O Significado de Teologia



Este capítulo foi extraído do livro Jewish Theology: Systematically and Historically Considered de Kaufmann Kohler publicado originalmente em 1918 e traduzido pela Biblioteca Bíblica.

Capítulo I.
O Significado de Teologia

O Significado de Teologia
A palavra “Teologia”, “o ensino a respeito de Deus”, é tomada da filosofia grega. Ela foi usada por Platão e Aristóteles para designar o conhecimento a respeito de Deus e as coisas piedosas, pelo que significou o ramo da filosofia mais tarde chamada de Metafísica, depois de Aristóteles. Na Igreja cristã, o termo assumiu gradualmente o significado da exposição sistemática do Credo, uma distinção a ser feita entre Racional, ou Teologia Natural, por um lado, e de Teologia Dogmática, do outro.[1] Na Teologia, pelo uso comum entende-se a apresentação de um sistema específico de fé seguido por algum método lógico, e é feita uma distinção entre Teologia Histórica e Sistemática. A primeira traça as várias doutrinas da fé em questão através das diferentes épocas e fases da cultura, mostrando seu processo histórico de crescimento e desenvolvimento; este último apresenta essas mesmas doutrinas de forma abrangente como um sistema fixo, como elas finalmente foram elaboradas e aceitas sobre a base das escrituras sagradas e sua interpretação autoritária.

2. Teologia e Filosofia da Religião são muito diferentes em seu caráter. Teologia lida exclusivamente com uma religião específica, ao expor um sistema doutrinário, começa a partir de uma crença positiva em uma revelação divina e na obra contínuo do espírito divino, afetando também a interpretação e desenvolvimento dos livros sagrados. A Filosofia da religião, por outro lado, ao lidar com o mesmo assunto que Teologia, trata a religião de um ponto de vista geral, como uma questão de experiência, e, como toda filosofia deve, sem qualquer conclusão precipitada. Por conseguinte, apresenta as crenças e doutrinas da religião em geral, para uma investigação imparcial, não reconhecendo nem uma revelação divina, nem as reivindicações superiores de qualquer religião acima de qualquer outra, o seu principal objetivo consiste em determinar até que ponto as leis universais da razão humana concordam ou discordam com as afirmações de fé.[2]

3. Portanto, é incorreto falar de uma filosofia religiosa judaica. Isso não tem mais direito de existir do que tem a metafísica judaica ou a matemática judaica.[3] Os pensadores judeus do período hispano-árabe que tentaram harmonizar a revelação e a razão, utilizando a filosofia neoplatônica, ou aristotélica, com uma coloração neoplatônica, traíram por suas próprias concepções de revelação e profecia a influência da teologia muçulmana. Esse foi realmente um enxerto da metafísica sobre teologia e chamou-se a “ciência divina”, um termo correspondente exatamente com a “Teologia” grega. Os chamados filósofos religiosos judeus adotaram ambos os métodos e terminologia dos teólogos islâmicos, tentando apresentar as doutrinas da fé judaica à luz da filosofia, como verdade baseada na razão. Assim, eles reivindicaram a construção de uma teologia judaica sobre o fundamento de uma filosofia da religião.

Mas nem eles nem seus antecessores maometanos conseguiram elaborar um sistema completo de teologia. Eles deixaram intocados elementos essenciais de religião que não se enquadram na esfera de verdades racionais, e não deram a devida apreciação para os ricos tesouros da fé depositados na literatura bíblica e rabínica. Nem o sistema teológico abrangente de Maimonides, que durante séculos, em grande parte, moldaram a vida intelectual dos judeus, forma uma exceção. Só os místicos, Bahya como sua cabeça, deram atenção para o lado espiritual do judaísmo, permanecendo longamente sobre temas como oração e arrependimento, o perdão divino e santidade.

