2016/06/27

A Questão do Divórcio em Mateus 19


Mateus 19:1-9 

A última vez que comprei um carro eu estava assustado ao notar, no livro de instruções, uma lista de coisas a fazer caso estivesse envolvido em um acidente: Chame a polícia. Faça uma nota de exatamente o que aconteceu, onde e como. Anote os números de outros carros envolvidos, registre-os. E assim por diante. Havia também uma seção sobre como lidar se o carro começasse a derrapar, ou fez outras coisas perigosas.
Essa seção é surpreendente, porque você realmente não espera que os fabricantes de um carro pensem que você terá um acidente, vá derrapar, ou vá dirigir perigosamente. Eles querem que você dirija com segurança, livre de problemas, ansiedade e perigo. Mas, às vezes, as pessoas entram em situações difíceis, e é importante saber o que fazer se surgir a ocasião. Seria absurdo sugerir que as pessoas que escreveram o livro de instruções do carro estivessem esperando tais coisas aconteçam ou mesmo encorajando as pessoas a fazê-las acontecer.
Os fariseus parecem ter pensado que a própria existência de uma legislação sobre o divórcio, dentro da lei de Moisés, fazia com que Moisés estivesse muito feliz por ela estar ali presente. Uma vez que há uma lei que dizia-lhes como fazê-lo, eles parecem tê-lo fundamentado em seu pensamento, isso devia significar que estaria tudo bem com o divórcio. Jesus mostra a falha em seu pensamento, apontando-os de volta à intenção original. Assim como um carro é feito para dirigir com segurança na estrada, para não derrapar nem colidir com outros carros, assim também o casamento foi feito para ser uma parceria entre uma mulher e um homem para a vida, não algo que poderia ser dividido e remontado sempre que um pessoa quisesse. Moisés não disse, por assim dizer, “quando você dirige seu carro, é como ter um acidente”; em vez disso, “quando você dirige um carro, tome cuidado para não tenha um acidente; mas, se tragicamente ocorrer um acidente, essa é a forma de lidar com isso “.
Jesus é muito claro, então, de que a Bíblia não encoraja o divórcio, assim como para nós seria bastante claro que o manual do carro não é encorajador da condução perigosa. Mas ele vai um passo à frente também. Ele está afirmando que com o seu trabalho todo, o plano de Deus mudou em um estágio a mais. Ele está, por assim dizer, projetando carros que não devam ter acidentes e que a condução perigosa não precisa mais acontecer. Ele está movendo a história de Deus e seu povo em um novo modo, onde a lei de Moisés não vai ser a única coisa que os guia. Deus está agora fazendo pessoas novas a partir do interior.
Isso é quase tão surpreendente que muitas vezes parece uma reivindicação de que não podemos justificar. Jesus diz que Moisés deu os mandamentos que Ele fez porque os corações de Israel eram difíceis. Aqui, e em outras partes do Novo Testamento, encontramos uma análise como esta: o Antigo Testamento, embora fosse de fato a palavra de Deus, era a palavra de Deus para as pessoas nos dias anteriores ao novo trabalho de Deus que aconteceriam em e através do próprio Jesus. E, aqui e em outros lugares (por exemplo, 15:15-20), Jesus parece estar dizendo que, através deste trabalho, a raiz do problema da raça humana, a maldade do coração, ele próprio tratará. Se isso está acontecendo, então deveria funcionar como uma direção automática em um carro, e com certeza isso iria prevenir deslizamentos e acidentes antes mesmo de começar a acontecer.
Ah, mas este é o problema. Não é automático. Só porque você se diz um seguidor de Jesus, isso não significa que você não será tentado a fazer muitas coisas erradas. Na verdade, isso significa que os níveis de tentação quase certamente irão aumentar. Será como dirigir contra o fluxo de tráfego, e às vezes ele vai parecer que os acidentes são quase inevitáveis. Mas isso é precisamente porque, quando Deus resgata seu coração de sua rebeldia natural, e faz com que seja novo através de sua confiança nele, o seu batismo e seu seguimento de Jesus, a maneira como esta novidade funciona deve ser através de suas próprias decisões, seus próprios pensamentos, a sua própria força de vontade (ajudado e fortalecido pelo espírito Santo, próprio espírito de Jesus).
Deus quer pessoas reais, e não fantoches. A renovação da vida que Ele oferece, no âmbito da união como em qualquer outro lugar, virá por meio da obediência voluntária, inteligente das mulheres de todo o coração e os homens que pensam o que significa ser leal a Deus e para outras pessoas, especialmente ao seu parceiro de casamento e que tome medidas para colocá-lo em prática.
No Evangelho de Mateus, exclusivamente, o ensino é muito preto-e-branco sobre o divórcio e como ele aparece em Marcos e Lucas (que o divórcio não deve acontecer entre os seguidores de Jesus). Se um dos parceiros tem sido sexualmente infiel, isso pode constituir razão para o divórcio; e o divórcio implica uma liberdade para se casar novamente. Em 1 Coríntios 7:15, Paulo permite mais uma razão: se um parceiro descrente se apartar de um crente cristão, o crente não deve, em última análise, recusar. Mas, em ambos os casos, é bastante claro que a norma cristã é o casamento para toda a vida.
O casamento é, afinal, uma das principais formas em que a imagem do único Deus verdadeiro é refletida para o mundo. A passagem que Jesus citou de Gênesis 1:27 (“macho e fêmea os criou”) é o mesmo trecho em que ele diz que somos feitos à imagem de Deus. Não é de admirar que é uma coisa difícil, cara e maravilhosa trabalhar em um casamento e realmente tornarmos “uma só carne”. Todo objetivo de Jesus era provocar a renovação do mundo em que a intenção do Criador iria finalmente ser cumprida. Não admira que Ele não queira que a gente se contente com nada menos que o melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário