Mateus 5 — Explicação das Escrituras

Mateus 5

As bem-aventuranças (5:1-12)

5:1, 2 O sermão começa com as bem-aventuranças, ou bênçãos. Estes apresentam o cidadão ideal do reino de Cristo. As qualidades descritas e aprovadas são o oposto daquelas que o mundo valoriza. AW Tozer os descreve assim: “Uma descrição bastante precisa da raça humana pode ser fornecida a um não familiarizado com ela tomando as bem-aventuranças, virando-as do lado errado e dizendo: ‘Aqui está sua raça humana.’”

5:3 Esta primeira bênção é pronunciada sobre os pobres de espírito. Isso não se refere à disposição natural, mas à escolha deliberada e à disciplina. Os pobres de espírito são aqueles que reconhecem sua própria impotência e confiam na onipotência de Deus. Eles sentem sua necessidade espiritual e a encontram suprida no Senhor. O reino dos céus, onde a auto-suficiência não é virtude e a auto-exaltação é um vício, pertence a essas pessoas.

5:4 Bem- aventurados são os que choram; um dia de conforto os espera. Isso não se refere ao luto pelas vicissitudes da vida. É a tristeza que se experimenta por causa da comunhão com o Senhor Jesus. É uma partilha ativa da dor e do pecado do mundo com Jesus. Portanto, inclui não apenas tristeza pelo próprio pecado, mas também tristeza por causa da terrível condição do mundo, sua rejeição do Salvador e a condenação daqueles que recusam Sua misericórdia. Esses enlutados serão consolados no dia vindouro, quando “Deus enxugará de seus olhos toda lágrima” (Ap 21:4). Os crentes fazem todo o seu luto nesta vida; para os incrédulos, a dor de hoje é apenas uma amostra da tristeza eterna.

5:5 Uma terceira bênção é pronunciada sobre os mansos : eles herdarão a terra. Por natureza, essas pessoas podem ser voláteis, temperamentais e rudes. Mas ao tomar propositalmente o espírito de Cristo sobre eles, eles se tornam mansos ou gentis (compare Mateus 11:29). A mansidão implica a aceitação de sua posição inferior. A pessoa mansa é gentil e branda em sua própria causa, embora possa ser um leão na causa de Deus ou na defesa de outros.

Os mansos não herdam agora a terra; em vez disso, eles herdam o abuso e a expropriação. Mas eles literalmente herdarão a terra quando Cristo, o Rei, reinar por mil anos em paz e prosperidade.

5:6 Em seguida, uma bênção é pronunciada sobre aqueles que têm fome e sede de justiça : eles recebem a promessa de satisfação. Essas pessoas têm paixão pela justiça em suas próprias vidas; anseiam por ver honestidade, integridade e justiça na sociedade; eles procuram santidade prática na igreja. Como as pessoas sobre as quais Gamaliel Bradford escreveu, eles têm “uma sede que nenhuma corrente terrestre pode satisfazer, uma fome que deve se alimentar de Cristo ou morrer”. Essas pessoas serão abundantemente satisfeitas no reino vindouro de Cristo: serão fartas, pois a justiça reinará e a corrupção dará lugar aos mais altos padrões morais.

5:7 No reino de nosso Senhor, os misericordiosos são abençoados… porque eles alcançarão misericórdia. Ser misericordioso significa ser ativamente compassivo. Em certo sentido, significa reter a punição dos infratores que a merecem. Em um sentido mais amplo, significa ajudar outros necessitados que não podem ajudar a si mesmos. Deus mostrou misericórdia ao nos poupar do julgamento que nossos pecados mereciam e ao demonstrar bondade para conosco através da obra salvadora de Cristo. Imitamos a Deus quando temos compaixão.

Os misericordiosos obterão misericórdia. Aqui, Jesus não está se referindo à misericórdia da salvação que Deus dá a um pecador crente; essa misericórdia não depende de uma pessoa ser misericordiosa — é um dom gratuito e incondicional. Em vez disso, o Senhor está falando da misericórdia diária necessária para a vida cristã e da misericórdia naquele dia futuro, quando as obras de alguém serão revisadas (1 Coríntios 3:12-15). Se alguém não foi misericordioso, essa pessoa não receberá misericórdia; isto é, as recompensas diminuirão de acordo.

5:8 Aos puros de coração é dada a certeza de que verão a Deus. Uma pessoa de coração puro é aquela cujos motivos são puros, cujos pensamentos são santos, cuja consciência é limpa. A expressão eles verão a Deus pode ser entendida de várias maneiras. Primeiro, os puros de coração vêem a Deus agora através da comunhão na Palavra e no Espírito. Em segundo lugar, eles às vezes têm uma aparência ou visão sobrenatural do Senhor apresentada a eles. Terceiro, eles verão Deus na Pessoa de Jesus quando Ele vier novamente. Quarto, eles verão a Deus na eternidade.

