2016/10/18

Êxodo 35 — Comentário de Matthew Henry

Êxodo 35 — Comentário de Matthew Henry

Êxodo 35 — Comentário de Matthew Henry



Êxodo 35

Versículos 1-3: A observância do dia de repouso; 4-19: Os donativos voluntários para o tabernáculo; 20-29: A disposição do povo em geral; 30-35: Bezalel e Aoliabe são chamados à obra.

Vv. 1-3. O jugo leve e fácil de Cristo faz com que os nossos deveres sejam mais agradáveis, e, como as restrições do dia de repouso judaico não se aplicam a nós, o nosso dia de descanso é também mais agradável. Porém, não devemos esquecer de repousar. certamente a sabedoria de Deus por nos conceder um dia semanal de descanso não pode ser desprezada.

Vv. 4-19. O tabernáculo foi dedicado à honra de Deus, e seria utilizado para o seu serviço; portanto, tudo o que fosse trazido para a sua construção seria uma oferta para o Senhor. A regra é: todo aquele que for generoso de coração a trará.

Todos aqueles que têm destreza deverão trabalhar. Deus dispensa os seus dons, e cada homem, conforme tenha recebido, assim deve administrar (1 Pe 4.10). Aqueles que eram ricos deveriam trazer materiais para serem trabalhados; os que eram hábeis, deveriam servir ao tabernáculo coma sua habilidade. Assim como precisavam uns dos outros, também o tabernáculo precisava de todos (1 Co 7.7-21).

Vv. 20-29. Sem uma mente voluntária, as ofertas caras não seriam aceitáveis; com ela, até mesmo a menor oferta se torna aceitável. O nosso coração está disposto quando cooperamos para a promoção da causa de Deus com alegria. Aqueles que são diligentes e estão contentes com empregos considerados baixos, são tão aceitáveis por Deus quanto aqueles que estão desempenhando serviços esplêndidos. As mulheres que fiaram o pelo de cabra tinham o coração sábio, porque o fizeram de todo o seu coração para o Senhor. Assim, o lavrador, o mecânico, e o servo que atende ao seu trabalho na fé e no temor a Deus, pode ser tão sábio em seu lugar, como o ministro mais útil, e ser igualmente aceito pelo Senhor. A nossa sabedoria e dever consistem em dar a Deus a glória e a utilidade dos nossos talentos, sejam estes muitos ou poucos.

Vv. 30-35. Aqui está a chamada dos mestres que foram nomeados por Deus, para que não houvesse contenda por causa do ofício, e todos aqueles que estivessem empregados na obra pudessem receber ordens deles, e ser responsáveis perante estes. Aqueles a quem Deus chamou por seus nomes para o seu serviço, foram por Ele cheios de seu Espírito santo. A destreza, mesmo nas tarefas humanas, é um dom de Deus e vem do alto. Porém, há muitos que estão dispostos a organizar o trabalho dos demais, e podem dizer o que este ou aquele homem deve fazer; porém, eles mesmos não tocariam sequer com um dedo as cargas que atam sobre os demais. Estes permanecerão sob a categoria de servos negligentes. Os homens não estavam ali somente para projetar e trabalhar, e sim ensinar aos outros. Aqueles que dirigem, devem ensinar; e aqueles, a quem Deus tem dado conhecimento devem estar dispostos a torná-los conhecidos de outras pessoas para benefício do próximo.

Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário