2015/11/13

Estudo sobre Jó 29

Estudo sobre Jó 29



Estudo sobre Jó 29.1
JÓ LEMBRA-SE DOS DIAS EM QUE ERA FELIZ (Jó 29.1-25). É este um dos capítulos melhores do livro. A felicidade de Jó, nas suas múltiplas origens, é magistralmente traçada.

Estudo sobre Jó 29.2
Em primeiro lugar, Jó era um homem protegido por Deus (2-4). Note-se a seguinte versão da segunda parte do versículo 2: “como nos dias em que Deus velava por mim!” É aqui que surge o trágico sentido de todo o livro. Bem no centro da sua felicidade passada existia a convicção de que Deus velava por eles. A miséria do momento presente explica-se pela sensação de que Deus o abandonou ou, se ainda olha para ele, o faz com olhos inexplicavelmente condenatórios. Nos dias da minha mocidade (4). Lit., “nos dias do Outono”. A ideia é de maturidade; leia-se, portanto, de acordo com outra versão, “no esplendor dos meus dias”. O segredo de Deus (4). Cf. Sl 25.14.

Estudo sobre Jó 29.5
Em segundo lugar, Jó era um homem domesticamente feliz. Na alusão aos seus filhos (5) escutamos, como disse alguém, “o soluço de uma grande agonia”.

Estudo sobre Jó 29.6
Em terceiro lugar, Jó gozava de grande prosperidade. Da rocha me corriam ribeiros de azeite (6) não quer dizer, como poderíamos imaginar, que a prosperidade lhe adviesse até de fontes naturalmente impropícias à fartura. A oliveira dá-se em terreno rochoso e os lagares são cavados na rocha.

Estudo sobre Jó 29.7
Em quarto lugar, era um homem respeitado por todos (7-10; 21-25). Quando ocupava o lugar de conselheiro da cidade todas as classes da comunidade lhe rendiam a sua homenagem e o reverenciavam (8-10). A sua opinião era respeitosamente esperada. Quando a exprimia, escutavam-no em silêncio e nada mais tinham a dizer (21-22). As suas palavras eram como chuva refrescante para os espíritos abatidos. O seu sorriso era um tônico para os irresolutos. Note-se a seguinte versão do versículo 24: “eu sorria-lhes quando a confiança os abandonava”. Os versículos 11-17 mostram-nos como as ações de Jó eram invariavelmente aprovadas pelos homens. O homem, por quem Deus velava, olhava escrupulosamente pelos interesses dos necessitados. Até os estranhos podiam esperar que ele defendesse ardorosamente a sua causa. No versículo 16 leia-se: “As causas daquele que eu não conhecia inquiria com diligência”. Em todas estas atividades a retidão era a sua túnica e a justiça o seu turbante (versão do vers. 14). Dir-se-ia que Jó era a própria encarnação da justiça. Cf. Jz 6.34 que pode traduzir-se assim: “Mas o espírito do Senhor se revestiu de Gideão”. Os versículos 12-20 dão-nos uma imagem da forma como Jó olhava para o futuro antes de as suas esperanças serem tão rudemente desfeitas pelas calamidades relatadas nos primeiros dois capítulos do livro. Ele esperava uma ininterrupta continuação daqueles dias de bem-aventurança. Nos vers. 19 e 20 substitua-se o imperfeito pelo tempo presente. No meu ninho expirarei (18) ou, “envelhecerei entre os meus”. O versículo 19 fala-nos duma prosperidade ligada a fontes perenes e o versículo 20 de uma força viril simbolizada pelo arco.



Índice: Jó 1 Jó 2 Jó 3 Jó 4 Jó 5 Jó 6 Jó 7 Jó 8 Jó 9 Jó 10 Jó 11 Jó 12 Jó 13 Jó 14 Jó 15 Jó 16 Jó 17 Jó 18 Jó 19 Jó 20 Jó 21 Jó 22 Jó 23 Jó 24 Jó 23 Jó 24 Jó 25 Jó 26 Jó 27 Jó 28 Jó 29 Jó 30 Jó 31 Jó 32 Jó 33 Jó 34 Jó 35 Jó 36 Jó 37 Jó 38 Jó 39 Jó 40 Jó 41 Jó 42

Nenhum comentário:

Postar um comentário