Significado de Mateus 17

Significado de Mateus 17

Significado de Mateus 17


Mateus 17

17.1 — O alto monte era provavelmente alguma elevação do monte Hermom, que mede aproximadamente 2.865 m de altura.

17.2-4 — Moisés e Elias. A presença de tais personagens indica que as Escrituras do Antigo Testamento apontavam para o Messias e Seu Reino.

17.5-8 — Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. São as mesmas palavras ditas em Mateus 3.17 (SI 2.7; Is 42.1). Escutai-o. Parece referir-se a Deuteronômio 18.15.

17.9 — A ninguém conteis a visão. A ordem para que ficassem em silêncio era porque Israel tinha um conceito errado sobre o Messias (Mt 8.4; 12.16). Os judeus esperavam um rei conquistador, não um Servo sofredor.

17.10 — Os três discípulos naturalmente não entenderam a referência à morte de Cristo em Mateus 17.9. O problema é que só estavam interessados na transfiguração em si. Eles tinham acabado de ver Elias no monte. Se os escribas estivessem corretos e Elias viesse mesmo antes da chegada do Reino, por que não deveriam dizer para todo mundo que ele aparecera no monte?

17.11 — O Senhor disse aos discípulos que os escribas estavam certos em sua interpretação de Malaquias 3.1; 4-5,6. Mas Cristo usou a frase restaurará todas as coisas para demonstrar que essa profecia só seria cumprida no futuro.

17.12,13 — Jesus revela que a profecia sobre Elias se cumpriu em João Batista. No entanto, já que a restauração não seria completa, alguns concluíram que uma das duas testemunhas de Apocalipse 11.3-6 cumpriria a função de Elias.

17.14-18 — Nesse caso, a epilepsia era causada por um demónio (v. 18).

17.19-21 — Os discípulos não puderam expulsar o demónio porque lhes faltou fé. O poder estava neles, porém eles não tomaram posse dele.

17.22,23 — Jesus e Seus discípulos começaram o que seria a última viagem dele a Jerusalém. Mais uma vez, Jesus anuncia Sua morte e ressurreição (Mt 16.21; 20.18,19). E, mais uma vez, os discípulos não entendem que Ele ressuscitaria; parece que ouviram apenas o que Jesus disse sobre Sua morte, pois se entristeceram muito.

17.24 — As didracmas, ou o imposto do templo [nvi] , eram dadas por todo homem judeu acima de vinte anos de idade para sua manutenção. Esse imposto se encontra em Êxodo 30.13 e era o equivalente a dois dias de trabalho de um trabalhador comum. Está bem claro aqui que Jesus ainda não tinha pagado esse imposto, e por isso os coletores de impostos vieram cobrá-lo.

17.25 — Pedro, querendo zelar pelo seu bom nome e pelo de Seu Senhor, disse ao coletor de impostos (Mt 17.24) que Jesus já tinha pagado o imposto. Jesus se lhe antecipou indica que Pedro estava prestes a falar, certamente sobre a questão de Cristo pagar o imposto do templo, mas Jesus falou primeiro. Seus filhos pode estar referindo-se aos cidadãos da nação em contraste com os povos conquistados ou alheios. Todavia, os cidadãos sempre pagam suas taxas e seus impostos. O mais provável é que esse contraste seja entre a família imperial e o povo.

17.26 — Jesus demonstrou que, como Filho de Deus, não tinha obrigação nenhuma de pagar o imposto do templo. Na verdade, o templo pertencia a Ele (Ml 3.1). E o fato de Ele usar a palavra filhos no plural significa que Pedro e os outros discípulos também estavam livres dessa obrigação.

17.27 — A moeda usada para pagar o imposto não estava mais em circulação, por isso era comum o imposto ser pago por dois homens com um estáter, que valia quatro dracmas.

Índice: Mateus 1 Mateus 2 Mateus 3 Mateus 4 Mateus 5 Mateus 6 Mateus 7 Mateus 8 Mateus 9 Mateus 10 Mateus 11 Mateus 12 Mateus 13 Mateus 14 Mateus 15 Mateus 16 Mateus 17 Mateus 18 Mateus 19 Mateus 20 Mateus 21 Mateus 22 Mateus 23 Mateus 24 Mateus 25 Mateus 26 Mateus 27 Mateus 28