5:9 A bênção é pronunciada sobre os pacificadores : eles serão chamados filhos de Deus. Observe que o Senhor não está falando sobre pessoas com disposição pacífica ou que amam a paz. Ele está se referindo àqueles que intervêm ativamente para fazer a paz. A abordagem natural é observar os conflitos do lado de fora. A abordagem divina é tomar ações positivas para criar a paz, mesmo que isso signifique sofrer abusos e injúrias.

Os pacificadores são chamados filhos de Deus. Não é assim que eles se tornam filhos de Deus – isso só pode acontecer recebendo Jesus Cristo como Salvador (João 1:12). Fazendo a paz, os crentes se manifestam como filhos de Deus, e Deus um dia os reconhecerá como pessoas que carregam a semelhança de família.

5:10 A próxima bem-aventurança trata daqueles que são perseguidos, não por suas próprias transgressões, mas por causa da justiça. O reino dos céus é prometido aos crentes que sofrem por fazer o que é certo. Sua integridade condena o mundo ímpio e traz à tona sua hostilidade. As pessoas odeiam uma vida justa porque ela expõe sua própria injustiça.

5:11 A bem-aventurança final parece ser uma repetição da anterior. No entanto, há uma diferença. No versículo anterior, o assunto era perseguição por causa da justiça; aqui é perseguição por causa de Cristo. O Senhor sabia que Seus discípulos seriam maltratados por causa de sua associação e lealdade a Ele. A história confirmou isso: desde o início, o mundo perseguiu, prendeu e matou seguidores de Jesus.

5:12 Sofrer por amor de Cristo é um privilégio que deve causar alegria. Uma grande recompensa aguarda aqueles que assim se tornam companheiros dos profetas na tribulação. Aqueles porta-vozes de Deus do AT permaneceram fiéis apesar da perseguição. Todos os que imitam sua coragem leal compartilharão sua alegria presente e exaltação futura.

As bem-aventuranças apresentam um retrato do cidadão ideal no reino de Cristo. Observe a ênfase na justiça (v. 6), paz (v. 9) e alegria (v. 12). Paulo provavelmente tinha esta passagem em mente quando escreveu: “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” (Rm 14:17).

Os crentes são sal e luz (5:13–16)

5:13 Jesus comparou Seus discípulos ao sal. Eles eram para o mundo o que o sal é na vida cotidiana: o sal tempera os alimentos; impede a propagação da corrupção; cria sede; traz o sabor. Assim, Seus seguidores acrescentam picante à sociedade humana, servem como preservadores e fazem os outros ansiarem pela justiça descrita nos versículos anteriores.

Se o sal perder o sabor, como restaurar a salinidade? Não há como restaurar o sabor verdadeiro e natural. Depois de perder o sabor, o sal não serve para nada. É descartado em uma trilha. O comentário de Albert Barnes sobre esta passagem é esclarecedor:

O sal usado neste país é um composto químico - e se a salinidade se perdesse, ou se perdesse o sabor, não sobraria nada. Nos países orientais, porém, o sal utilizado era impuro, misturado com substâncias vegetais e terrenas; para que ele perca toda a sua salinidade, e uma quantidade considerável [de sal sem sabor] permaneça. Isso não servia para nada, exceto que era usado, como se diz, para colocar em caminhos ou passeios, como usamos cascalho. 4

O discípulo tem uma grande função – ser o sal da terra, vivendo os termos do discipulado listados nas bem-aventuranças e em todo o restante do Sermão. Se ele falhar em exibir esta realidade espiritual, os homens pisarão seu testemunho sob seus pés. O mundo tem apenas desprezo por um crente não dedicado.

5:14 Jesus também chama os cristãos de luz do mundo. Ele falou de Si mesmo como “a luz do mundo” (João 8:12; 12:35, 36, 46). A relação entre essas duas declarações é que Jesus é a fonte de luz; Os cristãos são o reflexo de Sua luz. Sua função é brilhar para Ele assim como a lua reflete a glória do sol.

O cristão é como uma cidade que se ergue sobre uma colina : eleva-se acima dos seus arredores e brilha no meio da escuridão. Aqueles cujas vidas exibem os traços do ensino de Cristo não podem ser escondidos.

5:15, 16 As pessoas não acendem uma lâmpada e a colocam debaixo de uma cesta. Em vez disso, eles o colocam sobre um candelabro para que dê luz a todos os que estão na casa. Ele não pretendia que acumulássemos a luz de Seu ensino para nós mesmos, mas que a compartilhássemos com os outros. Devemos deixar nossa luz brilhar de tal maneira que, quando as pessoas virem nossas boas obras, glorifiquem nosso Pai no céu. A ênfase está no ministério de caráter cristão. O encanto das vidas em que Cristo é visto fala mais alto do que a persuasão das palavras.

