2015/11/27

Significado de 1 Crônicas 1

Significado de 1 Crônicas 1

Significado de 1 Crônicas 1




1 Crônicas 1

1.1-5 — Adão, Sete, Enos. Os nomes destes antigos personagens do pré-dilúvio foram incluídos na genealogia com as pessoas cujas identidades históricas nunca foram questionadas, como a de Davi (1 Cr 2.15) e a d e Zorobabel (1 Cr 3.19). Isso indica que o cronista não tinha dúvidas quanto à historicidade delas.

1.6 — Rifate. No hebraico, grafa-se Riyphath ou, provavelmente por erro ortográfico, Diyphath. Há traduções em que este nome se escreve com D, em vez de R. Isso se dá porque as letras que se traduzem por estas, em nosso idioma, eram muito parecidas no texto original em hebraico.

1.7.8 — Dodanim se refere aos rodos, nativos da ilha grega de Rodes. Os filhos de Cam eram grandes nações que foram indicadas por alguns dos seguintes nomes: Cuxe, que se refere aos etíopes; Mizraim, aos egípcios, e Canaã, aos cananeus.

1.8.9 — Grandes nações são indicadas nos nomes dos filhos de Cam: Cuxe é a Etiópia; Mizraim, o Egito, e Canaã, os cananeus.

1.10,11 — Cuxe gerou a Ninrode. Parece que o cronista usou a genealogia de Gênesis 10 como a fonte primária para sua genealogia. Contudo, usou-a seletivamente, pois a passagem de Gênesis 10.9-12, por exemplo, não foi incluída. O aparente propósito desta genealogia foi estabelecer a linha entre Adão e Davi, e entre Davi e a monarquia davídica reinante.

1.12 — Caftoreus. Estes eram habitantes de Caftor (Dt 2.23), conhecida nos antigos textos acadianos como Kaptara, provavelmente a atual Creta. Os caftoreus tinham relação com os filisteus. N a verdade, os dois termos eram considerados sinônimos (Jr 47.4; Am 9.7).

1.13-17 — Hete fundou a nação dos heteus (onde hoje está a Turquia central), a qual alcançou grande poder e importância em meados do segundo milênio a.C. Após o reino heteu ser conquistado pelos Povos do Mar, por volta de 1200 a.C., muitos heteus se estabeleceram em enclaves na Síria e na Palestina.

1.18 — Héber foi ancestral de Abraão, Isaque e Jacó. Este nome deu origem ao termo hebraico e era usado para se referir aos israelitas. O lugar que Héber ocupa nas genealogias de Abrão em Gênesis e em 1 Crônicas sugere uma relação entre as palavras hebraico e Héber (1 Cr 1.24-27; Gn 10.21; 11.10-26). De fato, o nome hebraico pode simplesmente significar Héber.

1.19-27 — Se repartiu a terra. Isto se refere à divisão da população da terra quando, após o julgamento de Deus sobre a torre de Babel, a raça humana se espalhou pelo globo. Cronologicamente, Pelegue aparentemente nasce entre Sem e Abrão (1 Cr 1.24-27), a época mais provável para o episódio da torre de Babel.

1.28-31 — Isaque foi o filho da aliança, por isso seu nome aparece antes do de Ismael ao serem mencionados juntos, mesmo tendo Ismael nascido primeiro. Além disso, Ismael foi o filho de Agar, a concubina de Abraão, não de sua esposa, Sara.

1.32,33 — Tanto Ismael quanto Midiã descenderam de Abraão. Ismael, por uma concubina, e Midiã, por outra esposa que Abraão teve após a morte de Sara (Gn 25.1,2). Os ismaelitas e os midianitas foram tribos que viveram nos desertos árabes e eram frequentemente associados uns aos outros e, até mesmo, confundidos uns com os outros (Gn 37.25-28).

1.34-36 — Timna foi a concubina de Elifaz (Gn 36.12). O filho de Timna, Amaleque, foi o fundador dos amalequitas, um povo que se tornou um dos inimigos mais persistentes de Israel (Êx 17.8-16; Dt 25.17-19; 1 Sm 15.1-3).

1.37,38 — Seir foi o nome patriarcal da população pré-edomita das regiões leste e sul do mar Morto (Gn 36.20-30). Timna, a nora de Esaú (1 Cr 1.35,36), foi a irmã de Lotã e filha de Seir. Logo, o povo de Seir e os descendentes de Esaú eram ligados por laços matrimoniais. Juntos, estes dois grupos populacionais se tornaram o reino de Edom (1 Cr 1.43).

1.39-43 — Os reis [...] de Edom. Compare com Gênesis 36.31-39. Estes reis, aparentemente, foram descendentes de Esaú. Os edomitas foram governados por reis muitos séculos antes dos israelitas. Tal fato ajuda a explicar, mais tarde, a demanda de Israel por um rei sobre si, para que o julgasse, assim como o tinham as outras nações (1 Sm 8.5). Apesar dos reis edomitas terem governado em sucessão, não foram parte de uma dinastia, como diz a referência às suas cidades. Aparentemente, Edom não possuía uma capital, e seus reis governavam do lugar que queriam chamar de lar, o qual podia ser qualquer um.

1.44-54 — A palavra hebraica traduzida como príncipes [‘allupim] normalmente se refere a líderes militares. Compare com Gênesis 36.40-43. Não fica claro se eles sucedera os reis mencionados anteriormente. Pode ser que esse título sugira uma nova e diferente forma de governo ou que eles servissem aos reis como oficiais militares.



Um comentário:

  1. Queria agradecer por todo esse conteudo que voce nos fornece, ajuda nos meus estudos e pregações, incrivel, Deus abençoe voce e sua familia!! muito obrigado.

    ResponderExcluir