2015/11/13

Estudo sobre Jó 35

Estudo sobre Jó 35




Estudo sobre Jó 35.1
Eliú refuta a segunda queixa de Jó (Jó 35.1-16)
Jó argumentara que a justiça não traz qualquer vantagem ao homem que a pratica não lhe traz mais vantagens que ao pecador consumado (cf. Jó 21.15; Jó 34.9). Certo especialista traduz assim os vers. 2 e 3: “Achas que tens por direito dizeres, chamando-lhe “A minha justa causa contra Deus”: De que te serve? E, que me aproveita não ter pecado?”. Eliú replica que nem a virtude nem o vício podem trazer qualquer vantagem ao Deus transcendente (5-7). São os outros homens e não Deus que têm razão para se preocupar com a conduta humana (8). Veja-se o erro da argumentação de Eliú em 7.20n., 22.3n.

Estudo sobre Jó 35.9
Eliú passa, então, a refutar certas considerações que poderiam parecer apoiar a afirmação de Jó segundo a qual uma conduta reta não traz qualquer vantagem. Há o problema da oração que não é atendida (9,12). É o caso de “pedis e não recebeis porque pedis mal” ( Tg 4.3). É a oração a que falta uma nota de profunda e autêntica religiosidade. É a oração marcada pela vaidade (13). É um grito de dor que não ergue o homem acima dos animais irracionais (11). O divino mestre tem reservado para o homem maiores e mais sublimes altitudes de fé (10; cf. Jó 36.22).
O pensamento de Deus como Mestre, conduzindo o homem através de um penoso e áspero labirinto de dor para uma experiência mais profunda de Si próprio, estabelece uma importante distinção entre Eliú e os amigos de Jó. Para estes, Deus é mais caracteristicamente o Soberano ou o Juiz. Os vers. 14 -16 não acentuam apenas a falta de uma nota de profunda religiosidade no clamor de Jó; acusam-no de pura irreligiosidade. A tradução oferece problemas. Certo comentador interpreta assim o vers. 14: “Sim, quando dizes que não o vês, a causa está perante Ele; por isso espera nEle” (14). Para o vers. 15 adote-se a seguinte versão: “mas agora, porque a Sua ira ainda não se exerce, dizes que Ele não considera grandemente a arrogância”. Ao pôr em dúvida a realidade da justiça do domínio de Deus, a qual recompensa o santo e castiga o pecador, Jó acumula palavras sem ciência (16).

Índice: Jó 1 Jó 2 Jó 3 Jó 4 Jó 5 Jó 6 Jó 7 Jó 8 Jó 9 Jó 10 Jó 11 Jó 12 Jó 13 Jó 14 Jó 15 Jó 16 Jó 17 Jó 18 Jó 19 Jó 20 Jó 21 Jó 22 Jó 23 Jó 24 Jó 23 Jó 24 Jó 25 Jó 26 Jó 27 Jó 28 Jó 29 Jó 30 Jó 31 Jó 32 Jó 33 Jó 34 Jó 35 Jó 36 Jó 37 Jó 38 Jó 39 Jó 40 Jó 41 Jó 42

Nenhum comentário:

Postar um comentário