4. Um conhecimento mais próximo com os sistemas religiosos e filosóficos dos tempos modernos criou uma nova demanda para a teologia judaica pelo qual o judeu pode compreender suas próprias verdades religiosas à luz do pensamento moderno, e ao mesmo tempo defendê-los contra a atitude agressiva das seitas religiosas dominantes. Até agora, no entanto, as tentativas feitas nesse sentido, são, na verdade, fracas e esporádicas. Caso a estrutura não deva ficar completamente no ar, o material necessário deve ser reunido a partir de suas muitas fontes com meticuloso labor.[4] A dificuldade especial na tarefa está na diferença radical que existe entre a nossa visão do passado e a dos escritores bíblicos e medievais. Todas essas coisas que, até então têm sido tomadas como fatos porque relacionaram-se nos livros sagrados, ou outras fontes tradicionais, são vistos hoje com olhos críticos, e são agora considerados como mais ou menos coloridos pela impressão humana ou condicionada pelo julgamento humano. Em outras palavras, aprendemos a distinguir entre verdades subjetivas e objetivas,[5] enquanto a teologia, por sua própria natureza, lida com a verdade como absoluta. Isso torna imperativo, para nós, investigar historicamente a ideia principal, ou princípio fundamental subjacente a uma doutrina, observar as diferentes concepções formadas em vários estágios, e traçar o seu processo de crescimento. Às vezes, de fato, podemos descobrir que os pontos de vista de uma época têm, antes, dado um passo para trás e caído abaixo do padrão original. O progresso não precisa ser uniforme, mas ainda temos que traçar o seu curso.

5. Devemos reconhecer desde o início que a teologia judaica não pode assumir o caráter de apologética, se deve realizar sua grande tarefa de formular a verdade religiosa, tal como existe em nossa consciência hoje. Ela não pode mais dar ao luxo de ignorar os resultados estabelecidos da linguística moderna, etnológica e pesquisa histórica, da crítica bíblica e religião comparativa, do que podem os fatos incontestáveis ​​da ciência natural, por mais que qualquer um destes possa conflitar com a visão bíblica do cosmos. A apologética tem o seu lugar legítimo em provar e defender as verdades da teologia judaica contra outros sistemas de crença e pensamento, mas não pode defender adequadamente tanto as afirmações bíblicas ou talmúdicas por métodos incompatíveis com a investigação científica. O judaísmo é uma religião de crescimento histórico, que, longe de pretender ser a verdade final, é sempre regenerada novamente em cada ponto de viragem da história. A queda das folhas no outono não requer nenhum pedido de desculpas, pois cada primavera sucessiva testemunha de novo ao poder da natureza da ressurreição.

O objeto de uma teologia sistemática do judaísmo, portanto, é de destacar as forças essenciais da fé. Em seguida, se tornará evidente como essas doutrinas fundamentais possuem uma vitalidade, uma força de convicção, bem como uma capacidade de adaptação a diferentes condições, que os fatores poderosos em meio a todas as mudanças de tempo e as circunstâncias fazem. Segundo a tradição rabínica, as tábuas quebradas da aliança foram depositadas na arca ao lado da nova. Da mesma forma, as verdades consideradas sagradas pelo passado, mas acharam-se inadequadas em sua expressão para uma nova geração, devem ser colocadas lado a lado com as verdades mais profundas e mais esclarecidas de uma idade avançada, para que possam aparecer juntos, como uma verdade divina refletida em diferentes raios de luz.

6. Teologia judaica difere radicalmente da teologia cristã, nos seguintes três pontos:

A. A teologia do cristianismo lida com artigos de fé formulados pelos fundadores e cabeças da Igreja, como condições para a salvação, de modo que qualquer alteração em favor do livre pensamento ameaça minar o próprio plano de salvação sobre a qual a Igreja foi fundada. O Judaísmo reconhece apenas os artigos de fé, como foram adotadas pelas pessoas voluntariamente como expressões de sua consciência religiosa, tanto sem coerção externa e sem fazer violência aos ditames da razão. O Judaísmo não conhece a salvação pela fé no sentido de Paulo, o verdadeiro fundador da Igreja, que declarou a aceitação cega da crença em si mesmo para ser meritória. Nega-se a existência de qualquer oposição irreconciliável entre fé e razão.