C. Cristo cumpre a lei (5:17-20)

5:17, 18 A maioria dos líderes revolucionários rompe todos os laços com o passado e repudia a ordem tradicional existente. Não assim o Senhor Jesus. Ele defendeu a Lei de Moisés e insistiu que ela deveria ser cumprida. Jesus não veio para abolir a Lei ou os Profetas, mas para cumpri -los. Ele claramente insistiu que nem um jota ou um til passaria da lei até que ela fosse completamente cumprida. O jot, ou yod, é a menor letra do alfabeto hebraico; o título é uma pequena marca ou projeção que serve para distinguir uma letra da outra, assim como o traço inferior de um E maiúsculo a distingue de um F maiúsculo. Jesus acreditava na inspiração literal da Bíblia, mesmo no que poderia parecer pequenos detalhes sem importância. Nada nas Escrituras, mesmo o menor traço, é sem significado.

É importante notar que Jesus não disse que a lei nunca passaria. Ele disse que não passaria até que tudo fosse cumprido. Esta distinção tem ramificações para o crente hoje, e como a relação do crente com a lei é bastante complicada, vamos resumir o ensino da Bíblia sobre este assunto.

A RELAÇÃO DO CRENTE COM A LEI

A lei é aquele sistema de legislação dado por Deus através de Moisés à nação de Israel. Todo o corpo da lei é encontrado em Êxodo 20–31, Levítico e Deuteronômio, embora sua essência esteja incorporada nos Dez Mandamentos.

A lei não foi dada como meio de salvação (Atos 13:39; Rm 3:20a; Gl 2:16, 21; 3:11); foi projetado para mostrar às pessoas sua pecaminosidade (Rm 3:20b; 5:20; 7:7; 1Co 15:56; Gl 3:19) e então conduzi-los a Deus para Sua graciosa salvação. Foi dado à nação de Israel, embora contenha princípios morais que são válidos para pessoas de todas as épocas (Rm 2:14, 15). Deus testou Israel sob a lei como uma amostra da raça humana, e a culpa de Israel provou a culpa do mundo (Rm 3:19).

A lei havia anexado a ela a pena de morte (Gl 3:10); e quebrar um mandamento era ser culpado de todos (Tg 2:10). Uma vez que as pessoas tinham infringido a lei, elas estavam sob a maldição da morte. A justiça e santidade de Deus exigiam que a penalidade fosse paga. Foi por esta razão que Jesus veio ao mundo: para pagar a pena com a Sua morte. Ele morreu como um substituto para os infratores culpados da lei, embora Ele mesmo não tivesse pecado. Ele não deixou a lei de lado; em vez disso, Ele atendeu a todas as exigências da lei ao cumprir seus requisitos estritos em Sua vida e em Sua morte. Assim, o evangelho não derruba a lei; ele defende a lei e mostra como as exigências da lei foram plenamente satisfeitas pela obra redentora de Cristo.

Portanto, a pessoa que confia em Jesus não está mais debaixo da lei; ele está debaixo da graça (Rm 6:14). Ele está morto para a lei através da obra de Cristo. A pena da lei deve ser paga apenas uma vez; já que Cristo pagou a penalidade, o crente não precisa. É nesse sentido que a lei desapareceu para o cristão (2 Coríntios 3:7-11). A lei era um tutor até a vinda de Cristo, mas depois da salvação, esse tutor não é mais necessário (Gl 3:24, 25).

No entanto, enquanto o cristão não está sob a lei, isso não significa que ele é sem lei. Ele está preso por uma corrente mais forte do que a lei porque está sob a lei de Cristo (1 Coríntios 9:21). Seu comportamento é moldado, não pelo medo do castigo, mas pelo desejo amoroso de agradar seu Salvador. Cristo tornou-se sua regra de vida (João 13:15; 15:12; Efésios 5:1, 2; 1 João 2:6; 3:16).

Uma pergunta comum em uma discussão sobre a relação do crente com a lei é: “Devo obedecer aos Dez Mandamentos?” A resposta é que certos princípios contidos na lei são de relevância duradoura. É sempre errado roubar, cobiçar ou matar. Nove dos Dez Mandamentos são repetidos no NT, com uma distinção importante – eles não são dados como lei (com penalidade anexada), mas como treinamento em justiça para o povo de Deus (2Tm 3:16b). O único mandamento não repetido é a lei do sábado: os cristãos nunca são ensinados a guardar o sábado (ou seja, o sétimo dia da semana, sábado).

O ministério da lei para os não salvos não terminou: “Sabemos, porém, que a lei é boa, se alguém a usa licitamente” (1 Tm 1:8). Seu uso lícito é produzir o conhecimento do pecado e assim levar ao arrependimento. Mas a lei não é para aqueles que já estão salvos: “A lei não é feita para o justo” (1Tm 1:9).

A justiça exigida pela lei é cumprida naqueles “que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Rm 8:4). De fato, os ensinamentos de nosso Senhor no Sermão da Montanha estabelecem um padrão mais alto do que aquele estabelecido pela lei. Por exemplo, a lei dizia: “Não mate”; Jesus disse: “Nem mesmo odeie”. Assim, o Sermão da Montanha não apenas sustenta a Lei e os Profetas, mas os amplifica e desenvolve suas implicações mais profundas.

5:19 Voltando ao Sermão, notamos que Jesus antecipou uma tendência natural de relaxar os mandamentos de Deus. Por serem de natureza tão sobrenatural, as pessoas tendem a explicá-los, a racionalizar seu significado. Mas aquele que violar uma parte da lei e ensinar outras pessoas a fazer o mesmo, será chamado o menor no reino dos céus. A maravilha é que tais pessoas são permitidas no reino – mas então, a entrada no reino é pela fé em Cristo. A posição de uma pessoa no reino é determinada por sua obediência e fidelidade enquanto estiver na terra. A pessoa que obedece à lei do reino — essa pessoa será chamada grande no reino dos céus.

5:20 Para ganhar entrada no reino, nossa justiça deve superar a justiça dos escribas e fariseus (que se contentavam com cerimônias religiosas que lhes davam uma purificação ritual externa, mas que nunca mudavam seus corações). Jesus usa hipérbole (exagero) para mostrar a verdade de que a justiça externa sem a realidade interna não terá entrada no reino. A única justiça que Deus aceitará é a perfeição que Ele imputa àqueles que aceitam Seu Filho como Salvador (2 Coríntios 5:21). Claro, onde há verdadeira fé em Cristo, também haverá a justiça prática que Jesus descreve no restante do Sermão.

D. Jesus Adverte Contra a Ira (5:21–26)

5:21 Os judeus do tempo de Jesus sabiam que o assassinato era proibido por Deus e que o assassino era passível de punição. Isso era verdade antes da lei (Gn 9:6) e mais tarde foi incorporada à lei (Êx 20:13; Deut. 5:17). Com as palavras: “Mas eu vos digo”, Jesus institui uma emenda ao ensino sobre o assassinato. Uma pessoa não podia mais se orgulhar de nunca ter cometido um assassinato. Jesus agora diz: “No meu reino, você não deve nem ter pensamentos assassinos”. Ele rastreia o ato de assassinato até sua origem e adverte contra três formas de raiva injusta.

5:22 O primeiro é o caso de uma pessoa que está zangada com seu irmão sem motivo. 5 Um acusado desse crime corre o risco de ser julgado, ou seja, pode ser levado a tribunal. A maioria das pessoas pode encontrar o que pensa ser uma causa válida para sua raiva, mas a raiva só é justificada quando a honra de Deus está em jogo ou quando alguém está sendo injustiçado. Nunca é certo quando expresso em retaliação por erros pessoais.

Ainda mais grave é o pecado de insultar um irmão. Nos dias de Jesus, as pessoas usavam a palavra Raca (um termo aramaico que significa “vazio”) como uma palavra de desprezo e abuso. Aqueles que usavam esse epíteto estavam em perigo do conselho — isto é, estavam sujeitos a julgamento perante o Sinédrio, a mais alta corte do país.

Finalmente, chamar alguém de tolo é a terceira forma de ira injusta que Jesus condena. Aqui a palavra tolo significa mais do que apenas um burro. Significa um tolo moral que deveria estar morto e expressa o desejo de que ele estivesse. Hoje é comum ouvir uma pessoa xingar outra com as palavras: “Deus amaldiçoe você!” Ele está pedindo a Deus que entregue a vítima ao inferno. Jesus diz que aquele que proferir tal maldição está em perigo de fogo do inferno. Os corpos de criminosos executados eram frequentemente jogados em um lixão em chamas fora de Jerusalém, conhecido como Vale de Hinom ou Geena. Esta era uma figura do fogo do inferno que nunca será apagado.

Não há como confundir a severidade das palavras do Salvador. Ele ensina que a raiva contém as sementes do assassinato, que a linguagem abusiva contém o espírito do assassinato e que a linguagem de maldição implica o próprio desejo de matar. O progressivo agravamento dos crimes exige três graus de punição: o julgamento, o concílio e o fogo do inferno. No reino, Jesus lidará com os pecados de acordo com a severidade.

5:23, 24 Se uma pessoa ofende a outra, seja por raiva ou por qualquer outra causa, não adianta trazer uma dádiva a Deus. O Senhor não ficará satisfeito com isso. O ofensor deve primeiro ir e corrigir o que está errado. Só então o presente será aceitável.

Mesmo que essas palavras sejam escritas em um contexto judaico, isso não significa que não haja aplicação hoje. Paulo interpreta este conceito em relação à Ceia do Senhor (veja 1 Coríntios. 11). Deus não recebe adoração de um crente que não está falando com outro.

