2016/10/18

Êxodo 32 — Comentário de Matthew Henry

Êxodo 32 — Comentário de Matthew Henry

Êxodo 32 — Comentário de Matthew Henry





Êxodo 32

Versículos 1-6. O povo faz corri que Arão fabrique uni bezerro de ouro; 7-14: O desagrado de Deus; a intercessão de Moisés; 15-20: Moisés quebra as tábuas da lei; destrói o bezerro de ouro; 21-2: A desculpa de Arão; a morte dos idólatras; 30-35: Moisés ora a favor do povo.

Vv. 1-6. Enquanto Moisés estava no monte, a fim de receber a lei de Deus, o povo dirigiu-se a Arão. A multidão atordoada cansara-se de esperar o regresso de Moisés. O cansaço da espera dá lugar a muitas tentações. Devemos esperar pelo Senhor até que Ele chegue, e devemos continuar aguardando-o mesmo que demore.

Que a prontidão que eles tiveram, a fim de entregar as suas jóias de ouro para a fabricação de um ídolo, envergonhe a nossa mesquinhez em relação ao serviço ao Deus verdadeiro. Não se detiveram para considerar qual seria o custo de sua idolatria. E nós nos queixamos por nossos gastos para com a nossa religião? Arão fez a imagem de um boi ou de um bezerro, deu-lhe um certo acabamento com um buril e eles ofereceram sacrifícios a este ídolo. Por terem colocado uma imagem diante de si, e deste modo mudarem a verdade de Deus em mentira, os seus sacrifícios tornaram-se uma abominação. Poucos dias antes, naquele mesmo lugar, tinham ouvido a voz de Jeová dizer-lhes em meio ao fogo:

"Não farás para ti imagem ...". Não tinham eles mesmos estabelecido solenemente um pacto com Deus, no sentido de fazerem tudo o que Ele lhes havia dito, e que obedeceriam? (Êx 24.7) Contudo, antes de saírem do lugar de onde haviam estabelecido o pacto, infringiram um mandamento expresso, e desafiaram uma ameaça expressa. Isto mostra claramente que a lei não era capaz de santificar, como também não era capaz de justificar; através dela, conhece-se o pecado; porém, não a cura do pecado.

Arão foi separado, por ter sido nomeado por Deus para o ofício do sacerdócio; porém, ele, que certa vez se envergonhou extremamente por ter levantado um altar para um bezerro de ouro, deve agora reconhecer-se indigno da honra de servir no altar de Deus, sentir-se, por esta razão, em dívida para com a graça de Deus. Desta maneira o orgulho e a jactância foram silenciados.

Vv. 7-14. Deus disse a Moisés que os israelitas haviam se corrompido. O pecado é a corrupção do pecador, e é uma corrupção do próprio ser; cada um é tentado [ quando é atraído e seduzido por sua própria concupiscência. Eles haviam se desviado. O pecado consiste em sair do caminho do dever e tomar um atalho. Esqueceram-se rapidamente das obras de Deus. O Senhor vê aquilo que os homens não podem descobrir, e nenhum ato maldoso do mundo lhe está oculto. Nós não suportaríamos contemplar sequer a milésima parte da maldade que Deus vê diariamente. Ele expressa a grandeza de seu justo desagrado ao estilo dos homens, que não teriam permitido que alguém intercedesse a favor daqueles contra quem resolvessem ser severos. Nada além da oração de Moisés poderia salvá-los da ruína; deste modo, foi um tipo de Jesus, pois somente pela mediação de Cristo, Deus reconciliaria o mundo consigo mesmo.

Moisés coloca a glória de Deus como penhor. A glorificação do nome do Senhor, que deve ser a nossa primeira petição em nossas orações, como nos é ensinado na oração do Pai Nosso, deveria ser o nosso principal pedido. As promessas de Deus devem ser o nosso principal pedido em oração, porque aquele que prometeu é poderoso para cumprir. Observe o poder da oração. como resposta às orações de Moisés, Deus mostrou o seu propósito de perdoar o povo, da mesma maneira que anteriormente "parecia" estar decidido a destruí-lo. A mudança na expressão exterior de seu propósito é chamado de "arrepender-se do mal".

Vv. 15-20. Que mudança! Descer do monte da comunhão com Deus para conversar com um mundo mau. Nada vemos em Deus que não seja puro e prazenteiro; no mundo, não vemos algo que não seja pecador e provocante. Para que o povo visse que um ídolo tem poder, Moisés transformou o bezerro em pó. O ato de misturar este pó com a água, a qual beberam, representa a realidade de que o coração do apóstata deve ser cheio com os seus próprios caminhos.

Vv. 21-29. Nunca existiu um homem sábio que desse uma resposta tão frívola e néscia, como foi a de Arão. Não devemos ser levados a pecar por algo que o homem possa dizer-nos ou fazer-nos; os homens somente podem nos tentar para que pequemos; porém, não podem nos obrigar a pecar. A maneira como Moisés enfrentou o problema transformou a dança em tremor, deixando a vergonha do pecado exposta à luz. Para tirar a reprovação, Moisés não ocultou o pecado nem lhe atribuiu uma cor falsa, mas o castigou. Os levitas tiveram que matar os líderes desta maldade; porém, somente foram mortos aqueles que, ao invés de arrependerem-se, resistiram abertamente. Aqueles que persistem em pecar estão destinados à ruína. Aqueles que de manhã gritavam e dançavam, morreram antes do anoitecer. Às vezes, os juízos do Senhor produzem mudanças súbitas na vida dos pecadores que se sentem alegres e seguros em seu pecar.

Vv. 30-35. Moisés classificou-o como um grande pecado. A obra dos ministros deve mostrar às pessoas a enormidade dos pecados delas. O grande mal do pecado é evidenciado pelo preço do perdão. Moisés roga a Deus que tenha misericórdia; ele não procurou dar desculpas, mas expiar o pecado. Não temos que supor que Moisés quis dizer que estivesse sempre disposto a morrer nos altares do povo. Temos que amar o nosso próximo "como" a nós mesmos, mas não "mais" do que a nós mesmos. Porém, como o sentimento que havia em Cristo, Moisés se dispôs a dar a vida da maneira mais dolorosa, se desta maneira pudesse preservar o povo. Moisés não podia apaziguar completamente a ira de Deus; isto mostra que a lei de Moisés não era capaz de reconciliar os homens com Deus, nem aperfeiçoar a nossa paz com o Senhor. É somente em Cristo que Deus perdoa os pecados, para jamais se recordar deles.

Esta história nos mostra que nenhum coração carnal, que não tenha se humilhado, pode suportar por muito tempo os preceitos santos, as verdades patentes, e a adoração espiritual a Deus. Porém, um deus, um sacerdote, um culto, uma doutrina e um sacrifício, de conformidade com a mente carnal, sempre encontrará abundância de adoradores. O próprio Evangelho pode ser pervertido a tal ponto, que se adapte ao gosto mundano. É bom saber que o Filho de Deus, que foi tipificado por Moisés, e que é incomparavelmente mais poderoso do que ele, fez a expiação por nossa alma e agora intercede por nós. Regozijemo-nos em sua graça.

Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário