2015/09/03

Significado de Jó 22

Significado de Jó 22
Significado de Jó 22

Jó 22

22.2 — O que ficou implícito na pergunta retórica de Elifaz — Porventura, o homem será de algum proveito a Deus?— é um princípio teológico validado pelo próprio Senhor em Jó 41.11. Porém, a aplicação desse princípio às circunstâncias de Jó (v. 3-5) era inválida, pois se baseava na pressuposição errônea de que os virtuosos são sempre abençoados e os ímpios, a qualquer momento, sofrerão o julgamento de Deus na terra. [Afinal, isto pode ocorrer apenas na eternidade.]

22.3,4 — As mesmas raízes hebraicas das palavras justo e temor já foram usadas por Elifaz em suas observações corteses sobre a reverência e a integridade de Jó (Jó 4-6). Nestes versículos, Elifaz está sendo sarcástico.

22.5-9 — Quando Elifaz emprega palavras como nus, cansado, faminto, viúvas e órfãos, lista algumas acusações forjadas contra a maneira como Jó teria obtido sua grande riqueza: exploração gananciosa dos pobres nos negócios, ausência de hospitalidade e caridade e falta de compaixão pelos que estavam de luto. Jó negou categoricamente cada uma dessas acusações (Jó 29.11-17; 31.13-22), e o próprio testemunho de Deus a Satanás prova ao leitor que tais acusações eram falsas (Jó 1.8).

22.10-14 — Em porventura, julgará (v. 13), Elifaz interpreta erroneamente a posição de Jó. Embora o acuse de não entender a Deus, é Elifaz quem comete o maior equívoco de todos.

22.15-17 — Elifaz distorce as palavras do amigo, registradas em Jó 21.14-16, para dar fundamento à sua própria teoria de que Jó se comportava como os homens iníquos. Em virtude disso, sua prosperidade teria sido apenas temporária.

22.18 — A frase pelo que, longe de mim, o conselho dos ímpios (citando Jó em 21.16) pode ser um exemplo de uma indireta, para zombar de Jó pelo que este dizia e expressar o que o próprio Elifaz sentia.

22.19,20 — Ao afirmar que o inocente escarneceu [dos ímpios] [hb. laag, zombar], o amigo de Jó caçoa de sua sugestão anterior, zombai (o mesmo verbo em hebraico). Os justos se alegrarão quando os perversos (incluindo Jó) forem julgados.

22.21 — O verbo em hebraico traduzido como une-te vem de uma raiz também encontrada na palavra proveito, no versículo 2, do capítulo 2. Talvez isso seja um trocadilho. E como se Jó dissesse: “mesmo que tu não sejas de algum proveito para Deus por tuas ações, ainda podes unir-te a Ele”.

22.22,23 — Elifaz mais uma vez convoca Jó ao arrependimento (Jó 5.8-17), pedindo-lhe que se converta ao Todo-poderoso. Depois, sugere a Jó: Afaste a iniquidade da tua tenda, reiterando as palavras de Zofar (Jó 11.14).

22.24-29 — Elifaz insinua que Jó confiava em sua riqueza, em vez de confiar em Deus, o que Jó nega em Jó 31.24,25. Depois Elifaz encoraja Jó a confiar no Deus todo-poderoso assim como ele confiaria no ouro.

22.30 — A profecia de Elifaz de que Deus livrará até ao que não é inocente pela pureza das mãos de Jó seria ironicamente cumprida com a oração do próprio Jó por seus três amigos (Jó 42.8-10).

Índice: Jó 1 Jó 2 Jó 3 Jó 4 Jó 5 Jó 6 Jó 7 Jó 8 Jó 9 Jó 10 Jó 11 Jó 12 Jó 13 Jó 14 Jó 15 Jó 16 Jó 17 Jó 18 Jó 19 Jó 20 Jó 21 Jó 22 Jó 23 Jó 24 Jó 23 Jó 24 Jó 25 Jó 26 Jó 27 Jó 28 Jó 29 Jó 30 Jó 31 Jó 32 Jó 33 Jó 34 Jó 35 Jó 36 Jó 37 Jó 38 Jó 39 Jó 40 Jó 41 Jó 42

Nenhum comentário:

Postar um comentário