2015/11/13

Estudo sobre Jó 25

Estudo sobre Jó 25



Estudo sobre Jó 25.1
O terceiro discurso de Bildade (Jó 25.1-6)
Bildade ignora os argumentos de Jó e esforça-se, antes, por levar Jó a prostrar-se ante o poder de Deus (2-3). Quando os mais poderosos corpos celestes tremem na Sua presença, humildes e submissos, como pode o homem, na sua insignificância e corrupção, olhar para cima, confiante na sua pureza, sem medo do que a luz possa revelar (4-6)? Cf. Jó 4.17 e segs. e Jó 15.14 e segs. Bildade poderia ter cantado com emoção:

Eterna Luz, Eterna Luz!
Quão pura deve ser a alma
Que perante o Teu perscrutante olhar
Não vacila, antes, em perfeita quietude,
Se deleita e vive e Te contempla!

Há verdade no discurso, mas uma verdade que, com o sentido que Bildade lhe atribui, de nada serve a Jó. Este jamais afirma a sua total pureza, a sua total ausência de pecado; afirma, sim, a ausência daquele pecado que os amigos suspeitam nele.


Índice: Jó 1 Jó 2 Jó 3 Jó 4 Jó 5 Jó 6 Jó 7 Jó 8 Jó 9 Jó 10 Jó 11 Jó 12 Jó 13 Jó 14 Jó 15 Jó 16 Jó 17 Jó 18 Jó 19 Jó 20 Jó 21 Jó 22 Jó 23 Jó 24 Jó 23 Jó 24 Jó 25 Jó 26 Jó 27 Jó 28 Jó 29 Jó 30 Jó 31 Jó 32 Jó 33 Jó 34 Jó 35 Jó 36 Jó 37 Jó 38 Jó 39 Jó 40 Jó 41 Jó 42

Nenhum comentário:

Postar um comentário