5:25, 26 É contra um espírito litigioso e uma relutância em admitir a culpa que Jesus adverte aqui. É melhor resolver prontamente com um acusador do que correr o risco de um julgamento no tribunal. Se isso acontecer, estamos fadados a perder. Embora haja algum desacordo entre os estudiosos sobre a identidade das pessoas nesta parábola, o ponto é claro: se você estiver errado, seja rápido em admitir e acertar as coisas. Se você permanecer impenitente, seu pecado eventualmente o alcançará e você não apenas terá que fazer uma restituição total, mas também sofrerá penalidades adicionais. E não tenha pressa de ir ao tribunal. Se o fizer, a lei o descobrirá e você pagará o último centavo.

E. Jesus condena o adultério (5:27-30)

5:27, 28 A Lei mosaica claramente proibia o adultério (Ex. 20:14; Deut. 5:18). Uma pessoa pode se orgulhar de nunca ter quebrado este mandamento, e ainda assim ter “os olhos cheios de adultério” (2 Pe 2:14). Embora exteriormente respeitável, sua mente pode estar constantemente vagando por labirintos de impureza. Então Jesus lembrou a Seus discípulos que a mera abstinência do ato físico não era suficiente - deve haver pureza interior. A lei proibia o ato de adultério; Jesus proíbe o desejo: quem olhar para uma mulher para cobiçá-la já cometeu adultério com ela em seu coração. E. Stanley Jones captou a importância deste versículo quando escreveu: “Se você pensa ou age adultério, você não satisfaz o desejo sexual; você derrama óleo no fogo para apagá-lo”. O pecado começa na mente e, se o alimentarmos, acabamos cometendo o ato.

5:29, 30 Manter uma vida de pensamento imaculada exige estrita autodisciplina. Assim, Jesus ensinou que se qualquer parte do nosso corpo nos leva a pecar, seria melhor perder esse membro durante a vida do que perder a alma para a eternidade. Devemos tomar as palavras de Jesus literalmente? Ele estava realmente defendendo a automutilação? As palavras são literais nesse sentido: se fosse necessário perder um membro em vez da alma, então deveríamos de bom grado nos separar do membro. Felizmente, nunca é necessário, pois o Espírito Santo capacita o crente a viver uma vida santa. No entanto, deve haver cooperação e disciplina rígida por parte do crente.

F. Jesus censura o divórcio (5:31, 32)

5:31 Sob a lei do AT, o divórcio era permitido de acordo com Deuteronômio 24:1–4. Esta passagem não estava relacionada com o caso de uma esposa adúltera (a penalidade para o adultério era a morte, veja Dt 22:22). Em vez disso, trata do divórcio por antipatia ou “incompatibilidade”.

5:32 Porém, no reino de Cristo, quem se divorciar de sua mulher por qualquer motivo, exceto por imoralidade sexual, faz com que ela cometa adultério. Isso não significa que ela automaticamente se torne uma adúltera; pressupõe que, sem meios de subsistência, seja obrigada a viver com outro homem. Ao fazer isso, ela se torna uma adúltera. Não é só a ex-mulher que vive em adultério, quem se casa com uma mulher divorciada comete adultério.

O assunto do divórcio e novo casamento é um dos tópicos mais complicados da Bíblia. É virtualmente impossível responder a todas as perguntas que surgem, mas pode ser útil pesquisar e resumir o que acreditamos que as Escrituras ensinam.

DIVÓRCIO E NOVO CASAMENTO

O divórcio nunca foi a intenção de Deus para o homem. Seu ideal é que um homem e uma mulher permaneçam casados até que sua união seja quebrada pela morte (Rm 7:2, 3). Jesus deixou isso claro para os fariseus apelando para a ordem divina na criação (Mt 19:4-6).

Deus odeia o divórcio (Ml 2:16), isto é, o divórcio antibíblico. Ele não odeia todo divórcio porque fala de Si mesmo como tendo se divorciado de Israel (Jr 3:8). Isso aconteceu porque a nação O abandonou para adorar ídolos. Israel foi infiel.

Em Mateus 5:31, 32 e 19:9, Jesus ensinou que o divórcio era proibido, exceto quando um dos parceiros fosse culpado de imoralidade sexual. Em Marcos 10:11, 12 e Lucas 16:18, a cláusula de exceção é omitida.

A discrepância é provavelmente melhor explicada porque nem Marcos nem Lucas registram todo o dito. Portanto, embora o divórcio não seja o ideal, ele é permitido no caso em que o parceiro tenha sido infiel. Jesus permite o divórcio, mas não o ordena.

Alguns estudiosos veem 1 Coríntios 7:12-16 como ensinando que o divórcio é aceitável quando um crente é abandonado por um incrédulo. Paulo diz que a pessoa restante “não está sob servidão em tais casos” (isto é, ele ou ela é livre para obter o divórcio) por deserção. A opinião do presente escritor é que este caso é a mesma exceção concedida em Mateus 5 e 19; ou seja, o incrédulo parte para viver com outra pessoa. Portanto, o crente pode receber o divórcio com base nas escrituras somente se a outra parte cometer adultério.

