa boa posso fazer para viver?’ Ele respondeu: ‘Amigo, cumpre a lei e os profetas.’ O jovem respondeu: ‘Eu os tenho cumprido.’ Jesus lhe disse: ‘Vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e segue-me.’ Mas o jovem rico começou a coçar a cabeça e não se satisfez. E o Senhor lhe disse: ‘Como dizes, cumpri a lei e os profetas? Porque está escrito: Amarás o teu próximo como a ti mesmo, e eis aqui que muitos de teus irmãos, filhos do Abraão, estão vestidos com farrapos, sofrem fome, e tua casa está cheia de coisas boas e eles não recebem nenhuma.’ ”

Aqui temos a chave de toda a passagem. O jovem afirmava que tinha comprido a lei. No sentido legal podia ser verdade, mas do ponto de vista espiritual não o era, porque toda sua atitude com relação a seu próximo era incorreta. Em última instância, sua atitude era completamente egoísta. Foi por isso que Jesus o enfrentou com o desafio de vender tudo e dá-lo aos pobres. Este homem estava tão atado a suas posses que a única coisa que o separaria delas era uma espécie de extração cirúrgica. Se o homem vir suas posses como algo que lhe foi dado com o único fim de lhe proporcionar conforto e luxo, esses bens se transformam numa cadeia que precisa ser quebrada. Se o homem vir suas posses como um meio para ajudar a outros, seus bens se convertem em uma coroa.

A grande verdade desta história está na forma em que ilumina o significado da vida eterna. A vida eterna é a vida tal como a vive Deus. A palavra para designar o eterno é aionios, que não significa algo que dura para sempre. Significa algo que pertence a Deus, é característico ou digno de Deus. A grande característica de Deus é que amou e deu como o fez. De maneira que a essência da vida eterna não é uma observação cuidadosa e calculada dos mandamentos e das regras e normas. A vida eterna se apóia em uma atitude de generosidade amorosa e sacrificial para com nosso próximo. Se queremos encontrar a vida eterna, se queremos encontrar a felicidade, a alegria, a satisfação, a paz de espírito e serenidade de coração, não a encontraremos tentando encher uma folha de crédito com Deus, obedecendo seus mandamentos, regras e normas. Nós a encontraremos se copiarmos a atitude de amor e preocupação por nosso próximo que caracteriza Deus. Porque seguir a Cristo e servir com graça e generosidade aos homens por quem morreu Cristo é o mesmo.

No final, o jovem se afastou com um sentimento de desespero. Rechaçou o desafio porque tinha muitas posses. E sua tragédia era que amava mais as coisas que as pessoas. E se amava mais a si mesmo que a outros. E qualquer que põe as coisas como mais importantes que as pessoas e a si mesmo antes que a outros, deve necessariamente dar as costas a Jesus Cristo.

O PERIGO DAS RIQUEZAS
Estudo sobre Mateus 19:23-26

O caso do jovem rico iluminou em forma vívida e trágica o perigo das riquezas; aqui vemos um homem que tinha pronunciado um grande rechaço porque tinha muitas posses. Jesus passa a sublinhar esse perigo. "É difícil", disse, "que um homem rico entre no reino dos céus." Usou um símile muito eloquente para ilustrar quão difícil seria. Disse que era tão difícil que um rico entrasse no reino dos céus quanto um camelo passar pelo fundo de uma agulha.

Deram-se diferentes interpretações destas palavras de Jesus. O camelo era o maior animal que os judeus conheciam. Afirma-se que nas cidades muradas costumava haver duas portas. A porta principal pela qual passava todo o comércio e o trânsito, junto a ela costumava haver uma porta baixa e estreita. Quando se fechava a porta principal, era fechada com ferrolhos e se montava guarda durante toda a noite, e a única forma de entrar na cidade era pela porta pequena pela qual nem sequer as pessoas podiam passar de pé. Diz-se que às vezes se chamava essa porta de "o olho da agulha". De maneira que nessa imagem Jesus diz que é tão difícil para um rico entrar no reino dos céus como para um camelo passar por essa porta pequena, pela qual somente os homens podiam passar.

Há outra sugestão, que é muito atrativa. A palavra grega para camelo é kamelos; a palavra grega para o cabo de um casco de navio é kamilos. No grego posterior os sons vocálicos costumavam perder suas diferenças agudas e se aproximavam uns dos outros. Nesse grego haveria uma diferença apenas perceptível entre o som do i e o do e, ambos se pronunciariam como i. De maneira que Jesus pôde haver dito que seria tão difícil para um rico entrar no reino dos céus como tentar enfiar uma agulha com o cabo de um navio. Trata-se de uma imagem muito eloqüente.

Mas o mais provável é que Jesus tenha empregado a imagem em seu sentido literal, e que dissesse que era tão difícil um homem rico entrar no reino como um camelo passar pelo fundo de uma agulha. Onde está a dificuldade? As riquezas surtem três efeitos principais no ponto de vista e na atitude do homem.

(1) Fomentam uma falsa independência. Quem está excessivamente provido de bens deste mundo se sente inclinado a pensar que pode sair-se bem diante de qualquer situação que possa surgir.
Há uma imagem muito eloqüente desta realidade na carta à Igreja da Laodicea no Apocalipse. Laodicea era a cidade mais rica da Ásia Menor. Foi arrasada por um terremoto no ano 60 d. C. O governo romano ofereceu sua ajuda e uma soma importante de dinheiro para reconstruir os edifícios que ficaram destroçados. A cidade o rechaçou dizendo que era capaz de solucionar a situação por si mesma. Tácito, o historiador romano, diz: "Laodicea surgiu das ruínas por seus próprios meios e sem contar com nenhuma ajuda de nossa parte." O Cristo ressuscitado ouve Laodicéia dizer: “Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma” (Apoc. 3:17).

Walpole foi quem sugeriu o cínico epígrafe que afirma que todo homem tem o seu preço. Se um homem for rico tende a pensar que todas as coisas têm um preço e que se quiser algo pode comprá-lo, e que se se encontrar em alguma situação complicada pode pagar para sair dela. Possivelmente chegue a pensar que pode comprar o caminho à felicidade assim como o que o tirará da dor. De maneira que pode chegar a pensar que as resolverá sem Deus e que é capaz de solucionar sua vida por sua própria conta. Chega o momento em que o homem descobre que há coisas que não se podem comprar com dinheiro, e coisas das quais o dinheiro não o pode livrar. Mas sempre existe o perigo de que as posses muito numerosas fomentem uma falsa independência que crê – até ele comprovar o contrário – que eliminou a necessidade de Deus.

(2) As riquezas prendem o homem a este mundo. "Onde estiver o teu tesouro", disse Jesus, "ali estará também o teu coração" (Mat. 6:21). Se tudo o que o homem deseja pertence a este mundo, se todos seus interesses se centrarem aqui, nunca pensa em outro mundo e em um mais além. Se o homem estiver muito comprometido com a Terra, é muito propenso a esquecer que há um céu.

Depois de uma visita a um castelo e a umas terras muito ricas e bonitas, o doutor Johnson comentou com tristeza: "Estas são as coisas que fazem difícil morrer." É muito possível que um homem se interesse tanto nas coisas terrenas que se esqueça das celestiais, que esteja tão preso às coisas que se vêem, que se esqueça das que não se vêem: e isso é trágico, porque as coisas visíveis são temporais enquanto que as coisas invisíveis são eternas.

(3) As riquezas tendem a tornar o homem egoísta. Por mais que possua, é natural que o homem deseje um pouco mais; assim diz o epigrama: "O suficiente sempre é um pouquinho mais do que se tem." Além disso, uma vez que o homem chegou a desfrutar do luxo e o conforto, sempre tende a temer ficar sem eles. A vida se converte em uma luta laboriosa e cansativa para reter o que se possui. O resultado é que quando o homem enriquece, em vez de sentir um impulso de dar, costuma experimentar o desejo de apegar-se às coisas. Seu instinto o leva a possuir mais e mais em busca da segurança que acredita que lhe darão as coisas. O perigo das riquezas é que tendem a levar ao homem a esquecer que perde o que retém, e ganha o que dá a outros.

Mas Jesus não disse que era impossível que um rico entrasse no reino dos céus. Zaqueu era um dos homens mais ricos de Jericó e entretanto, em forma inesperada, entrou no Reino (Lucas 19:9). José de Arimatéia era um homem rico (Mateus 27:57). Nicodemos deve ter sido muito rico porque trouxe especiarias para ungir o cadáver de Jesus e essas especiarias valiam uma fortuna (João 19:39). Não se trata de que os ricos tenham as portas fechadas. Tampouco se trata de que as riquezas sejam um pecado, mas são um perigo. A base de todo o cristianismo é um sentimento imperioso de necessidade; quando um homem tem muitas coisas sobre a Terra, corre o risco de considerar que não precisa de Deus. Quando um homem possui poucas coisas na Terra, costuma dirigir-se a Deus porque não tem nenhum outro lugar aonde ir.

