Significado de 2 Coríntios 1

2 Coríntios 1

2 Coríntios 1 serve como um preâmbulo para o resto da carta. Neste capítulo, Paulo saúda os coríntios e agradece a Deus por confortá-lo durante suas recentes provações. Ele encoraja os coríntios a também encontrarem consolo em Deus durante suas próprias aflições e os assegura de que os sofrimentos que eles suportam os levarão ao crescimento espiritual e à salvação de outros.

A ênfase de Paulo no conforto e no sofrimento é um tema recorrente ao longo deste capítulo. Ele usa a palavra “consolo” várias vezes para descrever tanto o consolo que recebeu de Deus quanto o consolo que espera dar aos coríntios. Ele também menciona seus sofrimentos recentes, que incluíam estar “sobrecarregado além da medida” e “desesperar até da vida”. Apesar dessas dificuldades, Paulo declara que ele e seus companheiros apóstolos aprenderam a confiar em Deus e não em si mesmos, e confiam que Deus continuará a libertá-los no futuro.

Outro tema importante em 2 Coríntios 1 é a confiabilidade da mensagem de Paulo. Ele garante aos coríntios que sua mensagem sempre foi verdadeira e consistente e que suas ações sempre corresponderam às suas palavras. Ele também reconhece que alguns membros da comunidade coríntia questionaram sua autoridade e sinceridade, mas os lembra que seu objetivo final é edificá-los na fé, não afirmar seu próprio poder.

No geral, 2 Coríntios 1 dá o tom para o restante da carta, enfatizando a importância de encontrar consolo em Deus em tempos de sofrimento e afirmando a confiabilidade da mensagem de Paulo. É um lembrete de que as provações que enfrentamos na vida podem levar ao crescimento espiritual e que nossa confiança em Deus será finalmente recompensada.

Comentário de 2 Coríntios 1

1:1, 2 A segunda epístola de Coríntios começa da maneira como a maioria das cartas da antiguidade eram escritas: com saudação, informações sobre o autor, destinatário. O autor é Paulo, apóstolo de Jesus Cristo. Sua identificação com Jesus Cristo é especialmente importante nesta carta porque falsos apóstolos (2 Co 11:12-15; 1 Co 4.14-16) estavam opondo-se a ele em Corinto e causando confusão na igreja. Timóteo é listado como portador. Esse companheiro de Paulo não é mencionado na introdução de 1 Coríntios supostamente porque já havia sido enviado até aquela cidade anteriormente (1 Co 4-17; 16.10). O fato de seu nome aparecer aqui indica que ele havia se unido ao apóstolo, apresentado seu relatório com respeito à situação da igreja em Corinto e viajado com Paulo até a Macedônia. Paulo destinou esta carta para a Igreja em Corinto e todos os cristãos que se encontravam na A caia; atualmente é a parte sul da Grécia. Graça a vós e paz era a saudação padrão de Paulo. Por meio dela, o apóstolo expressava suas orações para que os coríntios experimentassem o favor de Deus e o gozo resultante de terem um relacionamento com o Senhor.

1:3 Uma palavra de agradecimento geralmente vinha em seguida à saudação da carta (v. 1, 2). Bendito expressa adoração e louvor. Paulo chama o Senhor de Deus e Pai de Cristo. Embora Jesus seja divino, como o Filho de Deus encarnado Ele dependia do Pai. Portanto, o Deus Pai era o Seu Deus. Consolação aqui significa exortação, encorajamento e ânimo. Paulo faz uso dessa palavra e de suas variantes oito vezes nos cinco versículos seguintes (v. 3-7). Este é o propósito de nossas reuniões na igreja (Hb 10.24, 25) e também é o assunto do apóstolo no capítulo 7 (2 Co 7.12, 13). Quando se encontram, os cristãos devem estimular uns aos outros na fé.

1:3-7 Bendito seja Deus. Uma introdução solene e bela, muito adequada ao espírito apostólico; até mesmo o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo – que é seu Filho unigênito, tanto quanto à sua natureza divina e humana; veja Hb 1:2; Lc 1:35; e como ele é Mediador, nomeado, autorizado e qualificado pelo Pai para esse ofício. O Pai das misericórdias – De cuja compaixão paterna e prontidão para perdoar o penitente, que sinceramente acredita e se volta para ele, todas as nossas esperanças são derivadas; e o Deus de todo conforto... cuja natureza é sempre ter misericórdia; e quem sabe propor seus apoios à exigência de cada provação. Quem nos conforta em toda a nossa tribulação... Concede conforto a nós, seus apóstolos e ministros, por causa dos outros; para que possamos confortar aqueles que estão com problemas – Aquele que experimentou um tipo de aflição é capaz de confortar outros nessa aflição: aquele que experimentou todos os tipos de aflições é capaz de confortar os outros em tudo. Pois como os sofrimentos de Cristo abundam em nós... Os sofrimentos suportados por ele, que ele considera seus; então nosso consolo também abunda em Cristo... “O consolo de que o apóstolo fala foi derivado da presença de Cristo com ele em sua aflição; de um sentimento do amor de Cristo derramado em seu coração; da alegria que o sucesso do evangelho lhe deu; da esperança segura da recompensa que foi preparada para ele; de seu conhecimento da influência de seus sofrimentos para encorajar os outros; e das visões ampliadas que ele tinha do governo de Deus, pelo qual todas as coisas são feitas para trabalhar para o bem daqueles que amam a Deus; para que ele se reconciliasse inteiramente com seus sofrimentos; descobrindo por experiência, que seu consolo superava todos eles. Quer sejamos afligidos, é para seu consolo... Nomeadamente, quando você vê com que coragem e paciência cristãs somos capazes de suportar aflições; e salvação... encorajando você a passar por coisas semelhantes e, assim, obter a salvação; ou, para seu conforto presente e salvação presente e futura; que é eficaz para suportar os mesmos sofrimentos... isto é, a perspectiva ou esperança de que a salvação é de poder suficiente para permitir que você suporte os sofrimentos semelhantes que sofremos, se você for chamado para isso; ver 2Co 4:17-18; Rom 8:18. Ou se somos consolados, é para o seu conforto... para que possamos ser mais capazes de confortá-lo. E nossa esperança de você – fundamentada em sua paciência em sofrer por amor de Cristo; é firme – firme e inabalável; sabendo que, como você é participante dos sofrimentos... pela simpatia cristã e suportando o mesmo; assim também sereis consolados... que surge de princípios e esperanças que não são peculiares a nós, que somos apóstolos, ou a outros ministros do evangelho, mas comuns a todos os crentes sinceros, como eu confio em você em geral.

1:4 Tribulação implica dificuldades e aflição. Deus não só consola Seus filhos, mas também os torna consoladores. O consolo que Deus nos concede passa a ser um dom que podemos oferecer a outros (2 Co 7.6; At 9.10-19). Nossa disponibilidade para compartilhar o consolo divino reflete a sinceridade de nossa fé (Jo 13.35).

1:5 A tribulação (v. 4) é chamada de aflições de Cristo. Jesus sofreu ao levar sobre si nossos pecados (1 Pe 3.18) e ao servir a todos (Jo 13.1-17). Os que seguem a Cristo também experimentarão o mesmo sofrimento em seu serviço em prol do Reino (Jo 15.20), mas receberão uma recompensa, um peso eterno de glória mui excelente (2 Co 4.17).

1:6 O exemplo de Paulo quando era atribulado estimulava os coríntios a permanecerem firmes.

1:7 Nossa esperança acerca de vós. Todos os que tomam parte nas aflições de Cristo têm certeza da recompensa eterna. Consolação aqui significa toda a graça, força e liberdade que Cristo concede aos Seus servos (Lc 9.23, 24).

1:8 O compromisso de Paulo para com Cristo e seu serviço não o eximiam de enfrentar problemas. Com o termo Ásia, Paulo se referia à província romana na porção ocidental da Àsia Menor, território da atual Turquia. Não se sabe exatamente onde Paulo experimentou essa tribulação. Talvez tenha sido em Éfeso, provavelmente com o tumulto causado contra ele por Demétrio, o ourives (At 19.23-41; 1 Co 15.31, 32).

1:9, 10 A sentença de morte. Paulo volta ao tema da morte e da ressurreição várias vezes nesta carta (2 Co 2.16; 4.7-14; 5.1-10; 13.4). Aqui, o apóstolo provavelmente se referia às ameaças contra sua vida que enfrentou enquanto pregava o evangelho (At 14.19, 20).

