2015/12/09

Gênesis 15 — Estudo Bíblico

Estudo Bíblico sobre Gênesis





Gênesis 15

O CONCERTO DE DEUS COM ABRAÃO (15.1-17.27)
Diferente das religiões pagãs dos vizinhos de Abrão, cuja crença era politeísta e centrada na natureza, a crença de Abrão era monoteísta e centrada no concerto. Nem a Babilônia, a Síria ou o Egito conhecia uma religião que fosse pessoal, com uma relação dinâmica operando entre Deus e o homem. Mas Deus estabeleceu tal relação com Abrão e seus descendentes fazendo um concerto com ele.

O Concerto de Deus com Abrão (15.1-21)
Na sociedade do alto vale da Mesopotâmia fazer concertos era prática comum entre homens e entre nações. Deus usou esta forma de relação pessoal como meio de transmi­tir sua revelação a Abrão (1) e seus descendentes. A comunicação ocorreu por meio de uma visão na qual o Fazedor do Concerto acalmou o medo de Abrão e se identificou como seu escudo e grandíssimo galardão. O termo escudo denota proteção; e galardão, com seus adjetivos, transmite a ideia de graciosidade abundante. As duas palavras re­presentam um Deus que se preocupava muito com as ansiedades que Abrão tinha.
Segue-se um diálogo no qual Abrão revela sua profunda angústia. Deus prometeu que Abrão teria um filho (12.1-7; 13.14-17). Mas não veio nenhuma criança para abençoar sua casa. Por quê? A lei dos hurrianos, prevalecente em torno de Harã, de onde veio Abrão, tomava providências para que um casal sem filhos adotasse um servo para cuidar deles na velhice e enterrá-los. Em troca, o herdeiro adotado receberia a riqueza da famí­lia. Evidentemente, Abrão adotara o damasceno Eliezer (2), mas ele não estava satis­feito. Esta provisão não correspondia com a promessa que Deus lhe fizera. Um nascido na minha casa (3) é tradução correta.
Em resposta a Abrão, o SENHOR (4) lhe garantiu que Eliezer não seria o herdeiro, mas que Deus ainda daria a Abrão um herdeiro de quem ele seria o pai. Para reforçar a promessa, Deus ordenou a Abrão: Olha, agora, para os céus e conta as estrelas (5). A vasta gama de estrelas que salpicavam o céu seria comparável ao número de descendentes que consideraria Abrão como pai.
A reação de Abrão foi completa rendição à vontade de Deus e a aceitação da promes­sa como resposta adequada às suas dúvidas. Pela primeira vez na Bíblia ocorre o verbo crer (6). Basicamente, significa estar firmemente determinado ou fundamentado. Neste contexto, significa que Abrão se fundamentou na integridade de Deus. Diante disso, Deus aceitou este ato de fé como ato de justiça que desconsiderou a dúvida anterior.
Este versículo foi muito importante para Paulo, que o usou para demonstrar em Romanos 4 que crer em Deus é a base para obter salvação e que a justiça é um dom de Deus. Praticamente o mesmo argumento é usado em Gálatas 3 (ver comentários sobre estes vv. no CBB, vols. VIII e IX).
Em 15.1, é indicada “A Fé de Abraão”. 1) O registro da fidelidade: Depois destas coisas (cf. caps. 12-14); 2) A recompensa da fidelidade, 1-6 (G. B. Williamson).
O próximo diálogo se concentra na relação da terra (7) com a semente de Abrão. Depois de breve referência ao chamado que anteriormente fizera a Abrão, Deus repetiu a promessa de que a Palestina seria uma casa para os filhos do patriarca. Abrão pediu alguma prova tangível, visto que ele não possuía nada da terra pela qual peregrinava. Foi neste contexto que o concerto foi realmente estabelecido.
Seguindo procedimentos antigos no estabelecimento de concertos, Deus orientou Abrão a preparar três animais — uma bezerra, uma cabra e uni carneiro (9), os três de três anos — e dois pássaros — uma rola e um pombinho. Depois de sacrificá-los, Abrão dividiu as carcaças dos animais e as colocou no chão, vigiando-os para protegê-los de aves (10) que se alimentam de carniça. Pondo-se o sol (12), Deus apareceu a Abrão na forma de grande espanto e grande escuridão (“um terror e medo de estremecer”, BA).
A mensagem do Revelador estava cheia de detalhes acrescentados às promessas anteriores. Sobre a semente (13), Deus disse que a posse da terra não seria imediata, mas que os descendentes de Abrão teriam de habitar primeiro em outra terra. Lá, seriam escravizados por quatrocentos anos, em cujo período eles conheceriam a aflição. Mas Deus julgaria aquela gente (14) e libertaria o povo de Abrão.
O próprio Abrão não possuiria toda a terra, mas teria um senso de paz (15) na velhice e morte. Voltando ao assunto da terra, Deus indicou que os amorreus (16), que então a habitavam, tinham de ganhar tempo para demonstrar sua falta de responsabilidade e abundância de iniquidade. A terra não lhes seria arrancada até que o ato estives­se fundamentado em firme base moral.
No momento em que o sol se pôs (17), Deus se manifestou de maneira diferente. Ele simbolizou sua participação e autenticação do concerto passando entre os animais sacri­ficados como um forno de fumaça e uma tocha de fogo. Nas Escrituras, é frequente o fogo simbolizar a presença de Deus.
O capítulo tem uma observação sucinta, destacando que a promessa de concerto incluía as fronteiras da Terra Prometida. Elas se estenderiam desde o rio do Egito (18), o Uádi el Arish, a meio caminho entre a Filístia e o Egito, até ao grande rio Eufrates. Em seguida, há uma lista dos dez grupos que habitavam em Canaã nos tempos de Abrão.
De Gn 15.5-18, Alexander Maclaren pregou sobre “O Concerto de Deus com Abrão”. 1) A promessa de Deus, 5,7; 2) A fé triunfante de um homem, 6; 3) A verdade do evangelho: Foi-lhe imputado isto por justiça, 6; 4) O concerto reafirmado, 7,13-18.

Índice: Gênesis 1 Gênesis 2 Gênesis 3 Gênesis 4 Gênesis 5 Gênesis 6 Gênesis 7 Gênesis 8 Gênesis 9 Gênesis 10 Gênesis 11 Gênesis 12 Gênesis 13 Gênesis 14 Gênesis 15 Gênesis 16 Gênesis 17 Gênesis 18 Gênesis 19 Gênesis 20 Gênesis 21 Gênesis 22 Gênesis 23 Gênesis 24 Gênesis 25 Gênesis 26 Gênesis 27 Gênesis 28 Gênesis 29 Gênesis 30 Gênesis 31 Gênesis 32 Gênesis 33 Gênesis 34 Gênesis 35 Gênesis 36 Gênesis 37 Gênesis 38 Gênesis 39 Gênesis 40 Gênesis 41 Gênesis 42 Gênesis 43 Gênesis 44 Gênesis 45 Gênesis 46 Gênesis 47 Gênesis 48 Gênesis 49 Gênesis 50

Nenhum comentário:

Postar um comentário