UMA RESPOSTA SÁBIA A UMA PERGUNTA ERRADA
Estudo sobre Mateus 19:27-30

Para Jesus teria sido fácil responder a pergunta de Pedro com uma recriminação impaciente. Em seu sentido decisivo a pergunta de Pedro era a seguinte: "O que ganhamos te seguindo?" Jesus bem pôde ter dito que qualquer um que o seguia com esse ânimo não tinha a menor idéia do que significava segui-lo. Contudo, era uma pergunta muito natural. É verdade que teria sua correção implícita na parábola que em seguida Jesus pronunciaria, mas Ele não repreendeu Pedro com dureza. Recebeu a pergunta e a partir dela estabeleceu três grandes leis da vida cristã.

(1) Sempre é certo que quem compartilha a campanha de Jesus compartilhará seu triunfo. Nas guerras entre os homens aconteceu muito freqüentemente que uma vez que terminou a luta, obteve-se o triunfo e os soldados já não eram necessários, foram esquecidos aqueles que tinham suportado o fragor da luta. Nas guerras entre os homens sucedeu com muita freqüência que quem lutou para formar um país onde os heróis pudessem viver, acharam que esse país se converteu num lugar onde os heróis podiam morrer de fome. Isso não acontece com Jesus Cristo. Quem compartilha a luta de Cristo, compartilhará sua vitória; e quem carrega com a cruz, luzirá a coroa.

(2) Sempre é certo que o cristão receberá muito mais do que jamais tenha tido que abandonar. Mas o que recebe não é uma posse material, e sim uma nova companhia, humana e divina. Quando um homem se torna cristão entra em uma nova confraternidade humana. Enquanto exista uma igreja cristã, não deveria existir ninguém que esteja sozinho ou que não tenha amigos. Se sua decisão cristã significou que teve que abandonar certos amigos, também deveria significar que entrou em um círculo de amizades mais amplo do que jamais teve. Deveria ser uma realidade que não existisse quase nenhum povo ou cidade onde um cristão pudesse ser um estranho. Porque em toda cidade, aldeia ou povo há uma igreja e tem direito a unir-se a esse círculo de pessoas. Pode acontecer que o cristão que é um estranho seja muito tímido para entrar nesse círculo como deveria; pode acontecer que a igreja desse lugar se converteu em um círculo muito fechado para abrir seus braços e suas portas. Mas se se cumpre o ideal cristão, em nenhum lugar do mundo onde há uma igreja cristã deveria existir um indivíduo cristão que se sentisse sozinho, sem amigos. O fato de ser cristão deveria significar que se entrou em um grupo que estende seus braços até os limites da Terra.

Mas, mais ainda, quando um homem se torna cristão entra em uma nova companhia divina. Entra em posse da vida eterna. A vida eterna é a vida idêntica à vida de Deus. O cristão pode ser separado de outras coisas, mas jamais pode ser separado do amor de Deus em Cristo Jesus seu Senhor.

(3) Por último, Jesus adverte que haverá surpresas no juízo final. Os critérios que Deus emprega para julgar não são os mesmos que os homens empregam, embora só seja porque Deus vê o interior do coração dos homens. Existe um mundo novo para compensar o equilíbrio do velho; há uma eternidade para corrigir os julgamentos equivocados do tempo. E pode ser que aqueles que foram humildes na Terra sejam grandes no céu, e que aqueles que foram grandes na Terra sejam humilhados no mundo por vir.

Índice: Mateus 1 Mateus 2 Mateus 3 Mateus 4 Mateus 5 Mateus 6 Mateus 7 Mateus 8 Mateus 9 Mateus 10 Mateus 11 Mateus 12 Mateus 13 Mateus 14 Mateus 15 Mateus 16 Mateus 17 Mateus 18 Mateus 19 Mateus 20 Mateus 21 Mateus 22 Mateus 23 Mateus 24 Mateus 25 Mateus 26 Mateus 27 Mateus 28

Um comentário:

Crismacleiton disse...

Muito rico o estudo todavia a Questão do casamento precisa ser analizada

Postar um comentário