2016/06/17

Interpretação de Deuteronômio 10

Interpretação de Números 1

Interpretação de Deuteronômio 10

Índice: Deuteronômio 1 Deuteronômio 2 Deuteronômio 3 Deuteronômio 4 Deuteronômio 5 Deuteronômio 6 Deuteronômio 7 Deuteronômio 8 Deuteronômio 9 Deuteronômio 10 Deuteronômio 11 Deuteronômio 12 Deuteronômio 13 Deuteronômio 14 Deuteronômio 15 Deuteronômio 16 Deuteronômio 17 Deuteronômio 18 Deuteronômio 19 Deuteronômio 20 Deuteronômio 21 Deuteronômio 22 Deuteronômio 23 Deuteronômio 24 Deuteronômio 25 Deuteronômio 26 Deuteronômio 27 Deuteronômio 28 Deuteronômio 29 Deuteronômio 30 Deuteronômio 31 Deuteronômio 32 Deuteronômio 33 Deuteronômio 34

6) Convocação à Submissão. 10: 12 – 11:32.
Israel agora confrontava-se com a grande decisão, a escolha entre a bênção e a maldição, (11:26-32). Moisés reforçou o chamado à obediência (10:12 e segs.; 11:1, 8, 13, 18 e segs., 32) focalizando os olhos do povo nAquele que lhe concedia a Sua aliança, o justo Juiz dos céus e da terra (10:12-22), cujo imparcial julgamento Israel vira no passado, irresistivelmente executado no Egito e no deserto (11:1-7) e que no trituro veria soberanamente exercido sobre a terra e os habitantes de Canaã (11:8-25).
12. Agora introduz a conclusão de uma divisão mais importante do discurso (cons. 4:1). E o ames, e sirvas ao Senhor. A exigência básica e inclusiva da aliança está sendo aqui repetida (vs. 12, 13, 20; cons. 6:5, 13, 24; Mq. 6:8). Verdadeiro temor e verdadeiro amor são complementares e inseparáveis. São a resposta de um coração sincero diante da majestade e bondade de Deus, respectivamente, e juntos produzem serviço dedicado e obediência a toda a boa vontade de Deus.

16. Circuncidai . . . o vosso coração. Tal devoção genuína só pode brotar de um coração que tenha experimentado a realidade desta qualificação, que estava simbolizada no sinal iniciatório da aliança (cons. 30: 6; Êx. 6:12,30; Lv. 26:41; Jr. 6:10; 9:25, 26). Para inspirar o temor do Senhor, Moisés intimou Israel a considerá-Lo como o Senhor do cosmos (Dt. 10:14), como Deus acima de todos os que eram chamados de deuses (v.17a), como justo Juiz (v. 17b), e como o Soberano da história e da natureza (v. 21). Para despertar o amor para com Ele, Moisés relembrou como Deus concedera aos ancestrais de Israel o status da aliança (v. 15a), cumprira as promessas feitas aos patriarcas (vs. 15b, 21, 22) e mostrara-se o Ajudador dos desamparados (vs. 18, 19). 

Nenhum comentário:

Postar um comentário