Significado de Mateus 4

Significado de Mateus 4

Significado de Mateus 4


Mateus 4

4.1,2 — Não foi Satanás quem levou Cristo ao deserto para ser tentado, mas o Espírito Santo. No início de Seu ministério, Cristo teve Sua santidade colocada à prova diante das astutas tentações do diabo. Isso aconteceu logo depois de Jesus ter sido batizado (compare com Marcos 1.12). Depois das vitórias espirituais vêm sempre grandes provações (veja o caso de Elias em 1 Rs 19). Depois do seu batismo público, Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto, que se refere a um monte do deserto da Judeia. O local histórico da tentação, cujo alvo direto era a natureza humana de Jesus, indica que essa não foi apenas uma vitória mental sobre Seus pensamentos, mas uma experiência que Ele viveu de fato e da qual saiu vencedor.

O fato de Jesus ter sido conduzido pelo Espírito deixa bem clara a relação entre Jesus e o Espírito. Em sua obra terrena, Jesus dependia do Espírito Santo para capacitá-lo.

4.4 — Está escrito. A resposta de Jesus às três tentações foi tirada da Palavra de Deus, mostrando aos Seus servos o poder das Escrituras na batalha contra o Maligno (Dt 6.13; 8.3; SI 91.11,12). Não havia nada moralmente errado em transformar pedras em pão; o que o diabo estava tentando Jesus a fazer era realizar um milagre fora do plano do Pai. Isso explica por que Jesus usou Deuteronômio 8.3.

A vida não depende só de pão; afinal de contas, Deus é Aquele que provê tudo em nossa vida. Portanto, nosso dever é confiar em Deus e permanecer na Sua vontade. Por mais inocente que uma atitude possa parecer, a questão fundamental se refere à fé (Rm 14.23) e à vontade de Deus.

4.5,6 — Lança-te daqui abaixo. Ao lembrar a Jesus a promessa da proteção de Deus no Salmo 91.11,12, o diabo omite as palavras para te guardarem em todos os teus caminhos. Ele tentou Jesus a atrair a atenção das pessoas fazendo algo espetacular, e não por Sua mensagem ou Sua vida de retidão. Esse é um perigo que todos nós temos de evitar, principalmente aqueles que estão sempre em lugar de destaque.

4.7 — Deuteronômio 6.16 destaca que ninguém deve tentar Deus. O Senhor disse ao povo israelita para prová-lo somente em uma área: nos dízimos. Se eles dessem os dízimos, poderiam prová-lo para ver se Ele cumpriria Sua promessa e abençoaria a todos (Ml 3.10).

4.8-10 — Cristo repreendeu o diabo quando este o tentou a adorá-lo, algo que o levaria a pecar justamente naquilo que Deus disse aos israelitas para não fazer (Dt 6.13,15). No caso específico de Jesus, Satanás estava oferecendo-lhe uma coroa sem a cruz. Essa experiência de Jesus nos mostra um padrão de batalha espiritual para hoje: Jesus resistiu a Satanás (Ef 6.11,13,14; Tiago 4.7; 1 Pe 5.9). Desse modo, Ele venceu Satanás usando a eficaz e poderosa Palavra de Deus (Ef 6.17).

4.11 — Eis que chegaram os anjos e o serviram. Logo após ter rejeitado a oferta de Satanás, os anjos vieram até Jesus e o serviram.

4.12-16 — A passagem citada aqui, Isaías 9.1,2, é uma profecia do reinado do Messias em um Reino futuro. O ministério de Jesus na Galileia foi um sinal do que estava por vir. A Galiléia era uma região populosa e fértil que tinha duas grandes rotas de comércio. O caminho do mar era uma delas.

4.17 — A frase desde então, começou Jesus é dita duas vezes em Mateus (aqui e em Mt 16.21), e ambas marcam uma direção fundamental no Evangelho. Essa menção em Mateus 4.17 aponta para o começo do ministério terreno de Jesus enquanto a de Mateus 16.21 fala de Sua crucificação e ressurreição. A exortação de Jesus, expressa no imperativo arrependei-vos, é igual à de João Batista (Mt 3.2).

4.18-22 — Eu vos farei pescadores de homens. Jesus aqui faz referência a Jeremias 16.16 para chamar Pedro e André ao discipulado e a viver para o ministério. Mas este não foi o primeiro encontro que o Senhor teve com Pedro e André (veja o primeiro contato entre eles em João 1.35-42). Podemos tirar muitas lições desse encontro: (1) Deus se alegra em usar pessoas simples; (2) tudo o que aprendemos na nossa vida e na nossa profissão tem valor quando servimos a Cristo. Os pecadores puderam usar sua experiência para pescar vidas para o Senhor; e (3) uma prova da verdadeira obediência é aceitar o chamado na mesma hora (compare com Mateus 4-20,22).

4.23-25 — Ensinando[...] pregando[...] curando. Esse é o resumo do ministério terreno de Jesus. Seu ensinamento é caracterizado pelo discurso; Sua pregação é caracterizada pelo que Ele anunciou em Mateus 4.17; Sua cura é caracterizada pelos muitos milagres.

Índice: Mateus 1 Mateus 2 Mateus 3 Mateus 4 Mateus 5 Mateus 6 Mateus 7 Mateus 8 Mateus 9 Mateus 10 Mateus 11 Mateus 12 Mateus 13 Mateus 14 Mateus 15 Mateus 16 Mateus 17 Mateus 18 Mateus 19 Mateus 20 Mateus 21 Mateus 22 Mateus 23 Mateus 24 Mateus 25 Mateus 26 Mateus 27 Mateus 28