2016/03/27

João 8 — Explicação das Escrituras

João 8 — Explicação de João

João 8 — Explicação de João

    


João 8
7.53-8.11 Este trecho, segundo os eruditos, não fez parte original do evangelho de João, ainda que registre um incidente genuíno na vida de Jesus. Não se encontra nos melhores e mais antigos manuscritos e versões. Onze manuscritos colocam-no no fim do evangelho; outros o inserem depois de Lc 21.38.
8.6 Tentando-o. Era um dilema. Se Jesus discordasse estaria contra Moisés; concordando, seria um subversivo (a pena capital cabia a Roma) e também séria contra os pecadores que Ele veio salvar. Escrevia. Cf. v. 8. Manuscritos de pouca importância dizem que Jesus revelou “os pecados de cada um” dos acusadores.
8.7 primeira que lhe atire. Cf. Dt 17.7.
8.10,11 O caso contra a mulher deu em nada por falta de acusadores impecáveis. Cristo que nunca pecara (8.46) a perdoou porque tomava os pecados dela em Si mesmo (Rm 8.1,3). Não peques mais. O perdão livre nunca dá licença para pecar (Rm 6.1ss).
8.12-20 A natureza e validez das pretensões de Jesus estão em discussão.
8.12 Eu sou a luz. Também na festa dos tabernáculos, além de derramar a água no altar, acendia-se à noite enormes lâmpadas de ouro no Pátio das Mulheres, no Templo. Lembrava a coluna de fogo no deserto. • N. Hom. Jesus, a luz do Mundo. 1) Só Ele pode iluminar a alma conduzindo-a ao seu destino celeste. 2) Só Ele afasta as trevas do pecado (1 Jo 1.5-9). 3) Só Ele proporciona a vida pela iluminação do Espírito (1.5n, 9).
8.14 Jesus sabia donde veio, i.e., do Pai (1.14, 18). Os antagonistas não tinham uma noção da encarnação de Cristo. Além do testemunho próprio, Deus Pai testificou em favor dele.
8.15 julgais segundo a carne, quer dizer, ser insensível diante das realidades espirituais (cf. 19; Cl 3.1-3).
8.17 Vossa Lei. Pela maneira que os judeus interpretavam a lei, Jesus foi forçado a Se desassociar de Moisés (cf. 10.34; 15.25). Cf. Mt 5.17-20 para conhecer a atitude de Cristo a respeito da, lei.
8.18 Testifica de mim, i.e., pela ressurreição (cf. 7.34).
8.19 O conhecimento de Deus vem só por Cristo (14.6-9),
8.21 Vou retirar-me. Pela crucificação e ressurreição Jesus se afastará. Pela fé podemos ser unidos a Ele nessa morte redentora. O pecado supremo é descrer, pecando, assim, contra a verdade e o Espírito Santo (Cf. Mt 12.32).
8.24 Eu Sou. Cristo faz alusão a Êx 3.14; Dt 32.39 onde a LXX tem esta idêntica frase (ego eimi). Veladamente, Ele reivindica Sua divindade (cf. 6.20; 8.28, 13.19; 18.6) essencialmente um com Deus.
8.25 Desde o princípio. O original grego que dizer: “desde o inicio de meu ministério público”, ou, “desde o começo de meu contato com o povo” (há outras interpretações).
8.28 Levantardes. Pela crucificação. Cf. 3.14n; 12,32. Nada faço por mim mesmo. Cf. 5.19n. Falo... ensinou. Cf. Hb 1.1.
8.29 Agrada. Define-se a genuína santidade como agradar sempre a Deus. Somente Cristo agrada ao Pai sempre (cf. Cl 1.10).
8.30 Creram. Eram crentes nominais (no parágrafo seguinte mostram que deixaram de crer - “haviam crido”, 31) Cf. 2.23ss; 6.60ss.
8.31-59 Novo debate com os “muitos” que abandonaram sua “fé”. • N. Hom. Um Discipulado Genuíno. 1) O que é - submissão obediente (31) à palavra de Cristo; 2) o resultado - conhecimento progressivo da verdade (32); 3) seu benefício - libertação do jugo do pecado (36), e direitos de filhos no lar de Deus (35).
8.32 Conhecereis a verdade, i.e. Cristo, a Verdade pessoal (14.6). O escravo de Cristo experimenta a liberdade real do espírito nos propósitos de Deus (36; Rm 8.2-4).
8.34 Escravo do pecado. • N. Hom. “Reflexões de Jesus sobre a Queda do Homem. 1) Quem comete pecado mostra que é escravo do pecado; 2) mas não reconhece essa escravidão (9.41). 3) Torna-se incapaz de compreender a palavra de Deus (43); 4) sua! fonte de satisfação de valores é o diabo que incute os próprios desejos, a mentira (44), o homicídio (40) e a próprio glória (50.5, 44). A conseqüência da queda - a morte (51s; Rm 5.12; 6.23). Tanto Abraão como os profetas morreram (52). Mas Cristo, o Segundo Adão, anula os efeitos da Queda sendo glorificado pelo Pai (54, na ressurreição). Quem guarda a palavra de Cristo compartilhará de Sua vitória sobre a Queda (51s) e experimentará a verdade, liberdade e pureza.
8.35 Escravo... filho. O não convertido e o genuíno crente.
8.39,40 Jesus nega que os judeus são verdadeiros filhos de Abraão porque o filho reflete qualidades do seu pai. As obras de Abraão eram de ouvir e obedecer a palavra de Deus (Hb 11.8s).
8.41 Bastardos. Os judeus rejeitando o nascimento virginal acusam Jesus de Ter nascido ilegitimamente.
8.42 Vossa pai. Jesus nega que os judeus eram de filiação divina, portanto rejeita seu direito de ser o Israel verdadeiro (Êx 4.22; Fp 3.3).
8.48 Samaritano. Raça mista e hostil aos judeus e sua religião (4.9). Tens demônio. Os fariseus acharam que o poder de expulsar demônios veio do próprio diabo (Mt 12.24ss). Igualmente explicaria para eles a operação de qualquer milagre.
8.53 Maior do que... Abraão. Cf. 4.12. Abraão morreu - Cristo ressuscitou e dá vida. Abraão foi pai dos judeus. Cristo é Autor e Consumador da fé dos fiéis, inclusive, de Abraão (Hb 12.2)
8.55 Conhecido (gr egnõkate “conhecer progressivamente”, 3.10). Conheço (gr oida ”conhecer essencialmente, por natureza”).
8.56 Ver o meu dia, i.e., quando Abraão vivia no mundo, ou pela fé ou por uma visão, segundo uma tradição rabínica.

8.58 Eu Sou (gr ego eimi, cf. 24n). Novamente Jesus se identifica com o eterno “Eu Sou” de que se deriva o nome Jeová (heb Yahweh, Êx 3.4; 6.3). Os judeus bem entenderam Sua reivindicação de deidade e por isso concluíram que deviam apedrejá-lo (59).

Índice: João 1 João 2 João 3 João 4 João 5 João 6 João 7 João 8 João 9 João 10 João 11 João 12 João 13 João 14 João 15 João 16 João 17 João 18 João 19 João 20 João 21

Nenhum comentário:

Postar um comentário