Significado de Isaías 53

Significado de Isaías 53

Significado de Isaías 53


Isaías 53

53.1 — Quem deu crédito...? Essa pergunta retórica, citada em João 12.38 e Romanos 10.16, espera uma resposta negativa. A palavra pregação está relacionada com o verbo ouviram em 52.15. O pronome nossa refere-se ao remanescente fiel, e o substantivo braço, à grande obra de Deus (Is 40.10; 52.10; SI 118.22, 23).

53.2 — Renovo é o broto que surge do caule ou da raiz de uma planta. A raiz de uma terra seca sugere a rejeição de Cristo por parte de Israel (Is 49.4; 50.6). Não tinha parecer nem formosura indica que o Servo não tinha aparência que o fizesse destacar-se.

53.3 — Era desprezado e o mais indigno. Para referências relacionadas à rejeição do Servo, veja Isaías 42.2; 49.7; 50.6 (compare com Mc 9.12). Homem de dores não significa que o Enviado fosse destituído de bom humor, mas que sabia melhor que qualquer pessoa as complicações que o pecado traz à vida humana. Pelo fato de ser homem de dores, ele é capaz de consolar os que experimentam o sofrimento.

53.4 — Ele tomou sobre si. O Salvador veio para sofrer e morrer pelos pecados de outros (53.6,11,12; Mt 8.17; Hb 9.28; 1 Pe 2.24). Enfermidades (ou sofrimento) e dores (ou doenças) dizem respeito às consequências do pecado. O povo considerava que Cristo era ferido de Deus, porque a lei afirmava: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro (Dt 21.22,23; Cl 3.13).

53.5 — A repetição dos pronomes ele e suas com nós e nos reforça o fato de que o Servo sofreu em nosso lugar.

O castigo [...] suas pisaduras. Para uma referência semelhante, veja 1 Pedro 2.24. A palavra paz resume o ministério de reconciliação, justificação, adoção e glorificação do Servo (2 Co 5.17-21). Ao afirmar que foram sarados (v. 4), o remanescente expressará sua fé no que Deus anuncia em Isaías 52.13.

53.6 — Todos nós andamos desgarrados como ovelhas. Para uma perspectiva do Novo Testamento, veja 1 Pedro 2.25.

53.7 — Não abriu a boca fala da disposição do Servo em morrer pelos pecadores; também marca sua dignidade e autoridade (Mt 26.67, 68; 27.12- 14; 1 Pe 2.23).

Como um cordeiro, foi levado ao matadouro. Para uma descrição semelhante, veja João 1.29,36; 1 Coríntios 5.7; Apocalipse 5.6,12; 13.8.

53.8 — Foi cortado da terra dos viventes. Essa expressão indica claramente que o Servo irá morrer.

53.9 — Com frequência na poesia hebraica, o rico aparece como sinônimo de ímpio. José de Arimateia era um homem rico, mas não era ímpio (Mt 27.57-60).

Na sua morte. O termo hebraico traduzido por morte está no plural, como que para enfatizar o profundo significado da morte de Cristo.

53.10 — Ao Senhor agradou. O Antigo Testamento aponta para a doutrina da expiação muito antes de Jesus ter morrido por nossos pecados (leia 1 Co 15.3, onde Paulo fala sobre essa doutrina ser segundo as Escrituras). A expiação era parte do plano eterno de Deus (Ef 1.4-7).

Ao pai agradou que o Filho morresse, porque esse ato encobrirá os pecados de muitos e os reconciliará com Deus (v. 11). A expiação e representada na oferta de expiação, o sacrifício de um cordeiro para garantir o perdão divino (Lv 5.6,7,15; 7.1; 14.12; 19.21). Aqui o profeta Isaías descreve o Servo Jesus como uma oferta de expiação. A posteridade é a descendência espiritual, que surgirá a partir do Servo, após sua morte (G1 3.26-29).

53.11 — Conhecimento significa ter ciência da missão de alguém (Is 52.13). Justificar é eximir da culpa e declarar justo (Is 5.23).