2015/09/04

Significado de Jeremias 46

Significado de Jeremias 46 

Significado de Jeremias 46



Jeremias 46

46.1,2 — Esse versículo introduz uma coletânea de oráculos contra as nações. O texto faz uma viagem do oeste (o Egito) para o leste (Elão e Babilônia). Espalhadas entre os oráculos estão mensagens sucintas a respeito da restauração de Israel e de Judá. As evidências internas indicam uma data anterior à queda de Jerusalém para a maioria desse material. Em Jeremias 46.2, o primeiro oráculo pode ser datado com precisão em 605 a.C. Em outros, o conteúdo reflete eventos que vão desde as campanhas de Nabucodonosor ao sul (604 a.C.) até as campanhas realizadas em 586 a.C., ou mesmo em 582 a.C. A principal mensagem desses oráculos é a soberania de Deus sobre as nações da terra. O Senhor governa sobre elas, e estas são responsáveis por seus pecados contra a Lei e a ordem divina no cosmos. As nações que não seguem os padrões éticos e morais de justiça e retidão serão julgadas rigorosamente. Aquelas que demonstram retidão na liderança e no governo receberão a graça e a benevolência de Deus.

46.3,4 — Escudo e pavês são dois tipos de armas de proteção pessoal (1 Rs 10.16, 17).

46.5,6 — O forte exército egípcio foi sobrepujado repentinamente pelos poderosos babilônios. Terror [...] ao redor. Essa expressão também foi o nome dado a Pasur por Jeremias em Jr 20.3, 4, e para os perseguidores de Jeremias (Jr 20.10).

46.7-9 — O Egito ficou enfraquecido por 300 anos (1 Rs 14-25), mas ainda era conhecido por produzir e exportar carruagens. Os etíopes, os de Pute e os lídios aparentemente eram mercenários contratados pelo faraó Neco.

46.10-12 — O dia do Senhor é descrito aqui como um dia de vingança no qual o Egito seria punido pela morte de Josias. A ilustração de uma espada devoradora também está presente em Jeremias 2.30. A morte do Egito é descrita como um banquete de sacrifícios. Como não havia bálsamo curador para os pecados de Judá, agora o Egito sofreria uma ferida mortal, cambaleando para a morte.

46.13 — Esse versículo é uma introdução em prosa para uma descrição poética do ataque de Nabucodonosor contra o Egito. Após a batalha em Carquêmis, a marcha dos babilónios por meio da Palestina foi retomada em 604 a.C. Eles atacaram Asquelom e então perseguiram os egípcios.

46.14-17 — Por que foram derribados os teus valentes? A queda dos deuses perante o Senhor é um tema constante dos oráculos contra as nações (Jr 46.25).

O Senhor os abateu. A Babilônia é descrita como um instrumento do julgamento de Deus.

46.18,19 — Rei... Senhor dos Exércitos: Deus é o verdadeiro Rei soberano sobre todos os exércitos do céu e da terra.

Tabor [...] Carmelo. As montanhas representam a segurança do reinado de Deus. Como Judá, o Egito teria de enfrentar o castigo do Senhor. 

46.20-24 — O inimigo egípcio invadiu do Norte, a mesma direção pela qual o adversário de Judá atacou o reino.

Bezerros cevados. Os mercenários egípcios muito bem pagos não eram páreo para Deus e os babilônios, que vinham como lenhadores derrubando a floresta e matando as serpentes em fuga, os egípcios. A morte do Egito é um paralelo com a morte de Israel; a filha virgem havia sido violada e agora permanecia envergonhada (Jr 2.26), prestes a ser levada cativa para a Babilônia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário