Romanos 16 — Explicação de Romanos

Romanos 16 — Explicação de Romanos

Romanos 16 — Explicação de Romanos


16.1 Febe. Diaconisa (gr diakonon; cf. 1 Tm 3.11) da igreja de Cencreia, um dos dois portos de Corinto, ficou encarregada de levar esta epístola à igreja de Roma.
16.2 Recebais. Todo irmão em viagem podia contar com a hospitalidade de cristãos em outros lugares.
16.5 — A igreja local do primeiro século reuniu-se em casas particulares. Priscila (possivelmente da classe nobre romana) e Áquila, um judeu do Ponto, tinham uma igreja reunindo-se na sua casa em Roma, como antes tinham em Éfeso (1 Co 16.19) e talvez em Corinto(At 18.26).
16.7 Andrônico e Júnias. Não é possível doterminar através do original se o segundo nome é feminino ou masculino. Eram judeus (parentes indica isto) e companheiros de Paulo na prisão (cf. 2 Co 11.23), talvez em Éfeso. Crentes antes de Paulo, eles eram contados entre os apóstolos no sentido mais lato e provavelmente entre os “quinhentos irmãos” que viram o Senhor ressuscitado (1 Co 15.6).
16.13 — Rufo. Deve ser o mesmo que é designado como filho de Simão o Cireneu (Mc 15.21). Marcos escrevendo para Roma c. 60 d.C. usaria Alexandre e Rufo (membros da igreja de Roma) para identificar Simão que carregou a cruz. Eleito tem o ideia de ”distinguido” e “apreciado”. Quando foi a esposa de Simão mãe para Paulo? Alguns identificam o Simão Níger de At 13.1 como o mesmo de Mc 15.21 e, portanto, pai de Rufo. Nesse caso, é muito natural que Paulo estivesse hospedado na sua casa quando Barnabé o procurou, para ajudar no ministério em Antioquia (cf. At 11.25, 26).
16.16 — Ósculo santo (cf. 1 Co 16.20; 2 Co 13.12; 1 Ts 5.26; 1 Pe 5.14). Corresponde ao “ósculo de paz” que ainda faz parte da liturgia da Igreja Ortodoxa. Era parte integrante do culto no tempo de Justino, o Mártir.
16.17 Paulo aqui deixa por um pouco sua hesitação em dirigir-se à igreja que ele não fundou e começa a falar com sua plena autoridade apostólica. Nesta sua exortação final, Paulo adverte contra os homens que provocam divisões e enganam os corações dos simples. Deviam ter sido antinomistas semelhantes aos mencionados em Fp 3.18, 19.
16.19 Sábios... símplices. Em Mt 10.16b, lemos “prudentes como as serpentes e simples como as pombas”. Em ambas as passagens ocorrem os mesmos adjetivos: sophosakeraios. Cf. 1 Co 14.20.
16.20 Deus do paz. É um titulo repetido da bênção de Rm 15.33. É usado em contraste com Satanás, o autor da dissensão. Esmagará. Parece ser um eco de Gn 3.15 onde a semente da mulher ferirá a cabeça do diabo. Os que pertencem a Cristo compartilham da Sua vitória.
16.21 Lúcio. Possivelmente refere-se a Lucas. Neste caso. meus parentes”, isto é, judeus, só se aplicaria a Jasom e a Sosípatro (cf. At 17.6, 7, 9; 20.4). Sabemos que Lucas estava com Paulo nesta altura (At 20.5ss) e que Lúcio provavelmente era equivalente a Lucas.
16.22 Tércio. Parece que Paulo fazia uso regular de amanuenses para escrever suas epístolas.
16.23 Erasto. Provavelmente, o mesmo cujo nome foi encontrado inscrito numa pedra da pavimentação posta por ele em Corinto, no primeiro século. Não deve ser o mesmo mencionado em 2 Tm 4.20.
• N. Nom. 16.25-27 Todo louvor seja a Deus. 1) Pelo poder que fornece para confirmar os cristãos (v. 25). 2) Pela provisão do evangelho através da pregação e revelação (v. 25). 3) Pelo resultado na obediência que vem pela fé entre todos os povos (v. 26). 4) Pela finalidade suprema de dar glória a Deus eternamente por meio de Jesus Cristo (v. 27).