2015/12/23

Alegoria — Estudo Bíblico

Alegoria —  Estudo Bíblico
Alegoria

1. A palavra aparece em Gálatas 4:24, sob a forma “alegóricas”, na expressão: “Estas cousas são alegóricas”. Indica a explicação ou expressão de alguma coisa por meio do nome ou imagem de outra coisa. Fazer a Hagar e seus filhos corresponderem à atual Jerusalém e aos judeus (que, na realidade, descendiam de Abraão e Sara, e não de uma escrava), parece uma estranha distorção. Mas Paulo apontava para o aspecto da servidão espiritual.  Aqueles que se tinham deixado escravizar espiritualmente, tinham-se tornado descendentes espirituais de Hagar e seu filho, e não de Sara e seu filho, o qual nasceu livre. Quanto a detalhes sobre isso, ver Gál. 4:24. O termo grego com põe-se de allos e agoreuein, “outro” e “falar”. Quem alegorizava, falava ou escrevia sobre alguma coisa por intermédio de outra, procurando desvendar sentidos simbólicos ou espirituais ocultos e inesperados. Assim, Jesus disse: “Ide dizer a essa raposa...” (Luc. 13:32), ao referir-se a Herodes, pois este demonstrava possuir a natureza ardilosa e má de uma raposa. Se uma narrativa ou ilustração contém vários de tais usos, — chamamo-la de alegoria; mas, se apenas um desses artifícios literários é usado, chamamos esse uso de metáfora ou símile.  O termo grego pode ser usado para indicar um uso isolado ou um uso reiterado desse artifício. Consideremos os pontos abaixo:
2. Distinções.  a. Uma metáfora ou símile é uma única comparação mediante a qual um a coisa é explicada por meio de outra, segundo se vê na ilustração acima, em que raposa tom a o lugar de Herodes.  b. Uma parábola,  por estrita definição, é um a estória que contém um a ou algum as poucas lições, ilustradas por seu intuito geral. Todavia, a maioria das parábolas (ver o artigo a respeito) do Novo Testamento consiste, realmente, de alegorias. Nas alegorias, muitos itens têm um sentido simbólico, isto é, são usadas muitas símiles ou metáforas. A parábola do semeador, contada por Jesus, envolve um sentido para cada item. E isso, segundo a definição moderna, é uma alegoria, e não uma parábola, c. Uma analogia é a comparação de um a coisa com outra, que tenciona instruir quanto à natureza da coisa em questão. Uma analogia também pode envolver muitos itens de comparação, mas é antes uma análise racional, ao passo que uma alegoria usa uma coisa de natureza inteiramente diferente para ilustrar algum a coisa. Um a analogia envolve a semelhança entre uma coisa e outra, em um ponto ou mais. A bondade de um homem pode ser usada para descrever a bondade divina, porque se assemelha a esta, em algum grau. Todos os atributos de Deus são concebidos por nós por analogia com as melhores qualidades humanas, posto que multiplicadas ao infinito, d. Um tipo envolve a circunstância em que uma coisa ou pessoa simboliza outra, ou um aspecto de outra pessoa ou coisa, tal como o sacerdócio de Aarão tipificava o sacerdócio de Cristo quanto a certo aspecto, ou como José, em algum as de suas qualidades pessoais, prefigurava as qualidades de Cristo, servindo assim de tipo do Senhor Jesus. O livro aos Hebreus contém muitos tipos.
3. Alegorias na Bíblia.  Há alegorias no livro de Ezequiel, nos capítulos primeiro e trigésimo sétimo, neste último a famosa alegoria dos ossos secos. Alguns pensam que o livro Cantares de Salomão é um a alegoria elaborada, retratando o amor de Cristo por Sua Igreja. No Novo Testamento, a maioria das parábolas com múltiplos sentidos consiste em alegorias (ver Mat. 13:18-23; Mar. 4:14-20). Jesus como a porta, o pão e a água, no evangelho de João, pode ser concebido alegoricamente, em consonância com o uso de Gál. 4:24; todavia, é melhor chamar esses usos de símiles ou metáforas, de conformidade com a terminologia moderna. O Apocalipse contém a alegoria da mulher (12:1ss), do cavalo branco (19:11-16) e muitas símiles e metáforas. Paulo usou uma outra alegoria em I Cor. 9:9ss, usando a imagem do boi a fim de indicar o ministério cristão. Já vimos a alegoria de Gál. 4:24, à qual se assemelha a alegoria de Cristo como a rocha,  em I Crô. 1:4.

4. Interpretação alegórica. Um artigo separado trata do assunto, sob esse título. A interpretação alegórica é anterior a tal tratamento dado na Bíblia. Os escritos homéricos (a antiga Bíblia grega, para todos os propósitos práticos) eram interpretados alegoricamente em tempos posteriores, a fim de fixar as ideias ali contidas sobre os deuses e a fim de serem descobertos sentidos ocultos. Teógenes de Rédio (c. de 520 A.C.) provavelmente foi o primeiro alegorista homérico. Homero falara sobre os deuses em termos das injustiças, imoralidades e muitas imperfeições, e os gregos posteriores, usando os escritos de Homero como sagrados e inspirados, tiveram de apelar para a alegoria a fim de evitar a aplicação de suas terríveis descrições aos seres divinos. Em relação à Bíblia, um judeu chamado Aristóbulo, do início do século II a.C., incorporou a interpretação alegórica aos seus ensinos e escritos. Ele tentou encontrar os ensinos de Platão nos escritos de Moisés, mediante interpretações fantasiosas. Nessa atividade ele chegou a incríveis extremos, como quando alegorizou o relato do adultério de Davi, transformando-o em um homem virtuoso, em seu ato! O que falta ser dito sobre a questão da interpretação alegórica, reservo para ser dito no artigo que trata especificamente do assunto. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário