2015/11/13

Estudo sobre Jó 14

Estudo sobre Jó 14


Estudo sobre Jó 14.1
O ANSEIO POR UMA VIDA EXTRA-TERRENA (Jó 14.1 -22). É estranho, diz Jó, que a justiça divina se fixe numa criatura como o homem. A sua existência é passageira, agitada, e está ligada ao pecado universal da humanidade. Porque deve então um só homem, que não é nenhum pecador odioso suportar tamanho peso de ira divina? Não poderá Deus conceder a uma criatura de tão curta vida um breve intervalo de repouso, um momento de alívio?

Estudo sobre Jó 14.7
Nos vers. 7 -12 contrasta-se o destino das coisas com o das pessoas, exaltando-se o primeiro. Uma árvore cortada pode reviver, mas a morte inscreve um inexorável “nunca mais” na vida do homem. Recordemos, a propósito, contrastando-o com esta passagem, um episódio da vida do Irmão Lourenço. Certo dia de inverno, quando contemplava uma árvore inteiramente despida de folhas, de aspecto desolador, Lourenço sentiu-se profundamente impressionado ao pensar na dramática transformação que nela se operaria com o advento da Primavera. Certamente Deus, que assim agia miraculosamente na natureza não estava menos disposto a realizar uma mudança menos miraculosa no homem. O incidente conduziu à sua conversão. Recorde-se também o ensinamento de Nosso Senhor em Mt 6.30.

Estudo sobre Jó 14.13
A desolação do quadro que ele próprio pintou penetra-o tão profundamente que Jó recua, horrorizado (13-15). A sua alma eleva-se em busca de uma luz futura, da luz de uma vida para além desta, de uma vida que mereça a pena viver. No momento presente ele sente sobre os seus ombros a vara do Deus da ira. Certamente terá de a suportar enquanto a vida presente durar. Mas depois? Jó dá expressão a um maravilhoso sonho: um Deus misericordioso concedendo-lhe asilo primeiro no Seol, a terra dos mortos, e depois chamando-a a uma existência na qual Ele, o Criador, se deleitaria na obra das suas mãos. “Ah, se eu pudesse acreditar nisso”, diz Jó, “suportaria a minha angústia até que dela pudesse ser aliviado” (14). São palavras de um homem que não pode desistir da sua fé no Deus cujo procedimento presente constitui um indecifrável mistério; é a voz de um homem a pôr problemas que só Jesus pode resolver. Cf. Jo 11.25; 2Tm 1.10, etc.

Estudo sobre Jó 14.16
Mas a glória do sonho desvanece-se ante os concretos e terríveis fatos do momento presente. O Deus da graça afasta-se e Jó imagina um Deus que, qual usurário, examina e conta rigorosamente cada pecado cometido (16-17); um Deus que reduz a pó as maiores e mais imponentes obras da natureza e destrói a esperança do homem (18-19). A morte é o supremo trunfo do divino Antagonista do homem. Este fica, por ela, incapacitado de se regozijar com as alegrias dos filhos que deixou ou de chorar com as suas tristezas e perplexidades (21). Mas a morte não significa sequer a cessação da dor (22). Este versículo é, provavelmente, uma referência à terrível ideia segundo a qual, no Seol, a alma era afetada pela decomposição do corpo e sentia, em si própria, o toque da corrupção.


Nenhum comentário:

Postar um comentário