2015/11/13

Estudo sobre Jó 7

Estudo sobre Jó 7


Estudo sobre Jó 7.1
A DUREZA E A BREVIDADE DA VIDA HUMANA (Jó 7.1-10). Guerra (1). Numa sucessão de impressionantes imagens Jó apresenta-nos a vida como uma dura batalha. É como o ingrato dia do jornaleiro cuja única consolação está nas sombras da noite em que todo o seu esforço cai no olvido e no magro salário que recebe ao fim do dia. Para Jó, nenhum repouso pode ser mais doce, nenhuma recompensa mais valiosa, que a morte. E será isso de admirar quando tudo que a vida lhe reserva são noites de vigília e uma terrível e repugnante doença? Bichos (5); na podridão das suas feridas geram-se vermes. Jó medita agora na brevidade da vida (6-10). A vida move-se mais veloz que a lançadeira do tecelão; é como o vento, como uma nuvem que se desfaz; uma corrida para a sepultura donde se não volta mais.

Estudo sobre Jó 7.11
JÓ REPREENDE DEUS (Jó 7.11-21). Impelido pela miséria e pelo sofrimento, Jó lamenta-se amargamente. É ele o mar para que Deus assim o submeta ou um monstro cruel que ponha em perigo a ordem do universo (12)? Que pode ter chamado sobre ele essa implacável atenção divina, que pode ter provocado essa focalização, essa convergência de dor que já o enlouqueceu e levou a odiar a vida? (13-19). Estrangulação (15): sensação de asfixia que é uma das mais vulgares características da lepra. Estes meus ossos (15). A doença reduziu Jó a um esqueleto.

Estudo sobre Jó 7.17
A atmosfera dos versículos 17-18 é notavelmente diferente da do Sl 8.4 em que a pergunta que prende a atenção é: “Como pode um Deus majestático e poderoso curvar-se ao ponto de notar a insignificante criatura humana e de se preocupar com ela?” Aqui a pergunta é outra: “Se Deus é tão grande, por que não me deixa Ele entregue a mim mesmo?” Guarda dos homens (20). Segundo outra versão, “Espião dos homens”. Por que não cessa Deus-um Deus tão grande-de procurar afanosamente a Sua presa? Jó parece ver em Deus um inspetor irado cujas visitas são inevitavelmente seguidas de castigos, já que não deixará de encontrar erro e imperfeição entre os homens. Até que engula a minha saliva (19) é uma expressão ainda corrente entre os árabes e que significa “por um momento que seja”.

Estudo sobre Jó 7.20
Que pode significar para Deus o pequeno pecado da pequenina criatura humana? Não poderá Ele perdoar-lhe? Em breve esse perdão divino deixará de ter razão de ser, em breve será tarde para perdoar porque o sono da morte terá Jó caído sobre ele (20 -21). Estes versos demonstram-nos uma visão errada do pecado. Jó argumenta: “Não vejo como é que o meu pecado pode afetar Deus. Não é pedir muito suplicar a um Deus Todo-Poderoso que perdoe os pequenos pecados do homem”. Há qualquer coisa de profundamente atual nestas palavras, qualquer coisa de curiosamente moderno. Comparem-se com elas estas outras palavras, igualmente perplexas, de um lavrador moribundo a quem o pároco exortara a que se arrependesse: “Mas que mal Lhe fiz eu?” Esse homem unir-se-ia a Jó no seu imenso espanto: como podia o seu pecado afetar o Deus Todo -Poderoso? Certo servo do Senhor estava mais perto da verdade ao afirmar que o mais ligeiro pecado que se fixasse na sua alma representava, para Deus, a dor que para ele representava um grão de areia que se lhe alojasse num olho. Se Jó pudesse ter refletido sobre a excessiva malignidade do pecado (Rm 7.13), a sua linguagem teria sido diferente. É precisamente porque Deus é grande e não a despeito de o ser, que Ele recorreu à mais drástica de todas as medidas-o sacrifício de Si mesmo -para pôr termo àquilo que tão impensadamente, tão irrefletidamente, se chama “o pequeno pecado da pequenina criatura humana”.

Índice: Jó 1 Jó 2 Jó 3 Jó 4 Jó 5 Jó 6 Jó 7 Jó 8 Jó 9 Jó 10 Jó 11 Jó 12 Jó 13 Jó 14 Jó 15 Jó 16 Jó 17 Jó 18 Jó 19 Jó 20 Jó 21 Jó 22 Jó 23 Jó 24 Jó 23 Jó 24 Jó 25 Jó 26 Jó 27 Jó 28 Jó 29 Jó 30 Jó 31 Jó 32 Jó 33 Jó 34 Jó 35 Jó 36 Jó 37 Jó 38 Jó 39 Jó 40 Jó 41 Jó 42

Nenhum comentário:

Postar um comentário