Muitas vezes argumenta-se que, embora o divórcio seja permitido no NT, o novo casamento nunca é contemplado. No entanto, este argumento levanta a questão. O novo casamento não é condenado para a parte inocente no NT apenas para a pessoa ofensora. Além disso, um dos principais propósitos de um divórcio bíblico é permitir um novo casamento; caso contrário, a separação também serviria ao propósito.

Em qualquer discussão sobre este tópico, surge inevitavelmente a pergunta: “E as pessoas que se divorciaram antes de serem salvas?” Não deve haver dúvida de que divórcios ilegais e novos casamentos contraídos antes da conversão são pecados que foram totalmente perdoados (veja, por exemplo, 1 Coríntios 6:11 onde Paulo inclui o adultério na lista de pecados em que os crentes de Corinto haviam participado anteriormente). Os pecados pré-conversão não impedem os crentes de participarem plenamente na igreja local.

Uma questão mais difícil diz respeito aos cristãos que se divorciaram por motivos não bíblicos e depois se casaram novamente. Eles podem ser recebidos de volta na comunhão da igreja local? A resposta depende se o adultério é o ato inicial de união física ou um estado contínuo. Se essas pessoas estão vivendo em estado de adultério, então elas não apenas teriam que confessar seu pecado, mas também abandonar seu parceiro atual. Mas a solução de Deus para um problema nunca é aquela que cria problemas piores. Se, para desembaraçar uma briga conjugal, homens ou mulheres são levados ao pecado, ou mulheres e crianças são deixadas sem lar e sem um tostão, a cura é pior que a doença.

Na opinião do escritor, os cristãos que se divorciaram de forma não bíblica e depois se casaram novamente podem se arrepender verdadeiramente de seus pecados e ser restaurados ao Senhor e à comunhão da igreja. Em matéria de divórcio, parece que quase todos os casos são diferentes. Portanto, os presbíteros de uma igreja local devem investigar cada caso individualmente e julgá-lo de acordo com a Palavra de Deus. Se, às vezes, uma ação disciplinar tiver que ser tomada, todos os envolvidos devem se submeter à decisão dos anciãos.

G. Jesus Condena Juramentos (5:33–37)

5:33-36 A Lei mosaica continha várias proibições contra jurar falsamente pelo nome de Deus (Lev. 19:12; Num. 30:2; Deut. 23:21). Jurar pelo Nome de Deus significava que Ele era sua testemunha de que você estava dizendo a verdade. Os judeus procuraram evitar a impropriedade de jurar falsamente pelo Nome de Deus, substituindo o céu, a terra, Jerusalém ou sua cabeça como aquilo pelo qual juraram.

Jesus condena tal evasão da lei como pura hipocrisia e proíbe qualquer forma de juramento ou juramento em conversas comuns. Não só era hipócrita, mas também era inútil tentar evitar jurar pelo Nome de Deus simplesmente substituindo Seu Nome por outro substantivo. Jurar pelo céu é jurar pelo trono de Deus. Jurar pela terra é jurar pelo escabelo de Seus pés. Jurar por Jerusalém é jurar pela capital real. Até mesmo jurar pela própria cabeça envolve Deus porque Ele é o Criador de tudo.

5:37 Para o cristão, um juramento é desnecessário. Seu Sim deve significar Sim, e seu Não deve significar Não. Usar uma linguagem mais forte é admitir que Satanás – o maligno – governa nossas vidas. Não há circunstâncias sob as quais seja apropriado que um cristão minta.

Esta passagem também proíbe qualquer sombra da verdade ou engano. No entanto, não proíbe fazer um juramento em um tribunal de justiça. O próprio Jesus testemunhou sob juramento perante o Sumo Sacerdote (Mt 26:63ss). Paulo também usou um juramento para chamar Deus como sua testemunha de que o que ele estava escrevendo era verdade (2 Coríntios 1:23; Gálatas 1:20).

H. Percorrendo a Segunda Milha (5:38–42)

5:38 A lei dizia: “Olho por olho e dente por dente” (Ex. 21:24; Lev. 24:20; Deut. 19:21). Isso era tanto uma ordem para punir quanto uma limitação da punição – a pena não deve exceder o crime. No entanto, de acordo com o AT, a autoridade para punir era atribuída ao governo, não ao indivíduo.

5:39–41 Jesus foi além da lei para uma justiça mais elevada ao abolir completamente a retaliação. Ele mostrou a Seus discípulos que, enquanto a vingança era legalmente permitida, agora a não-resistência era graciosamente possível. Jesus instruiu Seus seguidores a não oferecerem resistência a uma pessoa má. Se eles fossem esbofeteados em uma bochecha por alguém, eles deveriam virar a outra também para ele. Se eles fossem processados por sua túnica (uma vestimenta interna), eles deveriam entregar sua capa (uma vestimenta externa usada para cobrir à noite) também. Se um oficial os obrigasse a transportar sua bagagem por uma milha, eles deveriam voluntariamente transportá-la duas milhas.