B. A Teologia cristã repousa sobre uma fórmula de confissão, o chamado Credo da Igreja Apostólica,[6] que por si só torna um cristão. O Judaísmo não tem essa fórmula de confissão que torna um judeu um judeu. Nenhuma autoridade eclesiástica alguma vez ditou ou regulou a crença do judeu; sua fé tem sido expressa na forma litúrgica solene de oração, e sempre manteve seu frescor e vigor de pensamento na consciência das pessoas. Isso explica, em parte, o porquê da antipatia em relação a qualquer tipo de dogma ou credo entre os Judeus.

C. O credo é um conditio sine qua non da Igreja Cristã. Descrer seus dogmas é eliminar-se da adesão. O Judaísmo é bastante diferente. O judeu nasce nele e não pode livrar-se dele mesmo pela renúncia de sua fé, o que seria torná-lo um judeu apóstata. Esta condição existe, porque a comunidade racial formou, e ainda forma, a base da comunidade religiosa. É o nascimento, não a confissão, que impõe ao judeu a obrigação de trabalhar e esforçar-se para as verdades eternas de Israel, para a preservação e propagação da qual ele foi escolhido pelo Deus da história.

7. A verdade da questão é que o objetivo e o fim do judaísmo não é tanto a salvação da alma, na vida futura como a salvação da humanidade na história. Sua teologia, portanto, deve reconhecer a história do progresso humano, com o qual está tão intimamente entrelaçado. Não afirma, portanto, oferecer a verdade final ou absoluta, assim como a teologia cristã, seja ortodoxa ou liberal. Ele simplesmente aponta o caminho que conduz à verdade mais elevada obtida. A verdade final e perfeita é manifestada como o ideal de toda a busca e esforço humanos, juntamente com a perfeita justiça, a probidade e a paz, a ser alcançadas como a finalidade da história.

A Teologia Sistemática do judaísmo deve, portanto, contentar-se com a apresentação de doutrina judaica e crença em relação às ideias científicas e filosóficas mais avançadas da época, de modo a oferecer uma visão abrangente da vida e do mundo (“Lebens-und Weltanschauung”), mas nem por isso reivindica para eles o caráter de finalidade. A revelação das verdades do Judaísmo será concluída apenas quando toda a humanidade alcançar as alturas do Monte de Sião da visão, como contemplado pelos profetas de Israel.[7]





[1]Compare Heinrici Theologische Encyclopaedie, p. 4; Enc. Brit. art. Theology
[2]Heinrici, l. c., p. 14 f., 212; Hagenbach-Kautsch: Encyc. d. theolog. Wiss., p. 28-30; Rauwenhoff: Religionsphilosophie, Einl., xiii; Margolis: “The Theological Aspect of Reformed Judaism,” in Yearbook of C. C. A. R., 1903, p. 188-192. Lauterbach, J. E., art. Theology
[3]Veja, no entanto, Geiger: Nachgel. Schriften, II, 3-8; também Margolis, l. c., p. 192-196.
[4]Um excelente começo nesta direção foi feito pelo professor Schechter em Some Aspects of Rabbinic Theology, New York, 1909.
[5]Veja Joel: “D. Mosaismus u. d. Heidenthum,” em Jahrb. f. Jued. Gesch. und Lit., 1904, p. 70-73.
[6]Veja Schaff-Herzog's Encycl., art. Apostles’ Creed and Symbol.
[7]Veja Schechter: Studies in Judaism, Intr., XXI-XXII; p. 147, 198 f.; Foster: The Finality of the Christian Religion, Chicago, 1906; Friedr. Delitzsch: Zur Weiterentwicklung der Religion, 1908; and comp. Orelli: Religionsgeschichte, 276 f., and Dorner: Beitr. z. Weitrentwicklung d. christl. Religion, 173.

O Significado de Teologia O Significado de Teologia Reviewed by Biblioteca Bíblica on domingo, outubro 18, 2015 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.