2015/11/13

Estudo sobre Jó 16

Estudo sobre Jó 16



Jó 16


Estudo sobre Jó 16.1
         Jó responde a Elifaz (Jó 16.1-17.16)
JÓ CONSIDERA DESPREZÍVEL O CONFORTO RECEBIDO (Jó 16.1-5). Palavras de vento (3). Elifaz acusou Jó de proferir palavras ocas e de se rebelar contra Deus. Jó devolve a acusação afirmando que também as suas consolações são ocas. Se em vez de ser o sofredor fosse o consolador, Jó oferecer-lhes-ia um conforto genuíno que lhes abrandasse a dor.

Estudo sobre Jó 16.6
JÓ DESCREVE A SITUAÇÃO DESESPERADA EM QUE SE ENCONTRA (Jó 16.6-17). A sua miséria é apresentada de forma pungente. Não há palavras nem há silêncio que o aliviem. O triste aspecto do seu corpo é a prova mais positiva de que caiu nas mãos do seu divino Antagonista. Note-se a seguinte versão da primeira parte do versículo 8: “Tu me lançaste a mão e me aprisionas-te, o que testifica contra mim”. Na sua aflição ele sente que Deus o tem preso e o domina como a um animal selvagem; sobre si-presa impotente-está o ameaçador e faiscante olhar do adversário (9). A hostilidade de Deus encontra eco na hostilidade dos homens, “matilha de pequenos e insignificantes inimigos cujos latidos se fazem ouvir atrás dAquele que é e seu Inimigo-Mor”. No fim do versículo 12 a imagem já é outra. Deus aparece qual frecheiro a despedir uma chuva de flechas que lhe atravessam as entranhas. Os seus frecheiros (13). Melhor, “as suas frechas”. No vers. 14 a imagem é outra ainda. Deus é agora um guerreiro arremetendo repetidamente contra as muralhas que cercam a fortaleza da sua alma e rompendo-as. Estes ataques divinos condenaram-no a um luto e a uma humilhação constantes; contudo, semelhantes ataques visam a um homem inocente.

Estudo sobre Jó 16.18
A SUA FÉ TRIUNFA DE NOVO (Jó 16.18-21). De novo Jó se ergue do abismo mais profundo para se elevar às mais sublimes alturas. As insinuações dos amigos não conseguiram fazê-lo separar-se da sua inocência. Agora nem as suas mais escuras dúvidas, nem os seus mais terríveis temores podem fazê-lo desistir do seu Deus. Quando uma morte injusta fizer descer à terra a sua vida inocente, a inocência do seu sangue erguer-se-á até aos mais altos céus (18). Cf. Gn 4.10. E aí, no céu, ele vislumbra de repente, um divino Herói, um divino Simpatizante que estará pronto a afiançar a sua integridade. Dolorosamente ele apela para essa testemunha celestial suplicando-lhe que defenda a sua causa ante as insinuações dos amigos e dos terríveis golpes que Deus lhe desferiu-Deus que é responsável pelas suas aflições na terra. “Os meus olhos se desfazem em lágrimas diante de Deus; ah, se alguém pudesse fazer prevalecer a justiça da causa do homem perante Deus e a do filho do homem perante e seu próximo!” Este apaixonado desejo de uma testemunha celestial que estivesse do seu lado, aponta, de maneira impressionantemente profética, para o pensamento cristão de “um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo” (1Jo 2.1). É a fé a percepcionar já a existência de um Deus que “é por nós”. Também aqui só Jesus é a resposta para o fundo e angustiante problema de Jó. Cf. Hb 9.24.

Estudo sobre Jó 16.22
A BREVIDADE E AS TRIBULAÇÕES DA VIDA (Jó 16.22-17.16). O apelo torna-se mais intenso e ganha força à medida que Jó se lembra de que os anos o vão impelindo, inexoravelmente, para a sepultura. Desvaneçam-se essas irrisórias esperanças dadas pelos amigos! Essas enganadoras esperanças de um futuro feliz, de um amanhã em que não haveria lembrança das aflições de hoje! Sim, desapareçam as esperanças dadas pelo homem! Só Deus lhe pode dar segurança, só Deus pode ser por ele!


Índice: Jó 1 Jó 2 Jó 3 Jó 4 Jó 5 Jó 6 Jó 7 Jó 8 Jó 9 Jó 10 Jó 11 Jó 12 Jó 13 Jó 14 Jó 15 Jó 16 Jó 17 Jó 18 Jó 19 Jó 20 Jó 21 Jó 22 Jó 23 Jó 24 Jó 23 Jó 24 Jó 25 Jó 26 Jó 27 Jó 28 Jó 29 Jó 30 Jó 31 Jó 32 Jó 33 Jó 34 Jó 35 Jó 36 Jó 37 Jó 38 Jó 39 Jó 40 Jó 41 Jó 42

Nenhum comentário:

Postar um comentário