Significado de Mateus 10

Significado de Mateus 10

Significado de Mateus 10

Mateus 10

10.1,2 — Os doze são chamados discípulos em Mateus 10.1, mas no versículo 2 são chamados de apóstolos. A palavra apóstolo significa autoridade constituída (1 Ts 2.6). O termo discípulos enfatiza o aprendizado e a obediência. Por terem recebido poder, os discípulos passaram a ser chamados de apóstolos.

10.2-4 — Os discípulos foram enviados em duplas (Mc 6.7).

10.5,6 — Essa ordenança é totalmente contrária à em Mateus 28.19. Ela foi dada por Jesus nesse contexto para que a chegada do Reino só fosse anunciada aos judeus. Todavia, estava condicionada à resposta de Israel ao Messias (compare com Atos 3.19,20). Embora Jesus tenha mostrado claramente entre os capítulos 10 e 28 de Mateus que é o Messias, os líderes judeus e, por conseguinte, toda a nação, rejeitaram-no. Depois disso, o evangelho passou a ser pregado a todas as nações. Mas, quando Israel se arrepender, o Reino virá para eles (Zc 12.10).

10.7-42 — As instruções dadas aos doze foram especificamente para a missão de anunciar que o Reino estava próximo. Se todas as ordens dadas por Jesus aqui fossem seguidas à risca hoje em dia, a Igreja não conseguiria fazer missões mundiais (compare com Mt 10.5).

10.7,8 — A mensagem aqui é a mesma proclamada por João (Mt 3.2) e pelo Senhor Jesus (Mt 4-17). O Rei foi apresentado, mas o Reino não; este estava perto e Sua vinda, preparada.

10.9,10 — A missão dos discípulos era de curto prazo. Basicamente, eles tinham de fazer uma pesquisa na nação para avaliar a resposta do povo ao Messias. Os doze não levariam muito tempo para cobrir uma área de 120 a 200 Km. Foi por essa razão que não precisaram de muitas provisões.

10.11 — Como o testemunho dos apóstolos era muito importante, eles tinham de procurar lares de boa reputação. Mais tarde, não precisariam tentar constantemente encontrar uma residência mais adequada para pregar o evangelho.

10.12-14 — Saudar uma família era o mesmo que pronunciar uma bênção sobre ela: “Que a paz esteja convosco!”. Ao entrar nos lares, esses mensageiros deveriam receber o melhor tratamento por parte de seus anfitriões; contudo, se uma casa não fosse digna (e seus moradores rejeitassem a mensagem), os apóstolos deveriam poupar as palavras de bênção.

10.15 — Esse versículo, bem como o texto em Mateus 11.22,24, indica que haverá níveis de julgamento e tormento para os perdidos.

10.16 — As cobras normalmente são consideradas sagazes, talvez por serem silenciosas e perigosas, ou por causa da forma pela qual se movem (Gn 3.1). Ao meio de lobos significa que os apóstolos seriam expostos ao ódio e à violência dos homens. Símplices significa literalmente sem mistura, o que pode indicar pureza e inocência.

10.17 — Acautelai-vos, porém, dos homens ajuda a explicar o sentido de lobos em Mateus 10.16. A maior ênfase aqui é dada à perseguição, e isso parece referir-se ao período da tribulação profetizado no Antigo Testamento (Dn 9.26, 27; Jr 30.4-6). Foi profetizado que o Messias morreria e ressuscitaria (Dn9.26; SI 16.10; 22; Is 53.1-11), e justamente após Sua morte e ressurreição é que viria o tempo da tribulação (Dn 9.26,27; Jr 30.7). Então, o Messias voltaria, acabaria com a tribulação e julgaria o mundo (Dn 7.9-13,16-27; 9.27; 12.1; Zc 14.1-5) Assim, Cristo instituiria Seu Reino na terra (D n 7 .11-27; 12.1,2; Is 53.11,12; Zc 14.6-11,20,21). Parece que é a esses acontecimentos que o Senhor Jesus está se referindo em Seu discurso. Mas, a essa altura, a era da Igreja e o fato de que Israel seria deixado de lado por algum tempo ainda não tinham sido revelados (Mt 16; Ef3).

E vos açoitarão. Essa referência aos açoites na sinagoga mostra que: (1) haveria oposição à mensagem dos apóstolos, e (2) que essa resistência viria primeiramente por parte dos líderes judeus. Mesmo durante a tribulação Israel continuará não crendo, até o final desse período de sete anos (compare com Zacarias 12.10 e todo o contexto).