1:11 Enquanto Paulo confiava no Senhor e os cristãos coríntios oravam, Deus o libertou (v. 10). Devemos orar uns pelos outros para que sejam dadas graças a Deus. Se muitas pessoas intercederem, muitas também darão graças a Deus quando Ele responder às nossas orações. Sempre que enfrentamos dificuldades, devemos contar aos irmãos nossa situação para que eles possam orar, e Deus ser louvado. Respostas a orações sempre devem ser seguidas de louvor público, porque nosso Libertador merece nossa adoração.

1:12 Os críticos de Paulo o acusavam de viver para seus próprios interesses egoístas (2 Co 10.2). Citavam o fato de ele não ter retornado a Corinto como evidência de sua falta de sinceridade. Por isso, Paulo inicia sua carta defendendo sua integridade (2 Co 1:122.4). Sabedoria carnal diz respeito aos interesses egoístas (compare com a advertência de Paulo e o exemplo de humildade de Cristo em Filipenses 2.3-8). A sinceridade de Deus demonstrada por Paulo estava mais evidente aos coríntios do que a quaisquer outras pessoas. Ele havia passado um ano e meio entre eles (At 18.11).

1:13, 14 Os críticos de Paulo o acusavam de não estar sendo sincero em suas cartas, de escrever incentivando uma coisa e agir de modo contrário ao que exortava (2 Co 10.10). Paulo nega tais acusações. Ele cumpria de fato o que recomendava; não havia outros objetivos em suas cartas.

1:15, 16 Paulo pretendia visitar os coríntios (1 Co 16.5-7), mas não conseguiu fazê-lo. Isso levou alguns dos membros da igreja de Corinto a acusá-lo de viver de acordo com a sabedoria carnal (v. 12, 17). A segunda graça era a graça da segunda visita (v. 16).

1:17 Deliberando isso. Paulo apresenta uma pergunta retórica. Quando planejou visitar os coríntios, por acaso estaria brincando, levado por interesses próprios ou sendo inconsistente? O texto grego indica que essas perguntas esperavam uma resposta negativa. Mais adiante, Paulo explica por que mudou seus planos (2 Co 1:222.4).

1:18 Antes de encerrar a defesa de sua integridade (2 Co 1:23, 24), Paulo defendeu sua pregação: ela era verdadeira e confiável (v. 18-22). Nossa palavra é uma referência ao ensinamento de Paulo (v. 19).

1:19 A pregação de Paulo não era sim e não ao mesmo tempo não era inconsistente nem contraditória. Em vez disso, suas palavras refletiam a fidelidade de Deus, porque seus ensinos se baseavam nas Escrituras e nas doutrinas de Cristo.

1:20 Todas quantas promessas há de Deus com relação a Cristo são verdadeiras e confiáveis: um sim.

1:21, 22 No texto grego, ungiu está relacionado a confirma. Deus confirmou o ministério de Paulo e de seus companheiros ao ungi-los. Essa unção provavelmente se refere a uma capacitação especial dada pelo Espírito Santo, semelhante à unção que João descreve em 1 João 2.20, 27. Selou. O selo indica posse e segurança. O selo e a descida do Espírito Santo também estão interligados. O Espírito Santo é um penhor, uma garantia que demonstra que há mais bênçãos espirituais no futuro e que o cristão receberá a vida eterna.

1:23 Paulo havia prometido ir a Corinto e fazer uso de sua autoridade, caso necessário, para corrigir os problemas na igreja local (1 Co 4-21). Para poupar seus irmãos do sofrimento da correção e dar-lhes oportunidade de corrigirem-se, Paulo não fora lá. Deus também é paciente conosco. Todavia, Paulo havia advertido os coríntios anteriormente de que suas fraquezas, doenças e até mesmo a morte de alguns se deviam ao fato de eles estarem rejeitando a correção (1 Co 11:30).

1:24 Como apóstolo, Paulo tinha autoridade para disciplinar (2 Co 10.2), mas não tinha direito de manipular os coríntios.

Notas Adicionais:

1:1 A comissão de Paulo como apóstolo é uma questão-chave desta epístola. Timóteo esteve envolvido na fundação da igreja em Corinto (At 18:5).

1:1-2 As cartas no primeiro século geralmente começavam mencionando o nome do escritor e o da(s) pessoa(s) endereçada(s), seguido por uma saudação (veja Atos 15:23; 23:25-26). Paulo segue esse padrão.

