2015/11/30

Novo Testamento | Teologia Bágica

Novo Testamento | Teologia Bágica
Novo Testamento


Os escritores do Novo Testamento, no entanto, não fizeram a Bíblia; tudo o que eles fizeram foi adicionar à Bíblia o que já estava lá. Mas que direito eles tinham de acrescentar? Onde está a autoridade necessária ser encontrada?

Deve ser encontrada, em última análise, em Jesus. Jesus reivindicou uma autoridade plenamente igual à dos escritores do Antigo Testamento, e sua reivindicação foi apoiada tanto por seus milagres e por toda a natureza da sua Pessoa. O que quer que Jesus dissesse foi indubitavelmente verdadeiro; tudo o que ele ordenou deve ser obedecido implicitamente.

Mas Jesus nada escreveu; nenhum dos livros do Novo Testamento, nem mesmo aqueles que lidam com suas próprias palavras e atos, vieram a nós diretamente dele. Se os livros devem ser considerados como autoritários, sua autoridade deve aparentemente ser procurada em outro lugar. Que outra autoridade se manifestou na Igreja primitiva, além de a autoridade de Jesus?

A resposta a esta pergunta é simples. A autoridade de Jesus na Igreja primitiva foi continuada pela autoridade dos seus apóstolos. A autoridade dos apóstolos aparece em sua própria afirmação, uma vez que se torna evidente em particular nas epístolas de Paulo. Ele também aparece na reverência com que foram considerados não apenas pelos seus contemporâneos, mas também por todas as gerações subsequentes. A autoridade dos apóstolos difere, porém, da de Jesus em que não foi devido a qualquer virtude inerente nas pessoas de que a possuía; os apóstolos eram homens com na necessidade de perdão, como o resto da humanidade. De onde, então, foi a sua autoridade derivada? A resposta é simples. Foi derivado da comissão que havia recebido do próprio Jesus. Assim como o Pai o havia enviado ao mundo, da mesma forma Jesus os enviou ao mundo, João 17:18; seu Espírito guiaria em toda a verdade (João 16:13). Clemente de Roma foi inteiramente correto quando, escrevendo em cerca de 95 AD para a igreja em Corinto, disse: “Os Apóstolos receberam o evangelho para nós da parte do Senhor Jesus Cristo; Jesus Cristo foi enviado de Deus. Assim, pois Cristo é de Deus, e os apóstolos são de Cristo. “(I Clemente, 42, traduzido por Lightfoot).

Foi em virtude dessa autoridade que os apóstolos adicionado à Bíblia de seu tempo os livros que são que a compõem no Novo Testamento. Assim, a Igreja tem mantido desde o início; o critério decisivo para determinar se um livro devia ser considerado com autoridade foi encontrado pela Igreja primitiva na genuinidade da sua “apostolicidade.” Apenas os livros foram recebidos pela Igreja, os que foram escritos por apóstolos, com exceção dos escritos de Marcos e Lucas que foram dados à Igreja sob sanção apostólica. A Igreja não criou a autoridade dos livros do Novo Testamento; ela só reconheceu a autoridade que aqueles livros possuíam em si mesmos desde o início. Os apóstolos não tinha presunçosamente usurpado a função estupenda de adição à Bíblia; eles receberam-no em virtude de sua comissão abrangente de Jesus, e eles cumpriram pela inspiração do Espírito Santo, da qual Jesus tinha prometido.

Aos escritos desses homens devemos a nossa vida cristã hoje. O próprio Jesus, como já foi observado, nada escreveu; até mesmo o registro de suas palavras e ações nos vem apenas na autoridade de seus apóstolos. Na verdade, havia muitas coisas que na própria natureza do caso não poderia ser dito até depois da ressurreição. Jesus não veio, mera e principalmente, para revelar a natureza de Deus; ele veio, em vez disso, realizar uma obra de salvação. Até que o trabalho fosse realizado, seu significado não poderia ser completamente explicado; a explicação completa poderia ser dada somente após o trabalho ser feito. A proclamação e explanação do trabalho concluído de Cristo constituiu o evangelho apostólico; o evangelho, como preservado para nós no Novo Testamento, ainda é o fundamento da Igreja.[1]





[1] Machen, J. G. (2000). A rapid survey of the literature and history of New Testament times: Student's text book. A one year course for young people. (electronic ed.) (página 6). Oak Harbor, WA: The Rose Tree Press.

Nenhum comentário:

Postar um comentário