2015/11/13

Estudo sobre Jó 30

Estudo sobre Jó 30



Estudo sobre Jó 30.1
O DESPREZO QUE AGORA O CERCA (Jó 30.1-31). A miséria do momento presente contrasta fortemente com a glória do passado. Miséria que se acumula, vinda de todos os lados. Primeiro vem de fora. É insultado pelos homens (1-15), mesmo pelos de mais baixa condição os quais, nos velhos tempos ele se deleitava em proteger (cf. Jó 29.11-17). Amargamente diz: “mas agora se riem de mim os de menos idade do que eu, a cujos pais eu não teria confiado a tarefa dum cão do meu rebanho” (outra versão do vers. 1). A razão dessa falta de confiança explica-se no versículo seguinte. São homens cujo vigor pereceu. Descreve-se a seguir a vida miserável daqueles que agora escarnecem de Jó. Use-se o tempo presente em toda a descrição. Sentem-se quase felizes quando conseguem alimentar-se das raízes da terra (4) e reclinar a sua cabeça entre as rochas e nos lugares desertos; os homens respeitáveis expulsam-nos do seu meio e recusam-lhes habitação (5-8). Tal é a sorte daqueles cujo nome é desconhecido e de ninguém é amado. No versículo 7 leia-se: “e se estendem debaixo das ortigas”.

Estudo sobre Jó 30.9
Agora Jó é alvo dos motejos e desprezo desses homens (9-15). “Vendo-me, cospem”, versão provavelmente preferível a no meu rosto não se privam do cuspir (10). O versículo 11 fala-nos de uma grande humilhação sofrida às mãos de Deus. Porque Deus desatou a sua corda e me oprimiu; pelo que sacudiram de si o freio perante o meu rosto (11). Leia-se “Porque Deus desatou a minha corda etc.” Cf. Jó 29.20. Deus inutilizou a corda daquele arco que se reforçava na sua mão e os que o viram perderam o respeito que tinham por ele, deixaram de se sentir constrangidos na sua presença. Os moços (12) ou, segundo outra versão, “a escumalha” que tortura Jó aparece -lhe como um exército que cercasse uma cidade tornando impossível a fuga (13) e a invadisse entrando por uma brecha da muralha (14).

Estudo sobre Jó 30.16
Em segundo lugar, a miséria vem de dentro de si próprio (16-18,30). Derrama-se em mim a minha alma (16); segundo outra versão, “derrama -se dentro de mim a minha alma”. Jó descreve os tormentos físicos que o afligem. O vers. 18 é de difícil interpretação. A primeira parte do versículo parece referir -se ao aspecto da sua túnica, agora demasiado ampla para o seu corpo emagrecido e mirrado pela doença. Outra versão substitui “se demudou” por “se desfigurou”. Por outro lado, a segunda parte do versículo parece referir-se a uma túnica cingida ao corpo. Segundo certo comentador, a túnica estaria de fato cingida em certas regiões do seu corpo, regiões anormalmente tumefactas. Há ainda uma outra interpretação possível: como o cabeção da minha túnica, me cinge teria, como sujeito, o mal referido no versículo anterior. O mal que o corroía, cingia-o como o cabeção da sua túnica.

Estudo sobre Jó 30.30
Em terceiro lugar, a miséria vem-lhe do alto (19-23). O seu Deus lançou-o num abismo de lodo (cf. Sl 40.2) e mostra-se cruelmente indiferente aos seus gritos de aflição e às suas súplicas. A grande tempestade que Deus lhe enviou impele-o inexoravelmente para os escuros portais da mansão dos mortos. Derretes-me o ser (22). Melhor, “destróis-me na tempestade”.

Estudo sobre Jó 30.24-31
O versículo 24 tem levantado grandes problemas de interpretação. Em certa versão lemos: “Mas não estenderá a mão aquele que caiu? Não gritará por socorro aquele que a calamidade atingiu?” Certo tradutor, substituindo be’e por tobue’a traduz assim a primeira frase: “Mas não estenderá a mão o homem que se afoga?” O homem que se está a afogar agarra-se a qualquer coisa, uma palha que seja. Jó sentia-se perecer num temporal que imaginava mandado por um Deus cruelmente indiferente à sua desgraça. Mas não podia asfixiar o grito que repetidamente lhe saía do coração: “Senhor, salva-me!” Era a mão da fé à procura de um Salvador no qual ele não podia ainda firmemente confiar. Nos versículos 25 e 26 lemos entre linhas: “Se Deus tivesse procedido para comigo tão generosamente como eu procedi para com os outros, quão diferente seria a minha sorte!” O versículo 27 descreve-nos o fervilhar dos seus sentimentos. Os versículos 28 e 31 dão-nos a imagem de uma dor que tomou o lugar da alegria do passado. No vers. 29 Jó considera -se, no seu presente estado, mais perto dos animais do que dos homens, menos digno da companhia desses do que daqueles.

Índice: Jó 1 Jó 2 Jó 3 Jó 4 Jó 5 Jó 6 Jó 7 Jó 8 Jó 9 Jó 10 Jó 11 Jó 12 Jó 13 Jó 14 Jó 15 Jó 16 Jó 17 Jó 18 Jó 19 Jó 20 Jó 21 Jó 22 Jó 23 Jó 24 Jó 23 Jó 24 Jó 25 Jó 26 Jó 27 Jó 28 Jó 29 Jó 30 Jó 31 Jó 32 Jó 33 Jó 34 Jó 35 Jó 36 Jó 37 Jó 38 Jó 39 Jó 40 Jó 41 Jó 42

Nenhum comentário:

Postar um comentário