1:1 Grécia: Acaia grega, a região sul da península grega. Paulo transforma as “saudações” habituais e incolores (grego chairein) em uma rica saudação ao orar pela graça de Deus (grego charis) e paz aos seus leitores. Paulo destaca seu chamado como apóstolo; seu status como agente designado por Deus para estabelecer a igreja havia sido contestado em Corinto.

1:3-11 Paulo agora irrompe em jubilosa ação de graças. Ele está feliz que, apesar de muitos problemas que pesam sobre ele, ele teve conforto especial de Deus (1:4-7) e foi resgatado da morte na província da Ásia (1:8-11).

1:3 nosso misericordioso Pai: Deus se deleita em mostrar favor ao seu povo e em ouvir o clamor de seus filhos (Sl 145:18-19).

1:4 Para alguns dos problemas de Paulo, veja 11:23–33 .

1:4-6 Um propósito do sofrimento é qualificar os servos de Cristo para entrar com simpatia na experiência dos outros. Paulo não é um pastor distante, distante das pessoas a quem ministra.

1:6 é para o seu conforto e salvação! A participação de Paulo em seus problemas e a oferta de encorajamento promovem seu bem-estar espiritual.

1:8-11 queridos irmãos e irmãs: Literalmente irmãos. Paulo usa esse termo tradicional de afeto para se dirigir a todos os crentes, não apenas aos homens. O problema que passamos na província da Ásia não é fácil de identificar. Uma sugestão é o tumulto em Éfeso (Atos 19:23-41). Outra é que Paulo foi julgado em um tribunal civil e enfrentou a perspectiva de execução em Éfeso (2Co 1:9; veja 1Co 15:32). Menos provável é que ele tenha sofrido uma doença aguda com risco de vida. Paulo não era estranho ao perigo mortal (2 Coríntios 1:10; veja também 2 Coríntios 4:10-12; 6:9; 11:23), mas ele foi maravilhosamente resgatado pela assistência divina (2 Coríntios 1:11).

1:8-10 Referimo-nos ao próprio Paulo aqui e na maioria dos contextos da epístola. Problema: Possivelmente doença grave ou perseguição. Ásia: Não o continente, mas uma província do Império Romano, na parte ocidental da Turquia moderna. Perigo mortal: Um perigo tão grande que, humanamente falando, não havia esperança de sobreviver.

1:12 Veja a seção 3 de Verdade-em-ação no final de 2 Coríntios.

1:12 Sinceridade é o oposto de duplicidade ou desonestidade, com a qual alguns dos críticos de Paulo o acusaram.

1:12-14 Os planos de viagem de Paulo e sua promessa não cumprida de uma visita a Corinto foram criticados; ele foi acusado de ser inconstante como as pessoas do mundo “que dizem ‘sim’ quando na verdade querem dizer ‘não’” (1:17). Antes de responder a essa acusação, ele esclarece seus motivos em seu ministério e em suas cartas.

1:12 santidade: Alguns manuscritos leem honestidade. A diferença são apenas duas letras em grego (hagiotēti, “santidade”; haplotēti, “honestidade”).

1:14 o Senhor Jesus: Alguns manuscritos lêem nosso Senhor Jesus.

1:15-17 Paul defende sua mudança de planos. Primeiro, ele havia planejado visitar a Macedônia, depois Corinto (1 Cor 16:5). Então ele decidiu visitar Corinto antes e depois da viagem à Macedônia (v. 16), com a esperança de abençoar os coríntios duas vezes (v. 15). Aparentemente, sua recente e dolorosa visita a Corinto o levou a retornar a Éfeso em vez de seguir imediatamente para a Macedônia. Agora ele foi para a Macedônia e está a caminho de Corinto novamente. (Veja Introdução a 2 Coríntios: Antecedentes e Data.)

1:15–2:2 Paulo mudou seu plano de viagem. Em 1 Cor 16:5, ele expressou a esperança de visitar Corinto depois de passar por Macedônia, que ficava na região norte da Grécia. Então ele evidentemente prometeu visitar Corinto mais cedo (talvez em sua “carta severa”, 7:8)a caminho do norte. Agora ele teria que voltar ao plano original, e aquela visita anterior, trazendo uma dupla bênção, afinal não aconteceria.

1:17 A aparente indecisão e falha de Paulo em cumprir sua promessa estavam sendo criticadas. O protesto de Paulo é indignado.