10.18-22 — Deus usaria a rejeição dos judeus e sua perseguição para levar a mensagem do evangelho aos gentios. E foi exatamente isso que aconteceu com Paulo em Atos 21.26-36; 24.1 -21; 25.13—26.32.

10.23 — Esse versículo tem causado muita discussão. Alguns até chegam a dizer que o S e nhor cometeu um erro aqui! Todavia, a explicação mais plausível é que, como diz o comentário de Mateus 10.17, a era da Igreja e a grande tribulação (Dn 9.27; Mt 24.15-31), que não tinham sido revelados até essa altura, aparentemente o seriam num futuro muito próximo. A maneira como Cristo apresenta os eventos que estavam por vir, que durariam muito mais tempo, está de acordo com o que disseram os profetas do Antigo Testamento. E como olhar para uma cadeia de montanhas e não ver o imenso vale que há no meio delas (compare Isaías 61.1,2 com Lucas 4-16-21). A era da Igreja é como um vale entre a primeira e a segunda vinda de Cristo. Esse era um mistério que Deus ocultou e não revelou no Antigo Testamento (Ef 3.1-12).

10.24-26 — Não os temais. Ou seja, não se deixem intimidar pelos seus opositores.

10.27,28 — Temei [...] aquele não se refere a Satanás, mas a Deus. Perecer não significa aniquilação, mas a ruína. O mesmo verbo no original é usado em Mateus 9.17 para se referir ao odre que se estragou.

10.29-31 — Esses versículos mostram que o Deus infinito se preocupa com os mínimos detalhes e cuida de cada um deles.

10.32-33 — Tudo o que fizermos em nossa vida será julgado perante o tribunal de Cristo (2 Co 5.10). Se o crente se recusar a falar de Cristo por causa de intimidação ou perseguição, acabará perdendo seu galardão e, consequentemente, perderá também a glória do Reino (Rm 8.17; 2 Tm 2.12).

10.34-36 — Para decepção de muitos cristãos, ao longo dos séculos, quase sempre foram os mais próximos a eles que rejeitaram sua mensagem e chegaram ao ponto de traí-los. O Senhor também provou do mesmo sentimento quando foi traído por Judas e Pedro o negou.

10.37 — Não é digno de mim. Aqueles que sofrem por Cristo é que serão glorificados no seu Reino (Rm 8.17; 2 Tm 2.12). Quem recusar esse tipo de discipulado terá grandes perdas (1 Co 3.15; 2 Co 5.10; Ap 3.11,12).

10.38 — Tomar a cruz significa assumir um compromisso até o ponto de morrer por causa dele. Esse versículo não está dizendo que os únicos salvos serão aqueles que o sempre foram totalmente comprometidos. Se isso fosse verdade, quem seria justificado? Na verdade, quando alguém que é salvo comete erros, como fez Pedro e faz o cristão carnal (1 Co 3.1-4), tal pessoa, com certeza, não é digna de Cristo, e esses atos fazem com que ela perca seu galardão. E claro que o mesmo vale para aquele que está perdido, cujas obras, por mais maravilhosas que sejam, no fim serão consideradas inúteis, pois foram feitas sem conhecimento e dependência de Cristo (Rm 3.12).

10.39 — Achar a sua vida significa viver não para ter bens materiais e desfrutar dos prazeres deste mundo, mas para investir hoje no Reino futuro de Cristo (Mt 6.19-21). É possível ter tudo isso aqui e lá também. Já que somos mordomos da nossa vida e de tudo o que diz respeito a ela, podemos avaliar como investir bem no Reino (Lc 19.11-26). Não somos capazes de levar nada conosco, mas podemos usar de sabedoria e fazer sábios investimentos para o futuro.

10.40-42 — Um destes pequenos é uma figura de linguagem para descrever os discípulos, identificados também pela descrição do profeta e do justo no versículo 41.

Galardão é a última palavra do capítulo e resume toda a motivação de Cristo passada aos discípulos. Ele não queria que eles perdessem o Reino por causa de uma atitude errada no presente. Além disso, Jesus esperava que eles entendessem que nada deveria fazê-los perder sua recompensa no tribunal de Cristo (2 Co 5.10), nem mesmo um copo de água fria.

Índice: Mateus 1 Mateus 2 Mateus 3 Mateus 4 Mateus 5 Mateus 6 Mateus 7 Mateus 8 Mateus 9 Mateus 10 Mateus 11 Mateus 12 Mateus 13 Mateus 14 Mateus 15 Mateus 16 Mateus 17 Mateus 18 Mateus 19 Mateus 20 Mateus 21 Mateus 22 Mateus 23 Mateus 24 Mateus 25 Mateus 26 Mateus 27 Mateus 28