2019/08/19

Interpretação de Deuteronômio 11

Interpretação de Deuteronômio 11

Interpretação de Deuteronômio 11



Deuteronômio 11

11:1-7. A obrigação de amar o Senhor (v. 1) é um refrão conexivo em 10:12 – 11:32. Depois de “considerai hoje” (v. 2), vem uma observação em parêntesis, que faz ver que a intimação para a decisão convencional não era para os filhos nascidos no deserto. Era, antes, para aqueles que tinham nascido no Egito e viram os grandes atos divinos de julgamento no passado (v. 7).
2. O objeto de considerar é a disciplina do Senhor vosso Deus, a grandeza, etc. Israel fora disciplinado para reverenciar o Senhor como o Juiz, com o qual tinha de travar conhecimento através da experiência do julgamento dos seus inimigos (vs. 2-4) e de si mesmo (vs. 5, 6). Os israelitas sabiam, portanto, que Seu juízo era todo-poderoso, de modo que os mais poderosos na terra não podiam evitá-lo; e era imparcialmente justo, de modo que até o povo de Sua aliança não se atrevia a tomar liberdades com a sua eleição.
6. O que fez a Datã e a Abirão. Veja Números 16, especialmente os versículos 31-33. O silêncio de Moisés a respeito do rebelde Coré foi possivelmente em deferência dos sobreviventes levitas da família de Coré (Nm. 26; 11).
8-17. Relativamente ao futuro de Israel, Moisés também aduziu motivos para a obediência.
8,9. Para que . . . possuais a terra . . . prolongueis os dias. Em relação à posse de Israel na terra de acordo com sua fidelidade à aliança, veja comentários sobre 6:1-3. Ao contrário do Egito, com sua agricultura irrigada, Canaã dependia claramente das bênçãos diretas de Deus para produzir fruto (vs. 11, 12; cons. 8:7 e segs.); e nesta esfera o justo juízo de Deus em relação à conduta de Israel seria registrado (vs. 13-17).
13,14. Se diligentemente obedecerdes . . . darei as chuvas. A prosperidade dependeria das devidas condições ambientais pelo ano afora (cons. 12b), tendo especial importância o início da estação chuvosa no outono e a devida extensão das últimas chuvas na primavera. O próprio estado da natureza serviria assim de constante e sensível barômetro do comportamento de Israel diante do Senhor. Portanto, Israel devia se prevenir contra os perigos espirituais da abundância material (vs, 14b,15).
16.Guardai-vos. Pois a abundância pode se transformar em seca, fome e morte com uma simples palavra do Senhor, o Juiz imparcial e todo-poderoso sob cujo comando até a terra se abrira para engolir os israelitas Datã e Abirão (vs. 15-17 ; cons. 11:6; 6:11-15 ; 8:11-20).
18-25. Considerando que as nações, e também a natureza, estão sob o controle absoluto do Senhor, elas constituíam outro agente no controle dos Seus vassalos israelitas.
18. Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração. Cons. 6:6-9. A fidelidade de geração em geração resultaria na perpetuação da posse que Israel tinha da terra prometida como os dias do céu acima da terra (v.21); isto é, enquanto os céus durassem sobre a terra, ou, resumindo, para todo o sempre (cons. Sl. 72:5, 7, 17; 89:29). Através do mesmo sinal, a infidelidade levaria ao fim da posse.
22,23. Se . . . O sucesso no estipulado programa de conquista (vs. 23-25; cons. 7:1,2,17 e segs.; 9:1 e segs.) dependeria primeira e finalmente não da perícia militar mas da submissão religiosa. O cumprimento do grande mandamento seria abençoado com a herança da terra da promessa até suas fronteiras mais distantes: do deserto da península do Sinai ao sul até as montanhas do Líbano ao norte, e do Eufrates a leste até o Mediterrâneo ao oeste (v.24; cons. 1:7; Gn. 15:18).
26. A bênção e a maldição. Eis aí a essência e a conclusão de todo o assunto (vs. 26-28). A soberania do Senhor, declarada na aliança agora renovada com Israel, podia se manifestar em bênçãos ou maldição (cons. caps. 28; 30:15-20). Israel devia decidir qual delas preferia. Este duplo aspecto e desafio, que Moisés colocou diante de Israel naquele dia em Moabe, ser-lhes-ia novamente apresentado por Josué do outro lado do Jordão em Canaã, para que a nação tivesse o cuidado de obedecer a Deus e viver (11:29-32). A transição da liderança mosaica para a de Josué assim marcada por um ritual de renovação em dois estágios, o que exibiria a continuidade da liderança divina definitiva. Este arranjo era o equivalente das medidas tomadas nos tratados feitos com vassalos pelos suseranos humanos, a fim de garantir sucessão dinástica nos seus tronos. Vaia em Deuteronômio 27 orientação mais detalhada em relação ao segundo estágio da cerimônia a ser realizada no Monte Gerizim e no Monte Ebal (cons. Js. 8:30-35). 


Índice: Deuteronômio 1 Deuteronômio 2 Deuteronômio 3 Deuteronômio 4 Deuteronômio 5 Deuteronômio 6 Deuteronômio 7 Deuteronômio 8 Deuteronômio 9 Deuteronômio 10 Deuteronômio 11 Deuteronômio 12 Deuteronômio 13 Deuteronômio 14 Deuteronômio 15 Deuteronômio 16 Deuteronômio 17 Deuteronômio 18 Deuteronômio 19 Deuteronômio 20 Deuteronômio 21 Deuteronômio 22 Deuteronômio 23 Deuteronômio 24 Deuteronômio 25 Deuteronômio 26 Deuteronômio 27 Deuteronômio 28 Deuteronômio 29 Deuteronômio 30 Deuteronômio 31 Deuteronômio 32 Deuteronômio 33 Deuteronômio 34


Nenhum comentário:

Postar um comentário