2015/11/13

Estudo sobre Jó 34

Estudo sobre Jó 34


Estudo sobre Jó 34.1
Um resumo das queixas de Jó (Jó 34.1-9)
O desafio lançado por Eliú é acolhido em profundo silêncio, pelo que ele prossegue na sua acusação. Começa por fazer um apelo a todos os ouvintes inteligentes. Distingam-se as palavras verdadeiras das palavras falsas. A qual destas duas categorias pertencerão as palavras proferidas por Jó? Eliú condensa os discursos de Jó em duas queixas: na primeira Jó acusa Deus de ter sido injusto para com um homem inocente desferindo-lhe, por puro capricho, um golpe mortal (5-6). Tal queixa, diz Eliú, apenas denuncia a incomparável e insaciável sede de zombaria de Jó (7), homem de opiniões errôneas; estas são, de resto o melhor e mais significativo comentário à espécie de companhia que ele tem cultivado (8). Em segundo lugar, Jó lamenta-se de que de nada aproveita ao homem o comprazer-se em Deus ou, segundo outra versão, “ser amigo de Deus” (9).

Estudo sobre Jó 34.10
Eliú refuta a primeira queixa (Jó 34.10-33)
Jó queixa-se de que Deus procedeu injustamente para com ele. Com toda a convicção de que é capaz a sua piedosa natureza, Eliú afirma que Deus é justo e que colocou o homem num universo moral (10-12). O homem colhe o que semeia, seja a sementeira boa ou má. Baseia a sua afirmação em várias considerações. Em primeiro lugar, a autoridade absoluta só a Deus pertence. Não lhe foi passada por qualquer outra entidade poderosa (13). Se assim fosse, o Seu governo poderia ser caracterizado pela indiferença ou pelo egoísmo. Mas egoísmo da parte de Deus equivaleria à destruição instantânea do universo (14-15). Para o vers. 14a adote-se a versão: “Se Ele pusesse o Seu coração em si mesmo”. A vida humana deve a sua existência e manutenção ao fôlego de Deus. Onde pois se encontrará motivo de injustiça num tal Deus?

Estudo sobre Jó 34.17
Argumenta, em seguida, que a própria persistência do domínio divino pressupõe justiça nesse domínio (17). A acusação de injustiça já é séria quando visa a monarcas terrenos (18), pois que a justiça indevidamente ou injustamente administrada tem em si as sementes da ruína (cf. Mt 12.25); mas que se dirá quando essa acusação visa ao próprio Deus, o Criador de todos os homens, sejam eles ricos ou pobres, príncipes ou mendigos, que não faz acepção de pessoas e de todos cuida igualmente? (19). Como é possível apodar de injusto um tal Deus?

Estudo sobre Jó 34.20
Até agora Eliú explorou um terreno de certo modo teórico. Mas em breve passa a considerações de caráter mais prático. A onisciência de Deus, é uma garantia da sua justiça (20-28). Príncipes e plebeus sentem igualmente o peso do poder divino. Sem mão (20) significa “sem instrumentalidade humana”. Interprete-se o versículo 23 à luz do anseio de Jó expresso em Jó 24.1: “Por que não estabelece, o Todo-Poderoso, tempos de Juízo?” O conhecimento divino dos caminhos do homem e a sentença que sobre eles pronuncia são simultâneos.

Estudo sobre Jó 34.29
No vers. 29 Eliú passa da contemplação geral da atuação divina na história para o caso de Jó. Nas palavras seja para com um homem só adivinha -se a intenção: “esse homem és tu”. Para o vers. 29a adote-se a versão: “Quando ele dá o sossego, quem poderá condenar?” O argumento do versículo parece ser: quer conheçam dias de tranquilidade, no sereno gozo da presença de Deus, quer percam de vista o Seu rosto nas tribulações que lhes possam sobrevir, todos-nações ou indivíduos-devem acatar humildemente a Sua vontade. A Sua justiça é justamente administrada para bem dos homens (30). Eliú pergunta então a Jó se algum homem que fale a linguagem da penitência (31-32) ousará impor a Deus a espécie de castigo que há de receber. Para que tu a desprezes (33). Leia-se “porque tu a desprezas”. O sentido do versículo é: “Ditarás tu, a Deus, a recompensa que hás de receber simplesmente porque desprezas a que Ele te deu?” Note-se como Eliú vinca bem a sua separação de Jó.

Estudo sobre Jó 34.34
Em seguida Eliú invoca o veredito dos homens de entendimento em relação à rebelião das palavras de Jó (34-37). Para Eliú a rebelião de Jó é mais terrível que as suas tribulações. E até que cesse essa rebelião, as tribulações persistirão para seu bem. Bate palmas (37). Ver Jó 27.23n.

Índice: Jó 1 Jó 2 Jó 3 Jó 4 Jó 5 Jó 6 Jó 7 Jó 8 Jó 9 Jó 10 Jó 11 Jó 12 Jó 13 Jó 14 Jó 15 Jó 16 Jó 17 Jó 18 Jó 19 Jó 20 Jó 21 Jó 22 Jó 23 Jó 24 Jó 23 Jó 24 Jó 25 Jó 26 Jó 27 Jó 28 Jó 29 Jó 30 Jó 31 Jó 32 Jó 33 Jó 34 Jó 35 Jó 36 Jó 37 Jó 38 Jó 39 Jó 40 Jó 41 Jó 42

Nenhum comentário:

Postar um comentário