5:42 A última ordem de Jesus neste parágrafo parece a mais impraticável para nós hoje. Dá a quem te pede, e a quem te pede emprestado não te rejeites. Nossa obsessão por bens e posses materiais nos faz recuar ao pensar em doar o que adquirimos. No entanto, se estivéssemos dispostos a nos concentrar nos tesouros do céu e nos contentar apenas com a comida e as roupas necessárias, aceitaríamos essas palavras de forma mais literal e voluntária. A afirmação de Jesus pressupõe que a pessoa que pede ajuda tem uma necessidade genuína. Como é impossível saber se a necessidade é legítima em todos os casos, é melhor (como alguém disse), “ajudar uma dúzia de mendigos fraudulentos do que arriscar afastar um homem em necessidade real”.

Humanamente falando, tal comportamento como o Senhor pede aqui é impossível. Somente quando uma pessoa é controlada pelo Espírito Santo ela pode viver uma vida de abnegação. Somente quando o Salvador tem permissão para viver Sua vida no crente, o insulto (v. 39), a injustiça (v. 40) e a inconveniência (v. 41) podem ser recompensados com amor. Este é “o evangelho da segunda milha”.

I. Ame seus inimigos (5:43–48)

5:43 O exemplo final de nosso Senhor da justiça superior exigida em Seu reino diz respeito ao tratamento dos inimigos, um tópico que surge naturalmente do parágrafo anterior. A lei havia ensinado os israelitas a amar o próximo (Lv 19:18). Embora eles nunca tenham sido explicitamente ordenados a odiar seu inimigo, esse espírito está por trás de grande parte de sua doutrinação. Essa atitude era um resumo da visão do AT em relação aos que perseguiam o povo de Deus (veja Sal. 139:21, 22). Foi uma hostilidade justa dirigida contra os inimigos de Deus.

5:44–47 Mas agora Jesus anuncia que devemos amar nossos inimigos e orar por aqueles que... nos perseguem. O fato de o amor ser ordenado mostra que é uma questão de vontade e não principalmente de emoções. Não é o mesmo que afeição natural porque não é natural amar quem te odeia e te faz mal. É uma graça sobrenatural e pode ser manifestada somente por aqueles que têm vida divina.

Não há recompensa se amamos aqueles que nos amam; Jesus diz que até os cobradores de impostos não convertidos 6 fazem isso! Esse tipo de amor não requer poder divino. Tampouco há virtude em saudar nossos irmãos 7 apenas, (ou seja, nossos parentes e amigos). Os não salvos podem fazer isso; não há nada distintamente cristão nisso. Se nossos padrões não forem mais altos que os do mundo, é certo que nunca causaremos impacto no mundo.

Jesus disse que Seus seguidores deveriam pagar o bem com o mal, para que pudessem ser filhos de seu Pai no céu. Ele não estava dizendo que esta era a maneira de se tornar filhos de Deus; antes, é como mostramos que somos filhos de Deus. Uma vez que Deus não mostra parcialidade nem com o mal nem com o bem (na medida em que ambos se beneficiam do sol e da chuva), devemos tratar todos com graça e justiça. 5:48 Jesus encerra esta seção com a admoestação: Portanto, sereis perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus. A palavra perfeito deve ser entendida à luz do contexto. Isso não significa sem pecado ou sem falhas. Os versículos anteriores explicam que ser perfeito significa amar aqueles que nos odeiam, orar por aqueles que nos perseguem e mostrar bondade tanto para amigos quanto para inimigos. A perfeição aqui é aquela maturidade espiritual que capacita um cristão a imitar a Deus ao dispensar bênçãos a todos sem parcialidade.

5.2 Passou a ensiná-los. Jesus achava-se em Cafarnaum, cercado por grandes multidões, num lugar que hoje é apontado como o Monte das Bem-aventuranças. O Sermão inteiro ocupa os caps. 5, 6 e 7, e seus ensinamentos foram repetidos no decurso da missão ativa de Jesus na terra, como se verifica nas referências e partes diferentes do Evangelho de Lucas.

5.3-12 Bem-aventurados. Gr makarios, “feliz”, “abençoado”. É a felicidade do coração que está em paz com Deus, e estende-se aos seguintes: 1) Humildes de espírito, os verdadeiros humildes, não sendo a simples falta de bens materiais que produz a humildade; 2) Os que choram, lamentando seus próprios pecados; 3), Os mansos, que se dobram à vontade de Deus; 4) Fome e sede de justiça, é o que têm os que buscam a santidade que vem de Deus; 5) Os misericordiosos, que- se compadecem do seu próximo; 6) os limpos de coração, têm uma santidade no íntimo; 7) Os pacificadores, têm paz com Deus e a semeiam; 8) os perseguidos, que sofrem qualquer sacrifício para permanecer dentro da vontade de Cristo

5.13, 14 A influência e a responsabilidades do cristão neste mundo: o sal preserva e dá sabor, a luz brilha e se opõe às trevas.