1:17, 18 A forma retórica das perguntas de Paulo espera uma resposta de “Não, claro que não”. Ele não estava vacilando e mudando frívolamente seus planos, dizendo Sim e Não. Suas palavras e seu ministério refletiram a fidelidade e consistência de Deus.

1:18-22 Já era ruim o suficiente que os inimigos de Paulo em Corinto tivessem atacado seu caráter como não confiável e astuto (1:17). Foi pior quando eles acusaram que toda a sua mensagem era tão incerta. Nesses versículos, Paulo responde a essa alegação.

1:18-20 Tão certo quanto Deus é fiel: Deus pode ser confiável, assim como suas promessas em Cristo e seu ministério através dos apóstolos.

1:19, 20 Silas (grego Silvanus) foi um conhecido líder cristão da igreja em Antioquia (veja Atos 15:22, 27, 32; 1 Ts 1:1; 2 Ts 1:1; 1 Pe 5:12). Cristo é a Palavra viva positiva e completamente consistente de Deus; da mesma forma, o ministério de Paulo tem sido consistente. Seus planos de viagem podem mudar, mas apenas por causa de seu compromisso constante com a imutável Boa Nova. Cristo é o cumpridor e o cumprimento de todas as promessas de Deus porque Ele é sua soma e substância. Por meio de Jesus, os crentes dizem Amém (“Sim, assim seja”) em resposta a Deus.

1:20 Deus colocou um selo de aprovação, com um retumbante “Sim!” nas profecias do AT como elas são cumpridas em Cristo. Os crentes respondem com “amém”, que significa “confirmado e acordado”.

1:21, 22 Colocando... em nossos corações: Deus nos marcou como pertencentes a Ele. O próprio Espírito Santo garante (grego arrabon, “penhor”, “depósito”) o compromisso de Deus para completar Sua obra em nós (veja 5:5; Ef 1:13, 14; também Rm 8:23), confirmando assim o “Sim “ que está em Jesus (v. 20).

1:21-22 O ministério de Paulo foi habilitado, comissionado (literalmente ungido) e endossado por Deus, que o equipou para seu trabalho. junto com você: Todos os crentes são identificados como seu (literalmente selado) pelo Espírito Santo, que é o dom de Deus para o seu povo (ver Rm 8:1-27; Gl 3:2-7; 5:5-6, 16-26; Ef 1:13- 14). A primeira parcela é um termo comercial para depósito ou entrada, garantindo a posse plena (ver 2 Cor 5:5; Ef 1:14).

1:22 Primeira parcela que garante tudo o que foi prometido, arrabon; Strong's #728: Um termo de negócios que fala de dinheiro sério, uma parte do preço de compra pago antecipadamente como adiantamento. Arrabon é a primeira parcela, o que garante a posse plena quando a totalidade é paga posteriormente. Às vezes, essa transação era chamada de “dinheiro de precaução”, “penhor”, “depósito”, “ garantia”. Arrabon descreve o Espírito Santo como o penhor de nossas futuras alegrias e bem-aventuranças no céu. O Espírito Santo nos dá um antegozo ou garantia das coisas que estão por vir.

1:23–2:2 Deus como minha testemunha: Este juramento suave indica que ele está dizendo a verdade (veja 1 Sam 12:5; 20:12; Jó 16:19; cp. Rute 1:17; 1 Sam 14:44; 2 Sam 3:35; 1 Rs 2:23; Jr 42:5). A verdadeira razão para a mudança de planos de viagem de Paul foi poupá-los de uma repreensão severa (2Co 1:23) e não infligir outra visita dolorosa sobre eles (2Co 2:1).

Bibliografia
Joseph Benson’s Commentary on the Old and New Testaments
O Novo Comentário Bíblico NT, por Earl D. Radmacher, R. B. Allen e H. W. House
New Spirit-Filled Life Study Bible, por Thomas Nelson, Inc.
NLT Study Bible por Tyndale House Publishers, 2007

Índice: 2 Coríntios 1 2 Coríntios 2 2 Coríntios 3 2 Coríntios 4 2 Coríntios 5 2 Coríntios 6 2 Coríntios 7 2 Coríntios 8 2 Coríntios 9 2 Coríntios 10 2 Coríntios 11 2 Coríntios 12 2 Coríntios 13