2015/11/13

Estudo sobre Jó 28

Estudo sobre Jó 28



Estudo sobre Jó 28.1
A SABEDORIA, DOM DE DEUS (Jó 28.1-28 ). O capítulo consiste de um belo poema sobre a sabedoria que se destina a mostrar que esta está inteiramente fora do alcance do homem a não ser que seja procurada no temor do Senhor (28).
Muitos especialistas duvidam que o capítulo faça parte do drama original e consideram-no uma adição. Em primeiro lugar, não é fácil descobrir a relação existente entre este capítulo e o capítulo anterior. Em segundo lugar, a plácida aceitação da sublimidade da sabedoria divina contrasta singularmente com muitas das anteriores e posteriores declarações de Jó. Noutras passagens Jó aparece-nos como “uma águia acorrentada que abre as asas e se precipita contra as grades da sua prisão; como alguém que quisesse elevar-se até aos lugares divinos e deles arrancar e desnudar o mistério que o tortura”. Ver, por exemplo, Jó 23.3; Jó 31.35 e segs. Mas não nos esqueçamos de que a coerência absoluta não é de esperar no homem que sofre. A opinião de Jó acerca de Deus é notavelmente diversa e contraditória. Deus aparece-lhe umas vezes como inimigo, outras vezes como amigo. O pêndulo que assim oscila pode ter oscilado também no que diz respeito aos pensamentos de Jó sobre a compreensão humana dos caminhos de Deus.
Nos primeiros catorze versículos temos uma vívida descrição da incansável e bem sucedida atividade do homem o qual arranca à terra os seus tesouros de pedras e minérios. Vemos o mineiro, tateando na escuridão e realizando complicadas operações subterrâneas. Note-se a seguinte tradução do versículo 4 a qual poderá, porventura, esclarecer uma passagem extremamente obscura: “Ele abre passagens subterrâneas longe de lugares habitados pelo homem; são esquecidos por aqueles que passam; vivem longe dos homens, movem-se dum lado para o outro”. Os versículos 9 e 10 descrevem o mineiro abrindo passagem através das rochas. Rios (10). Segundo outra versão, “passagens”. O versículo 5 dá-nos um forte contraste entre o calmo crescimento do trigo, à superfície da terra, e o esforçado trabalho do mineiro nas camadas subterrâneas.
A narrativa fala-nos duma busca em que se frustrará o mais admirável engenho seja ele de homem ou de animal: a busca da sabedoria (7,8,12-14). A terra não pode responder à pergunta: Onde se achará a sabedoria? (12). Valor (13) ou, segundo a Septuaginta, “caminho”. A sabedoria não pode adquirir-se em nenhum mercado humano (15-22). Nem as coisas vivas nem as escuras forças que imperam no abismo podem responder à pergunta do versículo 12 repetida no versículo 20: Onde se achará a sabedoria? Nada podem fazer senão aludir a um vago e distante rumor da sua fama (22).

Estudo sobre Jó 28.23
O versículo 23 fala-nos da única Pessoa que pode responder à pergunta feita. O Deus que reprime as poderosas forças do universo, o Deus da criação, é o único que exerce absoluto e completo domínio sobre a sabedoria e seus mistérios. Só o homem que teme a Deus e cuja vida é moral, pode caminhar para a apreensão de uma sabedoria da qual só Deus é, e pode ser, o único detentor.

Índice: Jó 1 Jó 2 Jó 3 Jó 4 Jó 5 Jó 6 Jó 7 Jó 8 Jó 9 Jó 10 Jó 11 Jó 12 Jó 13 Jó 14 Jó 15 Jó 16 Jó 17 Jó 18 Jó 19 Jó 20 Jó 21 Jó 22 Jó 23 Jó 24 Jó 23 Jó 24 Jó 25 Jó 26 Jó 27 Jó 28 Jó 29 Jó 30 Jó 31 Jó 32 Jó 33 Jó 34 Jó 35 Jó 36 Jó 37 Jó 38 Jó 39 Jó 40 Jó 41 Jó 42

Nenhum comentário:

Postar um comentário