5.17 Para cumprir. Gr plerõsai, “encher”, “completar”. Jesus não veio revogar ou destruir nenhuma palavra que Deus ensinara aos fiéis do passado no AT. Veio cumprir plenamente o propósito de Deus revelado no AT dando à lei e aos profetas aquilo que faltava: O Espírito Santo para interpretá-lo e poder para pô-lo em prática, pela sua obra salvadora.

5.18 A letra i (iota) era a menor letra do abecedário grego e hebraico (yôdh), e o til (gr keraia, lit. “chifrezinho”, era o sinal que distinguia certas consoantes hebraicas, o daleth do rêsh, o bêth do kaph).

5.19 Aquele, pois, que violar. A Bíblia é a palavra de Deus, e não deve ser menosprezada, retalhada ou profanada nas mãos dos homens.

5.20 Justiça. Gr dikaiosune, a qualidade de ser reto ou justo. Não é suficiente a observância de leis e de costumes; para isto os fariseus serviam muito bem. Precisa-se certa realidade espiritual produzida pelo relacionamento com Deus pela fé que resulta numa retidão interna refletida pela expressão externa (cf. Lc 18.14n; Rm 4.3).

5.21, 22 Não matarás. Os judeus valorizavam a letra da lei que proibia eliminar-se a vida humana (Êx 20.13). Jesus, revelando a vontade de Deus, porém, proibiu o ódio e a vingança que já é assassínio na coração (cf. 23-26).

5.22 Inferno. Gr geenna, que translitera o hebraico gehinnõm, “o vale de Hinom”; este vale profundo ficava ao sul de Jerusalém. Durante o reinado de Manassés alguns judeus sacrificavam ali aos seus próprios filhos, através do fogo, ao ídolo Moloque. Finalmente tornou-se o depósito de lixo da cidade, e inclusive de carcaças de animais e de criminosos executados. O fogo e a fumaça incessantes criaram o símbolo do castigo eterno.

5.27, 28 Não adulterarás. Adulterar, para o judeu, observando-se a letra de Êx 20.14, seria deitar-se com a mulher do seu próximo. Para Jesus, é isto e ainda algo mais. Atendendo ao espírito da lei e à disposição do coração que leva a cobiçar uma mulher, declara que pensamento impuro é adultério, embora não se pratique o ato.

5.32 A interpretação que os judeus da época de Jesus chegaram a ter da lei, começou a ter aplicação dupla: lenitiva para com os homens, e severa para com as mulheres. Um homem podia divorciar-se de sua esposa por qualquer pretexto, e tinha muita facilidade para tomar uma concubina. Aqui, bem como em outras questões, Jesus revela qual era a verdadeira intenção da Palavra de Deus, desde os primórdios.

5.33,34 Não juraras falso. Cf. Lv 19.12; Êx 20.7; Dt 5.34. O juramento era permitido no AT, mas Jesus querendo que toda palavra nossa seja pura e inabalável (37), proíbe o juramento. • N. Hom. Lugares onde nossa luz não deve ficar: 1) Debaixo do alqueire, 5.15; 2) Debaixo da cama, Mc 4.21; 3) Debaixo do vaso, Lc 8.16; 4) Em qualquer lugar escondido, Lc 11.23.

5.38 Olho por olho. A intenção desta lei era de controlar a vingança da pessoa lesada; não podendo ultrapassar, a simples retribuição justa e exata (Êx 21.24; Dt 19.21; Lv 24.20). Jesus ultrapassa a justiça com amor, não somente na Sua obra sacrificial na cruz, pela qual Deus cancela o castigo que Sua justiça decreta; mas também na Sua vida diária demonstrando que a justiça pode ser cumprida através de Sua Pessoa e no Seu ensino.

5.43 Odiarás o teu inimigo. Esta expressão pertence à tradição popular dos judeus, e não ao AT. Os judeus consideravam que só outros judeus (e prosélitos, ver Lv 19.33-34) eram vizinhos. Mas Jesus ensinou o amor para com todos, considerando-os além disto o sinal pelo qual o mundo reconheceria os filhos do Pai Celestial (Jo 13.35).

5.48 Perfeitos. Jesus aponta para a absoluta perfeição do amor de Deus como alvo do crente (cf. 1 Pe 1.15, 16). Não se debate a possibilidade filosófica do absoluto amor perfeito na terra: quem pertence a Cristo, pratica a verdadeira piedade (1 Jo 1.6-10), e já tem sua absoluta garantia da transformação final (1 Jo 3.2).

Índice: Mateus 1 Mateus 2 Mateus 3 Mateus 4 Mateus 5 Mateus 6 Mateus 7 Mateus 8 Mateus 9 Mateus 10 Mateus 11 Mateus 12 Mateus 13 Mateus 14 Mateus 15 Mateus 16 Mateus 17 Mateus 18 Mateus 19 Mateus 20 Mateus 21 Mateus 22 Mateus 23 Mateus 24 Mateus 25 Mateus 26 Mateus 27 Mateus 28